Por Mya Fontan

“A mente enquanto espaço e o monstrinho ansioso que se desenvolve nela, transforma os pensamentos em nós e se enrola neles a ponto de ficar preso. O momento que antecede um surto”. Esta é a apresentação do curta-metragem de Caim, do Rio de Janeiro. Como ele próprio qualificou, em filme em foto e vídeo em um eterno processo experimental. “Busco por movimentos, rastros, formas e texturas. Tento explorar os espaços, físicos ou não”.

A Oficina do Diabo nos traz para dentro da mente de uma pessoa neuroatípica, algo que, apesar de banalizado socialmente nos dias atuais, está muito presente, a cada dia mais.

Este filme tem como objetivo causar incômodo, mas não por qualidade estética, mas por tratar de um assunto que é tão desconfortável a nível social como os “monstrinhos” que vivem em nossas mentes e os nós em que eles se entrelaçam e se enrolam.

A trilha sonora agrega muito ao filme, mas a utilização de sombras demais e muitos tons de vermelho torna-o confuso em alguns momentos.

Apesar disso, o conceito é bem construído e trabalhado, mesmo com pouco tempo de tela.

Mya Fontan escreveu esta crítica em colaboração ao FOdA Fora do Armário, editoria LGBT+ da Mídia NINJA, a partir da exibição do filme no Festival AudioTransVisual

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Camarada Gringo

O que o Brasil pode esperar de Joe Biden como presidente?

Colunista NINJA

Um ano depois da explosão social no Chile: o caminho para uma nova constituição política

transpoetas

Afinal de que serve um corpo doente, e uma mente exausta? Dane-se, eu quero mesmo é saber com quais armas eles nos matam

afrolatinas

E Eu Com Isso? Acessibilidade Comunicacional

Boaventura de Sousa Santos

A Europa, os EUA e a China

William Filho

Por que a esquerda não abraça a pauta da maconha?

vereadoresquequeremos

#Conheça: Verônica Lima – Sempre na luta por uma sociedade mais justa – Niterói (RJ)

vereadoresquequeremos

#Conheça: Walkiria Nictheroy – Por uma cidade que sorri para Todos – Niterói (RJ)

vereadoresquequeremos

#Conheça: Somos Plural - política com amor, diálogo, afeto e tolerância - Belo Horizonte (MG)

Márcio Santilli

Bolsonaro e as ‘ONGs’

História Oral

A velha censura de cara nova

Juca Ferreira

Homenagem aos que lutam em toda a América Latina

afrolatinas

Slam Conexões Femininas: uma homenagem à Dina Di, a eterna rainha do rap

Márcio Santilli

Defesa nacional e mudanças climáticas

Colunista NINJA

Boneca de jeito nenhum!