Por Iago Montalvão, presidente da UNE e Rozana Barroso, presidenta da UBES.

A criação do Enem e sua ampliação foi uma bandeira de luta histórica do movimento estudantil para tornar o acesso ao ensino superior mais democrático. O exame é hoje, sem sombra de dúvidas, a principal porta de entrada para a universidade. Porém, estamos acompanhando um processo de desmonte por parte do governo Bolsonaro dessa estrutura que lutamos tanto para consolidar. Em 2019 tivemos o “pior Enem de todos os tempos”, cheio de erros na correção, e a edição de 2020 não foi melhor. Foi uma prova repleta de turbulências, com violação das normas sanitárias e ainda com erros no gabarito e falta de transparência na correção especialmente da redação, o que pode afetar a entrada de toda uma geração à universidade.

O MEC expôs os estudantes ao realizar uma prova em um período de descontrole da pandemia, ao vírus e ao risco da morte, com total falta de organização visto as milhares de denúncias de salas lotadas, candidatos barrados e atrasos para divulgar os locais para reaplicação.

Uma sucessão de problemas e desafios aos estudantes que tanto dependem dessa prova para garantir o seu futuro, não são poucos estudantes reclamando.

São milhares os possivelmente prejudicados!

Por isso, A UNE e a UBES ingressaram com uma ação judicial, reivindicando mais transparência sobre os critérios de correção e o acesso aos espelhos da redação, uma vez que sobram desconfianças. Além disso, para que nenhum estudante seja prejudicado, que as inscrições do SiSU sejam mantidas até a resolução das dúvidas quanto à nota.
Além do mais, tanto o Exame de 2019 quanto o de 2020, foram feitos sob gestão do “MEC aparelhado” de Bolsonaro, que segue a cartilha de projetos conservadores, de patrulha ideológica e dos desmontes. É fundamental reforçar que a pauta de “costumes” é prioridade, mesmo o país vivenciado sua maior crise.

O ENEM – e o MEC – passam pela pior gestão de todos os tempos, e toda a construção de um exame de referência, que permite o um acesso um pouco mais democrático às universidades, tem perdido credibilidade sob a incompetência de um governo que não pensa na educação.

Seguindo os preceitos da Reforma de Córdoba, seguiremos defendendo a ampliação e democratização da universidade até que o acesso seja livre. Mas até lá é preciso defender e não permitir retrocessos naquilo que já avançamos.

Como ver o progresso da nação sem educação?

Valorizar o Enem é valorizar o futuro do Brasil!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Renata Lima

Segredo das startups para turbinar seu negócio. Exemplo prático de uso do quadro Kanban

Fred Maia

Das cinzas ao sagrado eterno retorno

Márcio Santilli

Mundo mais quente e Brasil inadimplente

Isabella Queiroz

Educação de quem?

Ivana Bentes

Ponte aérea espacial em meio ao colapso

Álamo Facó

Relativizar as violências que personagens históricos causaram é também perpetuá-las

Ana Claudino

10 livros para aprender sobre antirracismo, feminismo negro, sexualidade e classe social

Juca Ferreira

Tudo certo, como dois e dois são cinco

Márcio Santilli

Um manda e outro obedece

Renata Souza

Em briga de marido e mulher, a gente salva a mulher!

Camarada Gringo

Lucro, liberalismo e nepotismo: os planos de Bezos para o espaço

Laryssa Sampaio

A trégua: “não era a felicidade, era só uma trégua”

Colunista NINJA

Entenda a crise política da Guatemala e a esperança que vem do levante indígena

Morena Meireles

Desinformação no discurso do governo bolsonarista

Márcio Santilli

A responsabilidade pessoal de Braga Netto na crise