A narrativa de criminalização da cultura, encampada por uma minoria barulhenta nas redes sociais, não ecoa. Inócua, morre na praia diante da força dos projetos e do exercício federativo da Lei Aldir Blanc (LAB). São dezenas de milhares de projetos, impactando milhões de pessoas e recuperando metade dos postos de trabalho, daqueles perdidos em decorrência da crise sanitária.

Um dos legados mais notórios desse processo é o nível de organização e articulação do setor cultural, que tem reunido sociedade civil, gestores, entidades e parlamentares em torno de uma pauta comum, que se consolida agora como uma Agenda da Cultura.

Sem perder de vista os desmontes diários, o Congresso Nacional apresenta  à cultura brasileira propostas objetivas que são capazes de aprofundar o pacto federativo alcançado a partir da Aldir Blanc e estabelecer, de uma vez por todas, o tão desejado Sistema Nacional de Cultura.

Na semana passada, o senador Paulo Rocha protocolou o Projeto de Lei Paulo Gustavo, que traz uma solução inspirada na LAB, que possibilitará o co-investimento de R$ 4,3 bilhões em Estados e Municípios. O recurso vem do descontingenciamento dos recursos e superávit financeiro do Fundo Nacional de Cultural e do Fundo Setorial do Audiovisual.  A expectativa é que o projeto seja pautado no Senado no início de julho e siga para a Câmara dos Deputados.

No final de abril, a deputada Jandira Feghali, relatora e mobilizadora dedicada da Lei Aldir Blanc, protocolou outro Projeto de Lei, conhecido como LAB 2, que estabelece repasses anuais na ordem de R$ 3 bi tornando perene o mecanismo federativo.

São duas pautas complementares que estão na ordem do dia desta Agenda da Cultura, encampada pelo nosso Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura, pelos Fóruns municipais, entidades municipalistas,  entidades culturais e movimentos de artistas, entre outros.

Outra pauta, essa urgentíssima, muito discutida pelo movimento cultural, é a derrubada do veto presidencial ao PL 795, que, alinhado ao Acórdão do TCU, visa destravar mais de R$ 700 milhões dos cofres dos Estados e Municípios. Recurso remanescente dos R$ 3 bi da Aldir Blanc que pode imediatamente socorrer o setor cultural. 

Com a extensão e agravamento da pandemia para muito além do que podíamos prever no primeiro semestre de 2020,  o setor segue paralizado. Imediatamente a derrubada do veto serão lançados novos fomentos, convocados projetos suplentes e é possível, a depender da realidade de cada lugar, que em pouco tempo esse recurso chegue na ponta, beneficiando centenas e centenas de novos projetos e fazedores da cultura.

Estivemos reunidos, no dia 24 de maio, com o presidente da Câmara, Arthur Lira, que demonstrou entendimento à urgência da pauta do veto e deve incluí-la nas próximas sessões. É a segunda vez que o nosso Fórum se reúne com ele , que acompanha desde o início a mobilização da Lei Aldir Blanc com sensibilidade aos temas da cultura. 

O setor cultural tem sofrido muito desde a extinção de seu ministério próprio  e agora tem uma agenda nacional integrada a ser cumprida até o legítimo e breve retorno do Ministério da Cultura. 

Essa força coletiva e presença constante no parlamento do brasileiro tem repercutido entre os deputados e senadores, que estão mais atentos às demandas da cultura. Mais um legado incontestável dessa brilhante construção.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juca Ferreira

Democracia e Genocídio

XEPA

O Veganismo Popular não comemora o aumento do preço da carne

Ivana Bentes

De novo a barbárie

Renata Souza

Um mês da chacina do Jacarezinho — Pelo fim do regime de exceção nas favelas

Ivana Bentes

"Nem de esquerda, nem de direita". Se isentar é delirante!

Tatiana Barros

Live coding e o mundo do DevRel

Juan Manuel P. Domínguez

As bombas que não mataram. O que fazer sob regime fascista?

Amanda Pellini

E @ palhaç@ o que é... uma figura que se posiciona! A posição do riso na rede, um manifesto!

Daniel Zen

O golpe tava aí. Caiu quem quis...

Kelly Batista

Como uma lei matemática pode ajudar a descobrir robôs bolsonaristas?

Daniel Zen

A mentira como método de (des)construção política

Bancada Feminista do PSOL

Mês do meio ambiente: é hora de garantir nosso futuro

Márcio Santilli

A crise institucional do Exército 

Moara Saboia

Contagem no clima: é urgente e necessária a transição ecológica da cidade