Neste dia mundial do meio ambiente, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (PNCV) completa 5 anos desde sua ampliação em junho de 2017 para os atuais 240.611 hectares. 

Criado em 1961 com 625 mil hectares, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros está localizado no nordeste do Estado de Goiás, protegendo uma área de 240.611ha de cerrado de altitude, abriga espécies e formações vegetais únicas, centenas de nascentes e cursos d’água, rochas com mais de um bilhão de anos, além de paisagens de rara beleza, com feições que se alteram ao longo do ano. O Parque também preserva áreas de antigos garimpos, como parte da história local. Foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO, em 2001. 

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros é um importante espaço de proteção para o Cerrado e seus recursos mas vem sofrendo ameaças de redução e usos indevidos em sua atual área. Em agosto de 2021, passou a tramitar na Câmara dos Deputados o Projeto de Decreto Legislativo 338/20211, de autoria do deputado federal Delegado Waldir (PSL/GO), que visa reduzir, novamente, a área do Parque para 65 mil hectares.

Além de tentativas de redução da atual área, o PNCV sofre problemas relacionados ao desmatamento, ocupações irregulares incentivadas por especulação imobiliária, recorrência de incêndios entre outros riscos.

Um grupo de mais de 42 organizações da sociedade civil se mobilizaram para monitorar as ameaças e articular soluções para a defesa do PNCV. Para fortalecer a importância do parque nacional e alertar sobre os riscos que a Unidade de Conservação sofre, foi criada uma campanha a nível nacional intitulada #NenhumHectareaMenos. Você, que se considera um amigue do parque pode participar da campanha virtualmente postando uma foto sua seja no PNCV, para aqueles que já tiveram o privilégio de conhecer o local, ou pode postar uma foto qualquer. O importante é mostrar o seu apoio para que o parque não seja novamente reduzido.

Ao invés de reduzir, o que precisamos fazer é criar novas unidades de conservação, como parques municipais e estaduais, além das federais. As Unidades de Conservação, como é o caso do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, exercem um papel fundamental para a proteção do bioma e seus recursos ecossistêmicos básicos para a vida.

O PNCV é realmente um berçário das águas,  já que possui aproximadamente mais de 1200 nascentes mapeadas. Além disso, as nascentes mais altas da bacia hidrográfica do Rio Tocantins, uma das bacias mais importantes e mais ameaçadas pelas mudanças climáticas e desmatamento do país, estão localizadas dentro do Parque: a nascente do Rio Preto e a nascente mais alta do Rio Tocantinzinho. Foi por conta dessa grande quantidade de nascentes que o parque foi criado em 1961.

Além da proteção de espécies de fauna e flora, incluindo as ameaçadas de extinção no bioma, a área protegida é um importante vetor para o desenvolvimento econômico da região, especialmente pelo potencial turístico. O PNCV recebe anualmente 88 mil turistas e tem capacidade para receber ainda mais.

A Associação Amigos do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (AVE) é uma organização da sociedade civil criada em 2018 que tem como um de seus objetivos atuar pela conservação e criação de novas unidades de conservação. Um exemplo disso foi a inauguração de uma nova trilha do PNCV, o Sertão Zen, uma trilha com 8,5 km que sai da cidade de Alto Paraíso e percorre lindos jardins até chegar a uma belíssima cachoeira. Além do novo atrativo do parque, a AVE agora luta pela consolidação de um parque municipal para proteger a principal nascente e fonte de abastecimento de água da cidade.

É preciso ampliar as unidades de conservação e não reduzi-las. Parque ampliado é cerrado protegido. O Cerrado brasileiro é a savana mais rica em biodiversidade do mundo, concentra 30% das espécies do país. Porém, já perdeu mais de 50% da vegetação nativa, ou seja, metade de toda a sua riqueza e segue na lista dos mais ameaçados.

Apesar da importância, o Cerrado ainda é um bioma que tem um pequeno percentual de proteção. Dados da ONG WWF mostram, por exemplo, que enquanto a Amazônia tem cerca de 28% do território protegido, o índice cai para 8,3% no Cerrado. O bioma também não está incluído na lista do artigo 225 da Constituição que reconhece os patrimônios nacionais. Isso acontece por conta da pressão do agronegócio que quer transformar o berço das águas do país em pasto e plantação de soja. A taxa de desmatamento foi de 50% nos últimos 20 anos. 

A consolidação de unidades de conservação é uma alternativa econômica pelo seu grande potencial de uso público. A visitação e o turismo nas UCs são indutores reconhecidos para o desenvolvimento econômico, além de efetivamente contribuírem para conservação da natureza local, gerar apoio político-social para a preservação das áreas protegidas e oferecer oportunidades recreativas e sensibilizar os usuários.

Bora proteger as unidades de conservação! Viva o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros #NenhumHectareaMenos

Daniele Apone é economista, relações públicas e sustentabilista. Em janeiro deste ano, tornou-se diretora financeira do Instituto Veadeiros (AVE).

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Andressa Pellanda

Da receita estragada de Bolsonaro ao banquete saboroso da educação libertadora

Observatório das Eleições 2022

Por que o problema da desinformação persiste, quatro anos depois da eleição de Bolsonaro

Observatório das Eleições 2022

A fragilidade do nosso apoio à democracia

Márcio Santilli

Bolsonaro poderá renunciar

Fabio Py

O céu se comoveu no domingo

Márcio Santilli

As presidenciáveis

Juan Espinoza

Defesa dos direitos das mulheres na comunidade pan-amazônica

Observatório das Eleições 2022

Votamos sozinhos, mas fazemos política em grupo: ação coletiva e eleições

FODA

Mulheres negras: potência política em defesa da vida

Márcio Santilli

Bolsonaro confessa ao mundo sua intenção golpista

Observatório das Eleições 2022

A eleição presidencial de 2022 vista pela clivagem regional: continuidade ou mudança?

Rede Justiça Criminal

Você sente segurança com mais prisões e polícia?

Campanha em Defesa do Cerrado

Júri do Tribunal Permanente dos Povos condena estados e empresas por genocídio de povos do Cerrado

Márcio Santilli

Bancada Indígena

Juan Manuel P. Domínguez

Bolsonarismo e satanismo, uma relação estreita