Pela Estudante NINJA Juliana Lima

Estamos em um país caracterizado por seu tamanho continental e as diferenças que o constróem, essas se uniram nos atos pela defesa da educação liderados pelos estudantes, mas não conduzidos e massificados apenas por eles, também por centrais sindicais, partidos políticos e pessoas que se reconheceram na pauta abordada, assim iniciou uma importante discussão sobre apartidarismo x suprapartidarismo nas atuais manifestações.

#15M Recife (PE) | Foto: Rodolfo Loepert / Mídia NINJA

Quando contra estavam diretamente influenciadas pelos defensores do governo, vide Eduardo Bolsonaro no twitter (imagem 1), ou  outros que desejam afastar sua imagem dos partidos progressistas e movimentos sociais brasileiros (imagem 2), ambos questionando e pedindo o apartidarismo dos eventos.

Saindo em defesa da unidade, Haddad, em fala durante o ato na Avenida Paulista em São Paulo, citou a importância do suprapartidarismo (imagem 3) nesse processo de ameaça das conquistas da educação brasileira, além disso, a rua como espaço democrático foi lembrada em resposta às críticas ao movimento e o perigo do discurso “sem partido” vide anos anteriores. (imagem 4)

Recém-saídos de um processo eleitoral, a sociedade brasileira ainda está marcada sob o espectro da polarização – aqui lembramos do #EleNão, o combate ao machismo, LGBTQIfobia, racismo e todo o ódio presente nas ações e nos discursos da direita. Liderado por mulheres e acompanhado por todos aqueles que defendem os direitos humanos estavam reunidos para defendê-los e alertar como o candidato, hoje presidente, era perigoso ao país. (imagem 5)

Seguindo o comportamento mundial, o desfecho da vitória em 2018 vem sendo desenhada desde os gritos em 2013, significando cinco anos de construções marcadas pela não representação política, o ufanismo exarcerbado e a evidente elitização dos “líderes” – aspas pois devemos lembrar que ali iniciava o golpe sofrido pela Presidenta Dilma Roussef.  (imagem 6)

Não devemos comprar o discurso da camuflagem, não vamos esconder nossas crenças e alimentar o processo de demonização da representatividade política – muitos desses sequer colocaram os pés em algum dos mais de 200 manifestações espalhadas pelo país. Isso é silenciar toda a luta já conquistada, alvo do atual desgoverno, é subestimar a inteligência de quem está vendo sua instituição de ensino se acabar um pouco a cada dia. Ressignificar a rua e quem as ocupa é um dos mais importantes passos para fortalecer a democracia, ela que, assim como nossa juventude, está ameaçada todos os dias e, ainda assim, segue lutando por seu futuro. (imagem 7)

 

 

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil