Publicado originalmente nas redes sociais.

Agorinha saía de um lugar e uma senhora começa a gritar: “meu Deus, como é feia, como é feia, como é feia”.

Pobre Deus, sendo chamado para debater feiúra num mundo em que milhares de mulheres são violentadas sexualmente e mortas.

Ontem uma amiga escreveu um texto sobre o livro e relatava que saia de um show comigo e alguém disse: “não sei porque gostam dela, nem bonita é”.

Talvez porque no concurso que eu concorri, chamado eleições, eu fui a que mais projetos apresentou.

Antes de ontem recebi uma mensagem aqui: “você é gorda por dentro, sua vagabunda horrorosa”. Entendi na hora o que ela quis dizer com gorda por dentro. Sabendo que fui gorda, ela quis dizer: “você pode até ter ficado não gorda por fora, mas por dentro você segue”.

E gorda, ser mulher gorda é o oposto do que uma mulher pode querer ser nessa sociedade gordofóbica em que somos estimuladas a retaliar o corpo pra tirar cada dobrinha “excedente”.

Nunca participei de concurso de beleza.

E também nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37, com os cabelos ficando grisalhos, lutando e vencendo as lutas para aceitar meu corpo, encarando de frente meu transtorno de imagem, deixando meu braço balançar por aí e sorrindo a vida e tatuando as lembranças.

Mas o fato é que o nosso corpo, o corpo das mulheres, é tão objetificado que a imensa maioria das críticas que recebo são sobre … estética.

Quantas vezes você quer divergir de uma mulher e diz que ela está gorda, feia, velha?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil