Imagem: Divulgação

Por Max Maciel

Domingo, 19 de janeiro de 2020. Um morador de condomínio faz pedido por um aplicativo e o motoboy, como de costume, leva. Nessa, outro morador incomodado com a presença do entregador em frente ao condomínio começa a discutir. Enquanto alguns alegam que ele xingou o morador, outros dizem que, em estado exaltado, o morador não queria o motoboy em frente à portaria.

O motoboy não saiu e a partir daí começou-se a discussão. O morador, policial militar do DF, estava de folga e usou sua arma – ou arma do serviço – para agredir e ameaçar o entregador. Após ser filmado, as imagens se espalharam pelas redes em defesa do motoboy e denunciando a ação desproporcional do policial.

Indignados com o ocorrido, os amigos que rodam de moto o dia inteiro para que a sua comida chegue, se solidarizaram com o motoboy e realizaram protesto em frente ao mesmo condomínio. Como resposta, outros policiais começaram uma caçada para desacreditar e perseguir os mesmos. 

Policiais começaram a ir na casa do agredido no domingo e dizer que a moto dele era clonada. Os familiares dizem que a denúncia da irregularidade foi feita dia 19, mesmo dia do fato e que, em blitz naquele dia, não encontraram nada. Uma história ainda mal contada. O fato é que prenderam o motoboy envolvido na confusão.

Vejam só como é a construção dessa narrativa e como mudaram o foco das coisas. No domingo, motoboy é agredido por policial de folga que aponta sua arma para intimidá-lo. Hoje (22), o motoboy encontra-se detido por suspeita de moto clonada. Daí uma galera esquece o fato do domingo e só valida o de hoje.

A ação desproporcional de domingo não tinha nada a ver com a moto. Isso só veio depois e sabe por quê? Porque é este o modus operandis. Desacreditar quem denuncia para proteger a corporação. 

A partir de conversas em grupos do WhatsApp que vazaram, descobriram que amigos do PM resolveram fazer blitze e parar todos os motoboys, como forma de intimidá-los e demonstrar força. Ao fazer isso eles deixam em evidência um corporativismo que é conivente com a violência e com a repressão ao povo.

Infelizmente essa conduta prevalece por todo o país. Por isso, eles sempre perguntam se a pessoa tem “passagem” ou procuram qualquer artifício para reverter a narrativa e fazer valer a máxima de que quem tem ficha na polícia “merece” apanhar, sofrer, morrer. A desumanidade com que a sociedade trata as pessoas remete à barbárie de tempos antigos. E hoje, esse Estado Penal está cada vez mais fortalecido e totalmente despreocupado em seguir leis, buscando justificar seus atos dizendo que estão a serviço delas.

Não estou defendo o erro do motoboy, caso o tenha cometido, pois sabemos que cada um deve arcar com os próprios erros, certo? Mas, se isso é verdade, fica o questionamento: o policial vai arcar com o dele? Será que terá sua arma apreendida e ficará fora das ruas pelo uso desproporcional da força? Aguardemos.

Max Maciel é ativista de Ceilândia (DF), pedagogo, empreendedor social e especialista em Gestão de Políticas Públicas de Gênero e Raça pela Universidade de Brasília.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família