Em Hebraico, Espírito Santo é “Rúach”: substantivo feminino. Em algumas representações, é a forma de mulher que simboliza o Espírito Santo. Ao contrário do que nos foi ensinado, a mulher integra, sim, a Santa Trindade.

Embora muitos cristãos se recusem a ver em Maria e Maria Madalena a figura que de fato desempenharam, a de discípulas e apóstolas de Cristo, foi delas o papel mais importante entre todos os papéis designados aos apóstolos. Foi através do testemunho delas que veio a comprovação de que que Jesus cumprira sua promessa de Ressurreição. 

A prova da Ressurreição se dá pelo testemunho de Maria e Maria Madalena. 

Thomas Mann afirma, pela voz de Adrian Leverkuhn, em Doutor Fausto, que feminino teria por significado “fide minus”, ou seja, nossa incapacidade de ter fé e nos dedicarmos às elevadas questões do Espírito. 

Entretanto, foi justamente a fé de Maria e de Madalena que fez delas testemunhas. Por isso foram ver e foram também incumbidas da tarefa de dar a boa nova: Jesus havia ressuscitado e aguardava seus discípulos e discípulas na Galileia. 

Vários textos apócrifos nos permitem compreender que as mulheres desempenharam papel fundamental no início do cristianismo e que Madalena em nada correspondeu à figura subserviente descrita nos Atos dos Apóstolos. 

Ao contrário, Madalena exercia liderança entre os apóstolos e é por essa razão que seu testemunho e de Maria é recebido sem questionamentos. 

Depois de séculos de silenciamento das vozes das mulheres pela Igreja, um Decreto do Papa Francisco alçou Maria Madalena à posição de Discípula dos Discípulos, trazendo à lume a necessidade de pensarmos a Tríade Sagrada e a experiência terrena de Cristo com a presença significativa do Feminino. Mas um longo caminho precisa ainda ser trilhado e, como afirma Ivone Gebara, a Igreja ainda parece querer manter distante de si as mulheres que lutam pelo reconhecimento da igualdade e de sua dignidade. 

Lembremos de quando Viviany Beleboni, mulher trans, encenou a crucificação na Parada LGBT de 2015. Vários bispos escreveram carta afirmando que aquela representação tinha sido ofensiva à Igreja. 

Foto: Reuters/Joao Castellano

Entretanto, quem melhor do que aquela mulher trans pode simbolizar Cristo Crucificado, por saber exatamente o que é carregar a cruz da opressão, da violência, do ódio e transformar aquele símbolo em amor e esperança? Ou as mulheres à frente das enfermarias e UTIs, arriscando as próprias vidas, para salvar a dos outros? Ou as mulheres pretas, periféricas, enfrentando a pandemia do coronavírus, diante da falta do estado nas favelas?

Ritos sem conteúdo podem significar a morte de Deus. E é essa resistência, que nós mulheres encarnamos, contra a opressão, a violência e o ódio, a maior liturgia de renovação do batismo.

E Páscoa é isso. Tempo da Gratidão por termos a felicidade de renovarmos o batismo. 

Feliz Páscoa. 

Liana Cirne Lins
Dedicado ao Monge Marcelo Barros, que inspirou esse texto e cujas palavras sempre renovam em mim o batismo.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil