Tuíra Kopenawa Yanomami (João Paulo Guimarães / FASE)

Agradavelmente surpreendidos por um mecanismo colaborativo e justo, participamos da sessão pública central do Tribunal de Justiça Ético dos Direitos da Mulher Andina e Pan-Amazônica no contexto da décima versão do Fórum Social Pan-Amazônico em Belém do Pará – FOSPA entre 28 e 31 de julho.

O Tribunal Ético pelos Direitos (em Defesa dos Corpos e Territórios) das Mulheres Amazônicas e Andinas é uma formidável iniciativa internacional compartilhada e construída coletivamente por organizações e movimentos de mulheres, que foi institucionalizada na edição do FOSPA de Tarapoto Peru em 2017, a ser desenvolvida nos consecutivos Fóruns anuais que reúnem representantes dos países que compõem a Amazônia latino-americana: Brasil, Colômbia, Venezuela, Peru, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname, Venezuela e Guiana Francesa.

As mulheres, e em particular as mulheres indígenas, são em última análise as vítimas centrais dos modelos exploradores, predatórios, patriarcais, racistas e capitalistas que ameaçam seus corpos, seus direitos e os territórios que habitam e que por justiça lhes correspondem.

Em um mecanismo criado para concentrar as causas comuns das mulheres pan-amazônicas e andinas, os casos mais emblemáticos são definidos a cada ano, um por país, que são apresentados e expostos a um corpo de juízes, também nomeados de forma participativa e consensual dos diferentes países , que após ouvir e analisar os casos, exprime o seu veredicto num documento que é tornado público durante o Fórum e que posteriormente é enviado aos órgãos de justiça internacional, assembleias legislativas e governos de cada um dos países envolvidos.

Incentivamos esse mecanismo de justiça comunitária, coletiva e democrática por ser um espaço compartilhado e cuidado pelas mulheres e suas articulações, na mesma dinâmica de ação circular que o feminismo defende e que esperamos seja contemplada nas esferas da justiça internacional, para que não deixe impune as inúmeras violações dos direitos das mulheres indígenas que são cometidas por garimpeiros, extrativistas, mineradoras e suas entidades repressivas para os militares, e milícias que se constituem como veículos dos interesses do grande capital, de alas de partidos de direita e projetos do agronegócio, mega-empreendimentos e tráfico de drogas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas