Sônia Guajajara e Guilherme Boulos na Conferência Cidadã. Foto: Jorge Ferreira / Mídia NINJA

Mais de 27 000 filiados se reuniram em plenárias municipais do partido para debater o cenário político do Brasil e perspectivas para a reorganização da esquerda.

Por maioria decidiu-se pela tese política de que o golpe institucional brasileiro gravíssimo para a realidade da juventude e da classe trabalhadora , alavancaria a articulação de um campo superior ao do partido.

Aprovou-se que o Psol fosse parte de uma aliança estratégica com movimentos sociais além de sua própria fronteira.

O que aprovamos no congresso nacional do PSOL foi a construção de uma nova esquerda .

O novo por vezes dá medo porque tira da zona de conforto setores de todos os lados acomodados em suas posições políticas.

Sonia e Guilherme são do Psol Sem Medo!

Eles representam as bases das mulheres guerreiras do MTST, de sem-tetos que questionam e afrontam a lógica da propriedade privada e da radicalidade do povo índigena que é a ponta da lança na resistência aos coronéis brasileiros.

Frente à intervenção militar e aos ataques do neoliberalismo, vai ser crucial na defesa dos direitos democráticos, sociais e econômicos.

Nessa aliança há disposição de todos os setores envolvidos em produzir sínteses e assim superar o período longo em que a fragmentação reinou na esquerda brasileira. Também há acordo em superar os erros das alianças petistas e de construir um projeto para o país independente e popular.

Sendo assim, ao contrário do que dizem os opositores internos do Psol à essa política. A chapa Boulos e Sônia não retira o sentido fundacional e histórico do partido, ao contrário, o confirma.

Fundação essa que partiu da avaliação de que era e é crucial ter um partido com independência política e comprometido com a luta da juventude , mulheres , povos negros e indígenas e de toda a classe trabalhadora .

A pré-candidatura de Sônia e Guilherme à presidência é portanto, a confirmação do sentido histórico desse partido, que sempre foi o de ser um espaço independente, livre para que a reorganização de uma nova esquerda seguisse seu curso.

Nem mesmo o Lula é maior e mais potente do que essas lutas e esse projeto.

Ninguém é.

Por essas razões a pré-candidatura dos dois lutadores é a expressão da democracia e do projeto de país que nós queremos construir.

Foi a história concreta e as lutas populares que nos trouxeram ao encontro de Guilherme Boulos e Sônia Guajajara e esse encontro irá transformar a esquerda brasileira.

Momentos assim na história são ricos e determinantes. Estamos assistindo ao processo de reorganizacao da esquerda brasileira. Uma nova esquerda anticapitalista, participativa e plural é urgente.

Guilherme Boulos e Sônia Guajajara a representarão muito bem.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família