Eu sou uma pessoa naturalmente questionadora, inclusive minha bio tem lá, questionadora do status quo, amo saber os porquês e sempre fui assim, foi através deles que vim parar na tecnologia. 

Questionamentos são incômodos quando estamos do lado de cá, no lado indagado como diria minha avó. Outro dia durante um papo remoto entre colegas de profissão, questionei e reclamei de alguns pontos que achava que poderiam ser melhores, uma pessoa me respondeu: “Mas, Lais, não acho que seja legal ficar reclamando, já foi muito pior, isso é coisa de gente que só quer causar confusão”.  

Confesso que me bateu um mix de sentimentos, deixei as outras pessoas falarem e fiquei ali, pensando muito no que responder, mas estava me sentindo completamente atingida como se fosse a pessoa mais reclamona do mundo. 

Todo esse papo me fez lembrar da situação que nós pessoas brasileiras estamos enfrentando, desde que (a mistura do mal com atraso e pitadas de psicopatia) está aí governando, da frase “pior que está não fica”, que como boa questionadora detesto. Isso tudo fritando minha cabeça ali de câmera aberta, de repente me vem um: é isso! Não um “é isso! e tá tudo bem”, porque bem, num tá. Foi um “é isso!” de eureka mesmo, isso foi meio gringe mas sei que vocês vão me entender. 

Nesse ponto já tinha pedido pra falar na reunião e quando chegou minha vez eu disse: “Gente, não é porque já foi pior que não pode melhorar, e eu me considero agente de mudança, me considero parte da mudança que eu quero ver no mundo, e todas as vezes que eu reclamo ou questiono, faço pensando no que pode ser melhor e fazer melhor. Tenho plena certeza que aprendendo com nossos erros e acertos podemos fazer mais e melhor”. Quando terminei de falar, tinha várias pessoas concordando comigo, inclusive quem antes havia me causado o incômodo. 

Eu sei que tô sumida, mas sei também que vocês vão me entender, e esse texto foi só pra te lembrar do lado de cá da tela, que sempre há espaço para melhorar quando se está aberta a dialogar, refletir e elaborar. E você tem TODO o direito de reclamar, questionar e propor melhorias se achar que deve. Não é porque já foi pior que não pode melhorar e isso vale pra tudo na vida.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Ana Claudino

Eles odeiam gente como nós

Renata Souza

A cor da resistência

Colunista NINJA

Contra ataques, afirmamos o ENEM como instrumento de democracia

Colunista NINJA

MARIGHELLA, o roteiro

Agatha Íris

Mister Trans Brasil, seria o seu conceito de beleza embranquecido e normativo?

Laryssa Sampaio

Meu pequeno país: o genocídio e a guerra em Ruanda pelo olhar de Gabriel

Rachel Daniel

São Paulo é a Sodoma de nossos tempos, o gado da Bovespa o bezerro de ouro

Márcio Santilli

Semipresidencialismo é o centrão sempre com o poder na mão

Alexandre Araújo

Copo "meio cheio" não salva uma casa em chamas

Bruno Trezena

Eu não conhecia Bolsonaro

Márcio Santilli

Farsa bolsonarista na COP-26

Bancada Feminista do PSOL

Manifesto Juventude Negra Viva e Livre

Agatha Íris

Mister Trans Brasil, seria o seu conceito de beleza embranquecido e normativo?

Amanda Pellini

Criatividade e resistência. Entrevista com Fábio Miranda, criador do projeto Instituto Favela da Paz

Colunista NINJA

Leal, honesto, amoroso: "Marighella" evoca resistência, enche de tensão e faz chorar