A pandemia nos exigiu uma ação concreta: desaglomerar. Fomos obrigados a nos retirar do convívio social e a trabalhar a partir de nossas residências, quando possível. Só que as nossas residências, em sua grande maioria, são pequenas e/ou insalubres ou são a rua mesmo.

Cerca de 7,7 milhões é o déficit habitacional no Brasil e mais de 220 mil pessoas estão em situação de rua. E quem tem casa pra morar nos grandes centros urbanos, percebeu que morar num “apertamento” de 50m2 passa longe da tão sonhada qualidade de vida.

A partir daí, a classe média, com seu privilégio de poder mover-se, começou a refletir: “e se eu for morar no campo, na praia, na zona rural?” Não existem pesquisas, mas imagino que essa ficha caiu para muitos de nós. A procura por imóveis nas cidades com mais de 100 quilômetros de distância da capital paulista subiu 340% na comparação entre o mês de janeiro, antes da pandemia chegar ao Brasil, para o mês de maio, quando as medidas de isolamento já haviam sido amplamente adotadas no país.

Segundo a estimativa do IBGE em julho de 2020, o total de habitantes das 27 capitais supera os 50 milhões de habitantes, quase 24% da população total do país e o grupo de municípios com até 20 mil habitantes foi o que, proporcionalmente, apresentou maior número de redução populacional. Ou seja, os dados seguem evidenciando o êxodo rural, infelizmente.

E o que será que acontece com a economia brasileira se a gente começar a inverter esse movimento? Se, ao invés do êxodo rural, fizéssemos o êxodo urbano?

O custo de vida longe dos grandes centros urbanos é mais barato, a oportunidade de conexão com a natureza é maior e a gente terá mais espaço. Quem sabe poderemos fazer “home office” ou quem sabe empreender um negócio local gerando nosso próprio trabalho? Ou quem sabe ajudar na proteção dos nossos ecossistemas que estão sendo degradados?

Em 2019, pela primeira vez, um estado do Centro-Oeste, e não do Sudeste, passou a responder pela maioria do superávit do país. A soja é o produto mais exportado do Brasil e, com ela, vai junto nossa água, nosso solo e nosso ar. A descentralização econômica está tomando o caminho errado. Que tal a gente mover-se em direção a essa desaglomeração pelo caminho certo, que gere emprego e renda justa? Afinal, são tantas as oportunidades de diversificar esses produtos de exportação.

As startups sociais ou, simplesmente empresas que envolvem tecnologia e realizam impacto social positivo, também podem estar situadas em cidades menores. Nascida em Itaúna, uma cidade com menos de 100.000 mil habitantes em Minas Gerais, a Bchem Solutions se propõe a transformar resíduos de óleo vegetal em biodiesel. Uma solução que transforma o que seria lixo, em uma fonte de energia cada vez mais valorizada no mercado.

Se você tem essa vontade, esse poder ou esse privilégio, talvez não exista momento mais propício para tal. Muitos de nós estamos presos aos grandes centros em razão do nosso emprego. Que tal inspirar-se no vencedor do Prêmio Nobel da Paz Muhammad Yunus que sempre diz: “ao invés de se candidatar para um emprego, crie empregos”.

Precisamos de geração de empregos que protejam nossas vidas por esse Brasil profundo e nos desaglomere de vez. Mais qualidade de vida, descentralização econômica, proteção e conexão com a nossa essência.

Somos todos uma natureza só.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas