Foto: Arquivo

Ontem, domingo (24), a influenciadora digital Liliane Amorim morreu aos 26 anos por conta das complicações de uma LIPOASPIRAÇÃO. Esta mulher da foto, magra, branca, lisa, tão próxima do padrão.

Estudos consagrados apontam que a taxa de mortalidade para lipoaspiração é de 19 mortes para cada 100.000 cirurgias realizadas. Parece pouco devido a subnotificação, mas talvez seja o dado que faltava pra gente poder de fato realizar uma coisa:

GORDOFOBIA MATA.

PRESSÃO ESTÉTICA MATA.

O Brasil é o país que mais faz cirurgias plásticas do mundo. Nós, o país do carnaval, da mulata tipo exportação, admiradores da beleza cis-europeia, da bunda, do turismo sexual. Da gordofobia.

Essa fórmula leva muitas de nós pra mesa de cirurgia para fazer um procedimento que pode resultar em perfuração de órgãos, por exemplo. Leva tantas outras ao mesmo destino por uso do silicone industrial.

Quantas mortes decorrentes das dietas milagrosas, das pílulas que secam, das bariátricas, dos hormônios acontecem e não ficamos sabendo? A quem serve essa desinformação? Que mensagem querem passar os médicos que aceitam fazer essas cirurgias em um corpo como de Liliane?

A não-morte também tem consequências. Cai cabelo da química, desenvolve bul1m1a e anorex1a, lesões por causa dos exercícios, deformidade nos dentes por conta do vômito…

Até quando a norma (inventada e alimentada por homens brancos cis, gays e héteros, por muitas vezes medíocres) vai ditar como devem ser os corpos das mulheres cis e trans?

Eu não tenho nada contra procedimentos estéticos, acho que são feitos ou por mulheres adoecidas por um ideal irreal de beleza ou por mulheres que se orgulham de quem são e se conhecem o suficiente para saber o que querem do seu corpo.

Mas eu tenho TUDO contra uma sociedade que criou uma cenário onde pessoas como liliane morrem.

Gordofobia mata. Padrão estético mata.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Tatiana Barros

AutorAS de ficção científica no Brasil? Temos sim!

Morena Meireles

Boas vindas de uma UX Designer

História Oral

Censura e perseguição contra Educadores

Ivana Bentes

Karol Conká não é Odete Roitman

transpoetas

Caminhadas marginais: 20 de fevereiro e a luta de corpos transmasculinos

Mariane Santana

Um papo descomplicado sobre algoritmos de redes sociais

Aline Calamara

Um corpo para consumo nas redes

Bruno Ramos

Salvador da Rima, a truculência da PM e os desafios do Funk

Álamo Facó

A fundação do Rio e o início do fim

Renata Souza

Epidemia de feminicídios: as mulheres querem viver, não sobreviver!

Renata Frade

Inclusão e diversidade em Tecnologia da Informação desde a infância

Amanda Pellini

5 maneiras de resgatar um idoso do abandono nas novas tecnologias.

Márcio Santilli

Titulação de quilombos repara injustiças e reconstrói relações

Daniele Apone

Que tal a gente desaglomerar de vez?

Márcio Santilli

Com as próprias mãos: reflorestando a Asa Norte