Alcançamos uma vitória importante, ainda que não definitiva, no enfrentamento contra o reacionarismo que assola o país.

A votação do PL 813/2019 – Escolhi Esperar – que deveria acontecer no 17 de junho foi adiada para data ainda não confirmada pelo presidente da Câmara, vereador Milton Leite. Uma vitória importante considerando o apoio que o projeto tem na Câmara Municipal de São Paulo (CMSP) e do executivo.

Concorreram para tal a mobilização da sociedade civil e as várias manifestações contrárias de especialistas que ganharam voz na ampla repercussão dada pelos diferentes meios de comunicação, alternativos e tradicionais.

Também foi fundamental a articulação das vereadoras feministas da CMSP. Mas não podemos esfriar a nossa mobilização nem o debate sobre o tema, isto seria uma cilada.

Ainda na semana passada, uma deputada estadual do PSL apresentou, na Assembleia Legislativa de São Paulo, projeto idêntico ao que discutimos na Câmara. Os argumentos de defesa de projeto também são assemelhados. Ninguém admite que o que está em jogo é um política de controle sobre os corpos das mulheres. Mas não nos deixemos enganar, as motivações e premissas de quem aposta na abstinência sexual como política pública de enfretamento a gravidez precoce são anticientíficas e carregadas de uma ideologia moralizante e antifeminista.

Importante estarmos atentas para a forma como a extrema-direita tem agido desde que o Projeto Escola Sem Partido foi considerado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal. Observamos a distribuição de projetos reacionários em várias casas legislativas do país com o objetivo de minar nossa capacidade de mobilização contra o retrocesso.

Seria um erro de análise considerar projetos como Escolhi Esperar inofensivos. A narrativa construída pelos seus propositores elege as feministas, LGBTQIA+ e a esquerda como inimigos da família e da coesão social. Se não nos articularmos para enfrentar esta situação, deixaremos espaço para que o ponto de vista deles seja preponderante.

A utilização de notícias falsas tem sido recorrente nas disputas políticas e eleitorais e já é possível reconhecer seus efeitos. Hoje, podemos ver com nitidez o quanto elas foram determinantes na eleição de 2018.

Deixar que setores conservadores elevem suas vozes, imponham suas narrativas e visões de mundo, irracionais e anticientíficas, na agenda das políticas públicas, deixando a resistência apenas para as feministas, é ignorar o papel que as pautas conservadoras têm no ataque a democracia.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Observatório das Eleições 2022

Eleições 2022: candidatura feminina é igual em qualquer lugar?

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Amazônia sem lei

Márcio Santilli

Ato bolsonarista no 7 de setembro é comício

Andressa Pellanda

Manual para votar em candidaturas que defendem (de verdade) a educação

Observatório das Eleições 2022

Titular e pacificar em nome do desenvolvimento: Bolsonaro e conflitos no campo

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Márcio Santilli

Estertores do bolsonarismo

Observatório das Eleições 2022

Gamers: um público em disputa pelas principais campanhas à Presidência em 2022

Bancada Feminista do PSOL

As 5 principais ideias da Bancada Feminista

Juca Ferreira

As cores do Brasil

Renata Souza

O crescimento do PSOL é negro, feminista e popular

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro: o presidente-candidato ou o candidato-presidente?