Basta, não queremos mais sangue negro banhando o chão em busca da justiça. É chegada a hora de nos levantarmos!

Cariocas pedem justiça para o assassinato de Marielle Franco e Anderson Pedro. Foto: Mídia NINJA

Por Macaé Evaristo, que foi Secretária de Alfabetização, Diversidade e Inclusão do Ministério da Educação de 2013 a 2014 e de 2015 a 2018, assumiu a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais.

Mulheres negras sempre resistiram e se rebelaram contra os sofrimentos impostos. No período escravagista, se rebelaram contra os açoites em público, contra os castigos, mutilações, como o corte dos tendões das fujonas, a jornada ininterrupta de trabalho nas lavouras, a extração e quebra de dentes a frio e o corte de orelhas e da língua daquelas consideradas desaforadas. Sem falar dos abusos sexuais sofridos por essas mulheres.

É fato também que mulheres negras sempre se organizaram politicamente, quer sob a forma de irmandades religiosas ou não, guardas, coletivos, movimentos. Uma das mais antigas organizações de mulheres de que se tem notícia em nosso país é a Irmandade da Boa Morte. Um grupo de mulheres na faixa etária de 50 a 70 anos que, em 1820, já se organizava no território baiano, para vender seus quitutes e comprar a alforria de negros cativos. Elas oravam a Nossa Senhora para libertar os escravizados, mas também fundaram o que se pode conceber como um dos primeiros fundos previdenciários, para garantir uma boa morte, um descanso digno para os negros falecidos, ou seja, um lugar para repousar os corpos negros após a morte.

Infelizmente, ainda hoje, mulheres negras têm de se rebelar para garantir uma boa morte para a população negra em nosso país.

É que para se ter uma boa morte é preciso se ter uma boa vida, em que os direitos humanos fundamentais sejam garantidos. E foi por não abrir mão dessa luta, por não se calar diante da mortandade de jovens negros, ao que tudo indica, pela milícia no Rio de Janeiro que Marielle e Anderson foram assassinados. Os poderosos, aqueles que por usura são capazes de tudo, aqueles mesmos que não importam se teremos ou não uma previdência social, afinal sempre foram eugenistas, escravocratas e detestam nossa Constituição cidadã, aqueles que objetificam as mulheres para garantir a supremacia do patriarcado, aqueles mesmo que querem com a reforma trabalhista e a reforma da previdência explorar a última gota de sangue dos nossos corpos negros para se locupletarem, aqueles que temem Lula livre, não tiveram nenhuma hesitação em destruir a vida de Marielle.

Assassinaram Marielle e Anderson e já tendo passado um ano, nossa indignação permanece sem respostas.

Quem mandou matar Marielle? Até quando ficaremos sem respostas das muitas Marielles e Andersons que continuam assassinados todos os dias? Basta, não queremos mais sangue negro banhando o chão em busca da justiça. É chegada a hora de nos levantarmos! Assim como nos ensinou Maya Angelou, “deixando para trás noites de terror e atrocidade”.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas