Por Henrique André

Henrique André, 43 anos, nascido em São Paulo, enraizado em Petrolina, Pernambuco, forjado no afeto, ativista de nascimento, designer orgânico e de formação. Fui apresentado ao Design, ele ainda se chamava Desenho Industrial, não era tão badalado como hoje mas sempre foi inspirador e desafiador, como segue sendo.

No final dos anos 90 cursei na FAAP, Fundação Armando Álvares Penteado, 4 semestres do curso de Desenho Industrial, profissão pouco consumida, mas que estava em exponencial crescimento. Um divisor de águas para mim, homem negro que buscava se entender e se encontrar dentro de uma estrutura social que, por vários motivos, não me acolhia. Um dos motivos que me levou à não conclusão do curso.

A semente do Design estava plantada em mim: praticava Design Thinking mesmo quando estive distante da área, traduzindo ao pé da letra “Pensar como projetista”. Design Thinking é um método para estimular ideação e a perspicácia ao abordar problemas relacionados a futuras aquisições de informações, análise de conhecimento e propostas de soluções.

No processo de conquista de espaço quando cheguei em São Paulo, em dezembro de 1998, vindo de Petrolina – cidade do vale do São Francisco em Pernambuco –, onde cresci num núcleo familiar preto, mas que não tinha a discussão racial como tema cotidiano, deparei-me com a poesia periférica. A potência do movimento Hip Hop e a transição dos bailes blacks, começaram a ganhar espaço em territórios sofisticados da cidade de São Paulo, como Pinheiros e Vila Madalena.

O Hip Hop – que nasceu no gueto – é um dos movimentos mais transformadores na sociedade: a arte, a música, a moda, a atitude e o comportamento cultural são outros após sua existência. Este movimento foi essencial para potencializar minha auto estima e a minha produção criativa, me fez pensar soluções para seguir me expressando, como homem, preto, de 1,90m, barba e cabelo Black.

O Desenho Industrial passou a ser chamado de Design e o curso foi desmembrado em seus seguimentos: design gráfico, design de produto e esse processo de certa forma me fez acreditar que o curso não era para mim, que tinha que entrar numa caixa, numa partição social, para seguir vivo e producente dentro de uma estrutura social que me via como uma ameaça e que, muitas vezes, apagava minha existência.

Mas minha existência nunca foi negociável, sempre ativo e em constante transformação, a escrita reverberou forte em mim, a poesia começou a aflorar na minha vida adulta como brotava quando eu ainda era criança, aos 12 anos, lá em Petrolina. E, junto da potência da escrita, a vontade de recitar, gritar pro mundo meus escritos também veio. Fui estudar teatro.

Um curso livre que durou pouco, que não me ajudou a recitar melhor, mas me fez escrever mais. E o que era para ser uma peça teatral se torna um livro, uma história de sonhos, pesadelos, fantasia, humanidade, sentimentos e sentidos; e como o ativismo e militância se manifesta de várias formas, o livro é afrocentrado, com apenas personagens negros e para homenagear a ancestralidade, todos os nomes próprios são em iorubá. Mas ainda faltava algo, uma comunicação para disputar o imaginário eurocêntrico que nos é imposto nos mecanismos de educação e formação. Faltava a ilustração, que mesmo sabendo da minha aptidão para o desenho e as técnicas adquiridas na Faculdade, que eu tinha abandonado, não me sentia seguro para executar. As andanças por eventos de cultura me apresentaram várias pessoas, entre elas evidencio Isaac Santos (@isaacosantos), jovem artista, quadrinista, ilustrador e designer, que contribuiu com meu primeiro projeto literário em prosa, não somente com ilustrações generosas, mas também com apontamentos no texto e, principalmente, como inspiração. Isaac é um artista completo, com escrita rica e ilustração cheia de significado e expressão. Muito generoso, aceitou de imediato o convite para ilustração do primeiro livro afrofuturista que escrevi.

“Alágbára: o Sonho”, foi publicado e esse livro me trouxe muitos presentes, como o reconhecimento enquanto escritor Afrofuturista, conhecer pessoas, visitar lugares e a participação no coletivo “O Futuro é Preto”, que reacendeu a chama da academia em mim. Estar com pretas e pretos que disputam o espaço acadêmico, com relevância e protagonismo, foi o incentivo necessário para eu voltar o olhar para os estudos, seguir produzindo arte, desenhando,aprendendo e continuar contando histórias.

A medida que as pesquisas sobre afrofuturismo foram sendo aprofundadas, o desenvolvimento do trabalho como design foi crescendo: na área editorial, com diagramação e ilustração, pensando soluções na relação com as pessoas e como os livros e revistas podem chegar aos leitores e impactar a vida desses consumidores. No ativismo,o olhar ampliou, não só para os desdobramentos do racismo, mas também para as causas LGBTQIAP+, para a acessibilidade e a educação.

Para um homem negro, que supera as estatísticas na estimativa de tempo de vida, existir é uma ato de resistência e trazer as pautas  minoritárias em seu trabalho, arte e estilo de vida é uma ato de militância constante. Design e ativismo convergem em mim e crescem com a oportunidade de escrever e pensar questões cotidianas que nos atravessam aqui no Design Ativista.

Henrique André é designer gráfico, escritor e pesquisador Afrofuturista que busca inspiração no cotidiano e na ancestralidade. Está no Coletivo “O futuro é preto”, grupo voltado para ações de tecnologia, inovação, educação e cultura por um olhar afrodiaspórico.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Amazônia sem lei

Márcio Santilli

Ato bolsonarista no 7 de setembro é comício

Observatório das Eleições 2022

Cada plataforma, um universo: a pluralidade de temas do bolsonarismo e do lulismo no Twitter e no YouTube

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Márcio Santilli

Estertores do bolsonarismo

Observatório das Eleições 2022

Globalização das eleições? Protestos de brasileiros no exterior

Observatório das Eleições 2022

Os Presidenciáveis e as Cidades

Renata Souza

O crescimento do PSOL é negro, feminista e popular

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro: o presidente-candidato ou o candidato-presidente?

Márcio Santilli

A abstenção pode influir no resultado da eleição?

Marielle Ramires

Um ecocídio em curso

Observatório das Eleições 2022

Ciro e Tebet somam 14% no Datafolha. E agora?