Guarda Rural Indígena. Foto: Arquivo / Funai

Por Henry Mähler-Nakashima

Atualmente, uma delegação formada por indígenas de diversas etnias percorre a Europa a fim de denunciar e divulgar as tragédias sofridas pelos povos originários, intensificadas desde a campanha presidencial de Jair Bolsonaro e agravadas com sua posse. Contra os discursos – e ações – que pretendem escancarar a floresta amazônica para a exploração de seus recursos e a declarada intenção de abrir as terras indígenas para o mesmo fim, esse grupo busca apoio de entidades e políticos europeus, aliados históricos e aparentemente mais sensíveis a tais questões.

O presidente brasileiro segue insistindo que tal medida levará avanço econômico às longínquas terras do norte e a sua não exploração é um desperdício. Da mesma forma, pretende levar “desenvolvimento” aos indígenas, que de acordo com ele, estão ansiosos por progresso, como se fossem uma unidade. Ora, o presidente ignora fatos importantes: a grande diversidade étnica existente no país – mais de 300 -, o que leva a várias formas de entendimento de mundo, e os ensinamentos que a história tem para nos dar. É bem verdade, entretanto, que, neste caso, a história precisa de mais luz para se fazer conhecida. Explico.

Com o golpe de 1964, o discurso em prol da modernidade, almejada desde o século XIX, passou a se manifestar na expansão da ocupação do território nacional. A região norte recebeu especial atenção com a criação da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônica (Sudam), com linhas de financiamento para áreas de agropecuária, com a formação do Fundo de Valorização Econômica da Amazônia, e com sedutores abatimentos de imposto de renda. As rodovias surgiram como artérias de asfalto conectando as capitais e possibilitando que escoassem todo ímpeto desse progresso. Aos olhos desfocados dos ufanistas escapavam as consequências nefastas e sangrentas dessas medidas. Porém, não foi por falta de informação. Uma busca rápida pelos periódicos da época podem revelar as várias notícias a respeito.

É verdade que durante os anos de chumbo vozes ecoavam pelos confins do país denunciando as mazelas causadas aos povos indígenas. Mas isoladas, soavam solitárias. Essa realidade começou a ser alterada somente em 2014 com o relatório final da Comissão Nacional da Verdade, que ampliou o número de mortos da ditadura ao incluir mais de 8 mil indígenas. Mas Marcelo Zelic, que participou ativamente das pesquisas, afirmou repetidas vezes que “são mais de 8 mil mortos de apenas 10 povos”.

Desse número, por volta de 2 mil são de Waimiri-Atroari, cujo território está no caminho da BR-174, que liga Manaus a Boa Vista, e possui grande riqueza mineral. Nesse período, diversas empresas nacionais e estrangeiras de mineração pediram permissão para exploração. E foi esse processo que levou essa grandiosa soma à morte. Desde os primeiros contatos, durante a atração e pacificação desses indígenas, até a construção da rodovia, aconteceram contaminações por doenças (deliberadas ou não) e assassinatos, não se limitando aos Waimiri-Atroari.

Durante o mesmo contexto, os Maxacali de Minas Gerais, vivendo uma grande crise alimentar, devido às condições impostas pelo “homem branco”, rebelaram-se atacando e matando o gado das fazendas vizinhas. Isso levou Manoel dos Santos Pinheiro a colocar em prática outra tática militar, a criação do reformatório Krenak e da Guarda Rural Indígena (GRIN). O reformatório era uma prisão para os indígenas e, nas palavras de Queirós Campos, à época presidente da FUNAI, a GRIN tinha objetivo de “defender aldeamentos contra abusos e impedir que os silvícolas também pratiquem desmandos”, ou seja, um eficaz modo de tê-los sob controle usando-os como sua própria força repressora.

As violações contra os povos indígenas passaram por deslocamentos compulsórios, aculturamento forçado, mortes por doença, expulsões, assassinatos, etc, e  lentamente essa história começa a ser reconhecida. A Comissão Nacional da Verdade foi um grande e importante passo – mas deveria ser continuada. Agora, o Ministério Público parece dar maior atenção a esses casos. Manoel dos Santos Pinheiro finalmente enfrentará uma ação penal por ter cometido crime de genocídio contra os Krenak (link da notícia), e o tema vem ganhando mais espaço na mídia.

A história brasileira tem muito a ser desvelado sobre esse período tão nebuloso, e como se todas as tragédias sofridas pelos povos originários nunca tivessem acontecido, os discursos do presidente vociferam a favor de um progresso avançando sobre a floresta, sobre as terras indígenas, sobre os povos indígenas, como se repetisse o velho discurso da modernidade. Mas não se engane. Não estamos testemunhando a história se repetindo, mas a continuidade de uma política de Estado que, em nome desse ímpeto devasta, destrói, aniquila e mata.

Henry Mähler-Nakashima é membro da Ocareté, doutorando em História Social pela PUC-SP e pesquisa a relação da FUNAI e os Waimiri-Atroari durante a ditadura. Contato: [email protected]

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Daniel Zen

Acessibilidade e portabilidade à prova da ignorância

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família