Esta semana foram divulgados os resultados do ENEM 2023, revelando que 60 alunos alcançaram a nota máxima na redação. Contudo, uma análise mais profunda revela uma disparidade alarmante: apenas quatro desses estudantes provêm da rede pública de ensino, apesar de que 40% do total de participantes do exame nacional pertencem a essa mesma rede, mesmo sendo o perfil majoritário no país.

Os números apresentados pelo Exame Nacional do Ensino Médio de 2023 transcendem a mera estatística, evidenciando um abismo persistente entre as instituições educacionais. A disparidade entre escolas públicas e privadas, exposta nos resultados do ENEM, não se resume a diferenças nas pontuações, mas reflete as discrepâncias estruturais e de recursos disponíveis para cada grupo de estudantes. A desigualdade no acesso aos materiais didáticos, infraestrutura adequada e professores qualificados cria um ambiente onde o sucesso educacional muitas vezes se torna uma questão de privilégio.

Além dessas preocupações conhecidas, os resultados do ENEM evidenciam as desvantagens do novo ensino médio. A flexibilidade excessiva no currículo e a falta de estrutura adequada amplificam as disparidades educacionais. A escassez de recursos materiais e a falta de professores qualificados, aliadas à ausência de disciplinas fundamentais, constituem obstáculos significativos. Essa conjuntura prejudica a construção de uma base educacional sólida, contribuindo para a perpetuação de desigualdades e dificultando o acesso dos estudantes de escolas públicas a uma formação de qualidade que os prepare para os desafios acadêmicos e profissionais futuros.

É crucial que, para entendermos essas disparidades, olhemos para além das pontuações do ENEM e nos concentremos nas raízes do problema. A falta de acesso a uma educação de qualidade perpetua ciclos de desigualdade social, comprometendo o desenvolvimento integral dos jovens e minando o potencial de construir uma sociedade mais justa e equitativa.

A UBES reafirma seu compromisso em ser uma voz para todos os estudantes e em advogar por mudanças substanciais em nosso sistema educacional. Exigimos investimentos significativos em escolas públicas, a valorização dos profissionais da educação, a revogação do atual modelo do Novo Ensino Médio e aprovação de um novo Projeto de Lei, que garanta uma formação robusta e acessível.

Só assim poderemos criar um ambiente educacional que promova a igualdade de oportunidades e capacite cada estudante a atingir seu pleno potencial, independentemente de sua origem socioeconômica.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas