Investigação diz que 12 milhões foram investidos por empresários para divulgação pelo app

Foto: Alessandra Angelis

Jair Bolsonaro (PSL) está recebendo investimento de empresários para campanha contra o PT no whatsapp, de acordo com investigação do jornal Folha de S. Paulo divulgada nesta quinta-feira, 18. Segundo o periódico, o candidato teria recebido em torno de 12 milhões para a campanha, prática que é considerada crime eleitoral.

A reportagem ainda indica que na próxima semana, que antecede as eleições, os empresários estão planejando uma ofensiva em massa, tanto para divulgação de Bolsonaro, quanto para campanha contra o PT.

A intensa e milionária movimentação no whatsapp mostra como a rede é importante para a construção do eleitorado bolsonarista: pesquisa do Datafolha, publicada no último dia 02/10, mostrou que 61% dos eleitores do militar acompanham informações sobre política no app, e 40% compartilham essas notícias.

Além disso, a distribuição de boatos e notícias falsas já marcam a eleição, tanto porque analistas apontam que o TSE falhou em contar a onda de mentiras distribuídas pelo whatsapp, quanto pela influência delas no resultado final das eleições.

Entre os grupos empresariais que estariam investindo na campanha de Bolsonaro, está a Havan, de Luciano Hang, notório apoiador do militar nas redes sociais, e que chegou a ser acusado de coagir funcionários da rede a votarem em seu candidato.

Eles compram um serviço chamado “disparo em massa”, usando bases de usuários tanto comprados em agências, quanto do próprio Bolsonaro. As agências que realizam os envios conseguem segmentá-lo por território e por classe social dos usuários.

O custo de envio varia, conforme o dono da lista. Se a lista for do próprio contratante, cada disparo fica de R$ 0,08 a R$ 0,12. Se a base for da agência, o custo vai de R$ 0,40 a R$ 0,50. Em alguns casos, as bases são vendidas clandestinamente por funcionários de empresas de telefonia.

A legislação permite o envio de informações apenas para bases construídas voluntariamente, ou seja, quando o eleitor dá o seu número. Em todos os outros casos a prática é ilegal.

As empresas que, conforme informa a investigação, estão prestando serviços para os disparos são a Quickmobile, Yacows, Crock Services e SMS Market.

Na prestação de contas da campanha de Jair Bolsonaro, consta apenas a empresa AM4 Brasil Inteligência Digital para a comunicação, no valor de R$ 115.000,00 para mídias digitais. Sendo assim, caso se confirme, o candidato estaria fazendo caixa dois, o que se configura como crime eleitoral.

Tanto Hang, dono da Havan, quanto as agências e a AM4 negam as acusações, alegando que o alcance das publicações são orgânicos, e não houve investimento ilícito para promover os conteúdos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Vetos genocidas do Bolsonaro

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Cleidiana Ramos

O dia em que meu nariz me definiu como negra - notas sobre o racismo à brasileira

Jandira Feghali

Diga-me o que vetas...

afrolatinas

Contato com meu “Eu”

SOM.VC

RAP BR: Murica canta com sede de dignidade em novo álbum produzido por MK

Márcio Santilli

Sociedade civil se levanta contra Bolsonaro mesmo sob isolamento e penúria

André Barros

Operações racistas nas favelas

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte

Juan Manuel P. Domínguez

"O DJ é um dos elementos pilares da cultura Hip Hop". Diálogos de quarentena com DJ Erick Jay

Randolfe Rodrigues

O Brasil que queremos no pós-pandemia

Jussara Basso

A cultura na periferia em tempos sombrios

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd