Arte: Mídia NINJA

Michel Temer foi duas vezes denunciado perante o Congresso Nacional. Temer cometeu crimes: formou a quadrilha que sequestrou direitos, furtou o poder e assassinou a democracia.

O Brasil é o 10º país no ranking da desigualdade mundial, com 14,2 milhões de brasileiros desempregados, desses, 1,8 milhões perderam seus empregos no último ano.

Nesse mesmo país, a renda per capita da mulher é 66,2% inferior à do homem e, na política, somos, em média, menos de 15% de mulheres nos parlamentos brasileiros.

Isso é democracia?

A crise política no Brasil coloca em xeque a democracia e com ela todos os partidos políticos, os da direita e os da esquerda.

É o choque de velhas estruturas de poder, com a emergência de novos sujeitos sociais e econômicos.   

Apresentar alternativa a esse modelo de democracia é crucial.  

Precisamos de uma representatividade real das pessoas no poder: mulheres, negros, LGBT’s, indígenas e os trabalhadores como um todo. Mas isso é apenas o começo.

Somos parte de uma geração política inteira que anseia por voz. Das batalhas de slam e saraus, até  formas de organização coletivas, esse é o recado: A democracia que temos não é mais suficiente!

Por isso, a saída para a crise não virá do presidente que se eleger em 2018, virá do povo.

É preciso resgatar em nossas práticas políticas a confiança de que só com as pessoas, e com elas somente, que vamos avançar na construção de uma nova democracia brasileira.

Mas qual democracia queremos? A de Luciano Huck, que nos pede o voto de confiança nas “pessoas de bem”? Ou a de João Doria Jr. que propôs uma ração humana para acabar com a fome dos mais pobres?

Não! Defendemos democracia real na porra toda! No congresso nacional, na câmara de vereadores, nos partidos e movimentos sociais também.   

Só assim o projeto político de quem é  explorado e oprimido ganha um sentido universal.

Não somos a esquerda que ignora que na União Soviética as liberdades democráticas foram caçadas, que o regime stalinista exterminou centenas de milhares de dissidentes políticos, apenas por serem quem eram, por pensarem o que pensavam.

Diante de um novo ciclo histórico de falência democrática neste século, precisamos olhar para o passado e desde já praticar, no presente, o futuro transformado.

As diferenças não apenas estão autorizadas, mas devem ser condições básicas dessa existência coletiva.

Não a toa, temas como liberdade religiosa, artística e sexual tomam a centralidade da cena política.

Precisamos ser pacientes. Mas, ao mesmo tempo, ter pressa para nos encontrarmos de novo, democraticamente, nas ruas e nas nossas utopias.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família