Por Mya Fontan

“A mente enquanto espaço e o monstrinho ansioso que se desenvolve nela, transforma os pensamentos em nós e se enrola neles a ponto de ficar preso. O momento que antecede um surto”. Esta é a apresentação do curta-metragem de Caim, do Rio de Janeiro. Como ele próprio qualificou, em filme em foto e vídeo em um eterno processo experimental. “Busco por movimentos, rastros, formas e texturas. Tento explorar os espaços, físicos ou não”.

A Oficina do Diabo nos traz para dentro da mente de uma pessoa neuroatípica, algo que, apesar de banalizado socialmente nos dias atuais, está muito presente, a cada dia mais.

Este filme tem como objetivo causar incômodo, mas não por qualidade estética, mas por tratar de um assunto que é tão desconfortável a nível social como os “monstrinhos” que vivem em nossas mentes e os nós em que eles se entrelaçam e se enrolam.

A trilha sonora agrega muito ao filme, mas a utilização de sombras demais e muitos tons de vermelho torna-o confuso em alguns momentos.

Apesar disso, o conceito é bem construído e trabalhado, mesmo com pouco tempo de tela.

Mya Fontan escreveu esta crítica em colaboração ao FOdA Fora do Armário, editoria LGBT+ da Mídia NINJA, a partir da exibição do filme no Festival AudioTransVisual

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas