Foto: Mídia NINJA

A mulher ao centro dessa foto é Rosangela Freitas. Junto a ela está seu filho, Maurício. Juntos, estiveram na linha de frente da Marcha da Maconha do Rio de Janeiro. A história que fez ela chegar até ali é surpreendente..

Mauricio sofre de epilepsia. Até o começo de 2018, chegava a registrar até 100 ataques epiléticos no mesmo dia, um verdadeiro pesadelo, um atrás do outro.

Depois de tentar tudo na medicina tradicional, Rosangela resolveu que devia fazer algo diferente. Por conta própria, sem auxilio de medicos, resolveu experimentar e depois oferecer a Mauricio uma dose de Canabidiol, um óleo-extrato da planta Cannabis, também conhecida como Maconha.

Rosangela começou ministrando o Canabidiol feito por ativistas brasileiros, que plantam, mesmo que ilegalmente, sabendo dos potenciais de cura dessa planta. Rosangela poderia ser presa e tratada como uma criminosa pelo Estado brasileiro simplesmente por querer a cura e uma qualidade de vida melhor para seu filho. Assim também com milhares de pessoas que plantam esse remédio por conta própria, para cuidar de seus familiares.

Foto: Mídia NINJA

Mauricio andava somente na sua cadeira de rodas. Não levantava pesos, não pegava objetos, por total falta de coordenação motora. A melhora veio muito rápido. Em algumas semanas começou a fazer coisas que nunca havia feito e diminuindo muito os ataques, controlando sua Epilepsia.

Hoje Mauricio é capaz de andar, a ponto de ser uma das primeiras pessoas na linha de frente da Marcha da Maconha.

Rosangela entrou na justiça para exigir seu direito de tratar seu filho com a substancia, e agora recebe os medicamentos diretamente de Colorado, estado Norte Americano que produz e exporta a droga em grande quantidade para todo o mundo.

A mensagem que ela quer passar para todos estando lá, com dezenas de outros pais e parentes de crianças na mesma situação, é que você, que está aqui lendo esse post, não espere precisar da cannabis medicinal para apoiar essa causa.

A vida pode ser bem melhor se a gente lutar pelo que vive e acredita.

Foto: Mídia NINJA

#Legalização #Cannabis #CannabisMedicinal #Growroom #MarchaDaMaconha #Apepi

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Vetos genocidas do Bolsonaro

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Cleidiana Ramos

O dia em que meu nariz me definiu como negra - notas sobre o racismo à brasileira

Jandira Feghali

Diga-me o que vetas...

afrolatinas

Contato com meu “Eu”

SOM.VC

RAP BR: Murica canta com sede de dignidade em novo álbum produzido por MK

Márcio Santilli

Sociedade civil se levanta contra Bolsonaro mesmo sob isolamento e penúria

André Barros

Operações racistas nas favelas

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte

Juan Manuel P. Domínguez

"O DJ é um dos elementos pilares da cultura Hip Hop". Diálogos de quarentena com DJ Erick Jay

Randolfe Rodrigues

O Brasil que queremos no pós-pandemia

Jussara Basso

A cultura na periferia em tempos sombrios

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd