Tuíra Kopenawa Yanomami (João Paulo Guimarães / FASE)

Agradavelmente surpreendidos por um mecanismo colaborativo e justo, participamos da sessão pública central do Tribunal de Justiça Ético dos Direitos da Mulher Andina e Pan-Amazônica no contexto da décima versão do Fórum Social Pan-Amazônico em Belém do Pará – FOSPA entre 28 e 31 de julho.

O Tribunal Ético pelos Direitos (em Defesa dos Corpos e Territórios) das Mulheres Amazônicas e Andinas é uma formidável iniciativa internacional compartilhada e construída coletivamente por organizações e movimentos de mulheres, que foi institucionalizada na edição do FOSPA de Tarapoto Peru em 2017, a ser desenvolvida nos consecutivos Fóruns anuais que reúnem representantes dos países que compõem a Amazônia latino-americana: Brasil, Colômbia, Venezuela, Peru, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname, Venezuela e Guiana Francesa.

As mulheres, e em particular as mulheres indígenas, são em última análise as vítimas centrais dos modelos exploradores, predatórios, patriarcais, racistas e capitalistas que ameaçam seus corpos, seus direitos e os territórios que habitam e que por justiça lhes correspondem.

Em um mecanismo criado para concentrar as causas comuns das mulheres pan-amazônicas e andinas, os casos mais emblemáticos são definidos a cada ano, um por país, que são apresentados e expostos a um corpo de juízes, também nomeados de forma participativa e consensual dos diferentes países , que após ouvir e analisar os casos, exprime o seu veredicto num documento que é tornado público durante o Fórum e que posteriormente é enviado aos órgãos de justiça internacional, assembleias legislativas e governos de cada um dos países envolvidos.

Incentivamos esse mecanismo de justiça comunitária, coletiva e democrática por ser um espaço compartilhado e cuidado pelas mulheres e suas articulações, na mesma dinâmica de ação circular que o feminismo defende e que esperamos seja contemplada nas esferas da justiça internacional, para que não deixe impune as inúmeras violações dos direitos das mulheres indígenas que são cometidas por garimpeiros, extrativistas, mineradoras e suas entidades repressivas para os militares, e milícias que se constituem como veículos dos interesses do grande capital, de alas de partidos de direita e projetos do agronegócio, mega-empreendimentos e tráfico de drogas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Andressa Pellanda

Da receita estragada de Bolsonaro ao banquete saboroso da educação libertadora

Observatório das Eleições 2022

Por que o problema da desinformação persiste, quatro anos depois da eleição de Bolsonaro

Observatório das Eleições 2022

A fragilidade do nosso apoio à democracia

Márcio Santilli

Bolsonaro poderá renunciar

Fabio Py

O céu se comoveu no domingo

Márcio Santilli

As presidenciáveis

Juan Espinoza

Defesa dos direitos das mulheres na comunidade pan-amazônica

Observatório das Eleições 2022

Votamos sozinhos, mas fazemos política em grupo: ação coletiva e eleições

FODA

Mulheres negras: potência política em defesa da vida

Márcio Santilli

Bolsonaro confessa ao mundo sua intenção golpista

Rede Justiça Criminal

Você sente segurança com mais prisões e polícia?

Campanha em Defesa do Cerrado

Júri do Tribunal Permanente dos Povos condena estados e empresas por genocídio de povos do Cerrado

Márcio Santilli

Bancada Indígena

Juan Manuel P. Domínguez

Bolsonarismo e satanismo, uma relação estreita

Bancada Feminista do PSOL

Liberdade é não ter medo: um basta à cultura do estupro!