Foto: Fabio Pontes

Por Fabio Pontes

Com a intensificação do período de seca na porção sudoeste da Amazônia – quando as chuvas ficam escassas, a umidade relativa do ar em níveis de deserto e temperaturas elevadas – o fogo encontra o ambiente perfeito para proliferar. São nestes meses do chamado “verão amazônico” que os produtores rurais aproveitam para realizar queimadas e, assim, deixar seus roçados “limpos” para o próximo plantio.

O problema é que muitas destas queimadas saem do controle, entram na floresta e causam impactos irreversíveis ao ambiente. A saúde humana também é afetada com a piora do ar respirado, já que a fumaça toma de conta das zonas rural e urbana.

Apenas nestes primeiros 10 dias de agosto, 5.190 focos de incêndio foram registrados no Acre pelos satélites do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A capital Rio Branco lidera o ranking entre os 22 municípios acreanos: 727 focos.

Logo em seguida estão os municípios dos Vales do Purus e Tarauacá/Envira, região que concentra as áreas mais bem preservadas de Floresta Amazônica do Acre. Nestes 10 dias de agosto, Feijó registrou 671 queimadas, seguido por Sena Madureira (672), Tarauacá (571) e Manoel Urbano (443).

Os números destes primeiros dias de agosto superam todo o acumulado de julho; mês passado, o Inpe detectou 1410 focos no Acre. Os dados também impressionam quando se compara com os 10 primeiros dias de agosto do ano passado: 440; aumento superior a 1000%.

O alarmante crescimento nos focos de queimada no Acre vem acompanhado do de desmatamento. De acordo com o último boletim do desmatamento elaborado pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o total de área de floresta nativa destruída, em junho de 2019, cresceu 300% quando comparado com junho de 2018.

Ambos os crescimentos ocorrem no novo momento do governo acreano, com o governador Gladson Cameli (Progressistas) defendendo o agronegócio como principal motor de desenvolvimento do estado, além de fazer críticas às políticas ambientais. O governador defendeu que agricultores multados pelo Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac) não paguem as multas aplicadas pelo órgão.

“Quem for da zona rural, e que o seu Imac estiver multando, alguém me avise porque eu não vou permitir que venham prejudicar quem quer trabalhar. Avise-me e não pague nenhuma multa porque quem está mandando agora sou eu. Não paguem”, disse Gladson durante ato político em Sena Madureira no primeiro semestre deste ano.

O Imac é, justamente, o órgão do estado responsável por fiscalizar e aplicar multas a quem faça o uso do fogo em áreas além do permitido.

Diante da gravidade da situação das queimadas, o governo já decretou situação de alerta ambiental no Acre. O decreto deverá ser publicado na edição de segunda-feira (12) do Diário Oficial. A Secretaria de Meio Ambiente ficará responsável por elaborar um plano de ação para conter o avanço das queimadas.

Leia mais sobre o meio ambiente do Acre no blog do Fabio Pontes

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Rachel Daniel

O silêncio das igrejas sobre sexo é ensurdecedor

Movimento dos Pequenos Agricultores

 Guedes tropeça na saca de milho

NINJA

Veto à Praça Marielle Franco é mais um gesto autoritário do governador do Distrito Federal

Roger Cipó

Reflexões sobre o amor na luta contra o racismo

NINJA

E quando quem tá para servir, te persegue?

Daniel Zen

Dois absurdos ambientais em um único projeto de lei

Tainá de Paula

Ô glória: o Rio de Janeiro no fundo do poço

Daniel Zen

Liberais na economia, nazistas nos costumes

Rachel Daniel

Quando se demonizam os evangélicos...

Victoria Henrique

Seria o incômodo o antônimo de admiração?

Cleidiana Ramos

O culto a São Lázaro faz lembrar dos corpos que se deseja esquecer

Juan Manuel P. Domínguez

Gail Dines: “A pornografia é a máquina de propaganda do patriarcado”

Gabriel RG

Cosplay nazista de Roberto Alvim rompe a cortina ideológica de toda a direita

Boaventura de Sousa Santos

Para uma nova Declaração Universal dos Direitos Humanos I

Valentine

A luta de classes no Brasil tem a ver com raça e gênero, sim! Parte 1