.

O mês de março chegou. E com ele está aberta a temporada de machos, de direita e de esquerda, opinando sobre o dia da mulher.

Normalmente, as opiniões são de dois grupos:

1) Não há necessidade de haver um dia da mulher, com sua variante “deveria haver um dia do homem”.

Por essa lógica, opressão de gênero, discriminação salarial, violência doméstica, exploração do trabalho doméstico, feminicídio e cultura do estupro são coisas do passado. A igualdade já teria sido alcançada e não faria nenhum sentido para mobilizar forças sociais para pautas específicas das mulheres.

2) O segundo grupo é o que gosta de se pronunciar sempre, sobre tudo. Não faltam propostas para organização da luta das mulheres. Aqui homens de ex-querda usam de todo seu conhecimento sobre o tema opressão de gênero para querer pautar os movimentos de mulheres, nos ensinando sobre como deveríamos nos organizar.

Desde sugestões sobre o nome do dia da mulher (não há problema em que a sugestão não seja inédita; afinal, parte-se da premissa de que uma ideia só é ouvida quando repetida por um homem), até crítica de estratégia do movimento feminista.

Na verdade, é muito bom sermos apoiadas pelos homens da nossa vida – pais, companheiros, amigos, colegas – em nossa militância diária. É muito bom também quando encontramos homens interessados em apoiar a luta feminista.

Mas há uma grande diferença em apoiar a luta feminista e simplesmente sofrer de incontinência verbal. No movimento feminista há uma expressão muito oportuna para definir os homens que gostam de protagonizar discursos feministas sem se importar de estar silenciando as mulheres: querer biscoito. No fundo, eles apenas querem chamar atenção, receber aplausos e ganhar um biscoito como prêmio.

E é bem fácil de perceber a diferença entre um homem que apoia o feminismo e um homem que quer biscoito: o segundo fica rapidamente revoltado com qualquer crítica que ouça de uma mulher feminista.

Nossa dica: não seja esse macho.

No outro extremo, está quem quer celebrar o dia da mulher com homenagens despolitizadas, com flores, com mensagens bregas, com presentes de promoções comerciais.

Como dizia a música do DeFalla, não me mande flores.

Como os homens podem então participar do dia da mulher?

O dia da mulher é um dia de mobilização e organização da luta das mulheres contra todas as formas de opressão de gênero. É também um dia de reflexão. De avaliar o quanto ainda nos falta alcançar para que atinjamos a igualdade. Um dia de unir as mulheres – negras, brancas, indígenas, gordas, lésbicas, bi, cis, trans – e suas vozes.

O melhor que um homem pode fazer é ouvir a mulher que está ao seu lado: sua mãe, sua irmã, sua companheira, sua colega. Incentivar que ela fale. E exercitar o respeito. A partir daí será muito bom contar com o seu apoio à nossa luta.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juca Ferreira

Tempos pretéritos

Daniel Zen

Polêmicas pandêmicas, parte 5: é o vírus que vai acabar com a Economia ou ela já estava acabada?

Márcio Santilli

Direto do confinamento: garimpo, índios e coronavírus

Juca Ferreira

Errar é humano, insistir no erro é Bolsonaro

Paula Marques

O Isolamento, o Social e as Comunidades

Liana Cirne Lins

Dia da Mentira: entenda a farsa da PEC do orçamento de guerra

Márcio Santilli

Direto do confinamento: Heleno ordena a remoção de 30 quilombos em Alcântara (MA) em meio à pandemia

Juliana Cardoso

O impacto do coronavírus na vida das mulheres

Márcio Santilli

Direto do confinamento: Bolsonaro contra o mundo

Daniel Zen

Polêmicas pandêmicas, parte 4: renda mínima cidadã

Jorgetânia Ferreira

Enfrentar o Covid-19 como uma mulher

André Barros

Notícia-Crime contra Bolsonaro III

Juan Manuel P. Domínguez

Um amargo batismo para a aldeia global

Márcio Santilli

Um observatório da sociedade para acompanhar o Congresso na crise

Silvana Bahia

Solidariedade, tecnologia e coronavírus