E mais: como vamos falar sobre drogas?

Nas faculdades de jornalismo, aprendemos logo o que é uma barriga, aquela matéria com informações erradas. A partir de então, fugir dela é um objetivo. Apuração é a chave. Um erro pode dar muita dor de cabeça no futuro. Mas, aparentemente, há um tema em que se atentar aos fatos não é regra. Aliás, nesse tema, barriga é regra.

E este tema são as drogas.

Vamos falar sobre drogas na TV? Chamem um sargento da Polícia Militar, um especialista em segurança pública, um caso de dependência química e uma mãe arrasada com a situação do seu filho.

Do pior para o horrível, a situação torna-se uma grande repetição de como as drogas destroem a vida das pessoas, fazendo-as deixar seus lares, trabalhos e amigos, e você estará na mira da lei se infringir essas regras. Esse discurso, prático e recorrente na grande mídia, forma a opinião da maior parte da população.

Apesar disso, o debate consciente sobre o tema, pautado em políticas e práticas de redução de danos, ancorada na literatura científica e, principalmente, na experiência e luta de diversos coletivos, movimentos sociais e entidades, está ganhando espaço, e precisa impactar o discurso jornalístico sobre drogas.

Um grande aliado nessa missão é o recém lançado Guia Sobre Drogas para Jornalistas, material que reúne um vasto conhecimento sobre diversos tipos de drogas, além de um glossário de termos sobre o tema.

Criado pela Plataforma Brasileira de Política de Drogas (PBPD) em parceria com o Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM), o material tem texto e edição de Tarso Araujo.

Já na introdução do documento, chama-se atenção para o caso da droga óxi, que no ano de 2011 protagonizou uma chamada de primeira página como “Uma ameaça devastadora que se espalha pelo país”. Tida como mais viciante que o crack, em questão de semanas tornou-se um caso de saúde pública com destaque nacional.

Em pouco tempo, no entanto, pesquisas indicaram que não tratava-se de uma droga nova, e que a maior parte das amostras eram constituídas de crack. A “grande ameaça” nunca existiu.

“A história do óxi é um bom exemplo de como a imprensa influencia de forma decisiva e urgente a opinião pública e a política nacionais, neste caso sobre o tema específico das drogas. Infelizmente, ela também é emblemática do despreparo, da negligência e mesmo do preconceito com que o jornalismo brasileiro frequentemente aborda o assunto”, pontua trecho da introdução.

É nesse sentido que precisamos mudar as narrativas sobre drogas, entender a complexidade do tema e trabalhar em diversos ângulos das histórias. Não dá para o sensacionalismo continuar pautando o que será debatido.

E o carnaval é um momento rico para essa conversa. As pessoas estão consumindo drogas. Muitas drogas. Como vamos narrar essa história, falando de purpurina, samba, bloco, escola de samba e… drogas? Essa é a grande questão.

Que tal redução de danos?

A campanha na internet#RoleSemVacilo criou um material rápido e didático sobre propriedades e redução de danos de diversas drogas, como álcool, tabaco, maconha, cocaína e crack. Organizado pela PBPD, produtora Pipoca, ONG É de Lei, coletivo Respire, e iniciativa Drogas: Reduzir Danos, divulgaram em forma de memes as dicas de redução de danos.

Essa iniciativa contribui para o debate transparente e dá autonomia de decisão para o usuário. Com isso, rompemos o tabu, encaramos de frente a questão das drogas, e criamos meios de falar com uma parcela enorme da população que consome drogas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil