Por Carla Luã Eloi

Crítica com spoiler

Nelliel – mãe, gamer, mulher. O título do documentário de Beatriz Ramerindo desperta a atenção, trazendo um tema interessantíssimo e contemporâneo sob a perspectiva de Nelliel, a primeira mulher head coach de Legue of Legends no Brasil.

Quem cai de paraquedas no documentário, seja pela curiosidade com o tema ou qualquer outro motivo, pode até não entender um ou outro termo usado no universo gamer, mas não perde em nada o foco do debate que é proporcionado por Beatriz, Nelliel e Júpiter, sobre a profissão de head coach de LOL e a rede de suporte liderada por Nelliel para treinar mulheres e lhes garantir mais oportunidades nas competições do game.

Júpiter explica que head coach em esportes eletrônicos se refere a pessoa que treina os indivíduos e/ou a equipe, ajudando no desenvolvimento das habilidades com o jogo, técnica e criação de estratégias. Durante o debate no segundo dia do Festival Audiotransvisual, no qual o documentário estreou, Beatriz Ramerindo comentou que para muitas pessoas ser gamer é profissão, é uma carreira. Se como hobby, mulheres já tem pouca visibilidade nos jogos eletrônicos, como profissão é ainda mais relevante pensarmos sobre isso.

Apesar de os campeonatos brasileiros de League of Legends serem mistos, ainda são predominantemente ocupados por homens. No filme, Nelliel revela que raramente são dadas oportunidades para mulheres gamers, mesmo elas representando mais de 50% das pessoas consumidoras de jogos eletrônicos.

Com todo seu conhecimento técnico, Nelliel decidiu se tornar a primeira mulher head coach de LOL, após várias frustações causadas pela falta de oportunidade. Mas ao invés de remoê-las ou desistir daquilo que amava, Nelliel decidiu compartilhar seu conhecimento e fortalecer outras meninas e mulheres, para que elas cheguem aonde não conseguiu chegar.

Com imagens sóbrias e uma linguagem leve, o documentário permite que a palavra ocupação ganhe novos significados e dimensões, para pessoas que nunca sequer pensaram sobre ocupação de mulheres no universo gamer, mas também proporciona para garotas e mulheres gamers, ou que desejam ingressar nesse mercado profissionalmente, a inspiração de Nelliel, a primeira mulher head coach de League of Legends, como a pioneira, a que abriu as portas e ajuda outras mulheres a ocuparem cada vez mais e a chegar ainda mais longe.

Carla Luã Eloi escreveu esta crítica em colaboração ao FOdA Fora do Armário, editoria LGBT+ da Mídia NINJA, a partir da exibição do filme no Festival AudioTransVisual

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

transpoetas

Intersexualidade é a prova da diversidade humana

Camarada Gringo

O que o Brasil pode esperar de Joe Biden como presidente?

Colunista NINJA

Um ano depois da explosão social no Chile: o caminho para uma nova constituição política

transpoetas

Afinal de que serve um corpo doente, e uma mente exausta? Dane-se, eu quero mesmo é saber com quais armas eles nos matam

afrolatinas

E Eu Com Isso? Acessibilidade Comunicacional

vereadoresquequeremos

#Conheça: Andréa Bak – um baque nas estruturas do Rio de Janeiro

Ana Júlia

A militarização da minha escola

William Filho

Por que a esquerda não abraça a pauta da maconha?

vereadoresquequeremos

#Conheça: Verônica Lima – Sempre na luta por uma sociedade mais justa – Niterói (RJ)

vereadoresquequeremos

#Conheça: Walkiria Nictheroy – Por uma cidade que sorri para Todos – Niterói (RJ)

Bancada Feminista do PSOL

Quem é Ricardo Nunes, o vice de Bruno Covas?

História Oral

A velha censura de cara nova

Juca Ferreira

Homenagem aos que lutam em toda a América Latina

afrolatinas

Slam Conexões Femininas: uma homenagem à Dina Di, a eterna rainha do rap

Márcio Santilli

Defesa nacional e mudanças climáticas