Por Amanda Monte / Copa FemiNINJA

Foto: Arquivo

Asaléa de Campos Fornero Medina, mais conhecida como Léa Campos, é uma mineira de 74 anos que foi a primeira árbitra de futebol profissional do mundo reconhecida pela FIFA. Também é formada em Educação Física e Jornalismo. Mora atualmente em Nova York, nos Estados Unidos.

Sua paixão por futebol começou na época do colégio, quando levava uma bola de meia para jogar com os meninos muito contrariados, pois futebol feminino foi proibido por lei de 1941 a 1979. Anos depois, na época que se formou em jornalismo e trabalhava em rádios mineiras com jornalismo esportivo, concorreu e ganhou diversos concursos de beleza como “Rainha do Carnaval”, “Rainha do Futebol Amador”. Depois da primeira formação, graduou-se em Educação Física e fez o curso da Escola de Árbitros do Departamento de Futebol Amador da Federação Mineira de Futebol , depois de muitos impedimentos começou a trabalhar como árbitra.

Durante o período da ditadura foi presa diversas vezes por ser pega treinando jogadoras mulheres, mas não desistia. Em 1971, teve uma redenção, quando apitou no México um jogo entre Itália X Uruguai. A partir daí surgiram mais oportunidades e começou a ganhar maior destaque nos países europeus e no continente americano. Porém esse maior reconhecimento durou pouco, pois Léa sofreu um acidente de ônibus em 1974, que deixou a árbitra dois anos numa cadeira de rodas e teve que abandonar a profissão. Depois, continuou o tratamento e exames nos Estados Unidos e entre idas e vindas , conheceu seu atual marido o jornalista colombiano Luis Eduardo Medina, com quem se casou e foi morar no país norte-americano.

No ano de 2001, Luis, escreveu a biografia da esposa chamada “ As regras podem ser quebradas” em espanhol. Porém no Brasil, até hoje, nenhuma editora se interessou por uma versão em português do livro.

Depois da recuperação, a ex-árbitra continuou a trabalhar com o esporte através do jornalismo esportivo (algo que ela nunca abandonou) . Atualmente é colunista do jornal Brasillian Press, porém escrevendo sobre política e sempre que pode faz palestras.

 

Foto: Arquivo

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas

William Filho

Multar usuários é legalizar a propina