Por Emília Sosa | Copa FemiNINJA

Gurias Gremistas conquistam o Gauchão Feminino | Foto: Gremio.Net

Parte da mobilização a favor do futebol feminino parte de 2016, quando a FIFA apresentou um plano de sua visão do futebol dos próximos dez anos, em que aponta uma maior valorização ao futebol feminino. Em 2017, a Conmebol impôs a obrigatoriedade para que até 2019, os clubes masculinos tenham equipes femininas e, só assim, serão autorizados a participar da Libertadores da América. Uma medida para que a categoria seja valorizada na América do Sul. O Grêmio, assim como outros clubes brasileiros, começou então a pensar no seu projeto. O time feminino surgiu em 2017, resultado de uma parceria com a Associação Gaúcha de Futebol Feminino (AGFF). Desde então as “Gurias Gremistas” vêm conquistando diferentes espaços no futebol feminino gaúcho e brasileiro.

O time feminino do Grêmio já iniciou sua carreira na primeira divisão do Campeonato Brasileiro, denominada, A1, em 2017. Mas no fim do mesmo ano, foi rebaixado pelo Vitória-PE, para a segunda divisão do Campeonato, a A2. Em 2018, o Grêmio assumiu inteiramente a direção da equipe feminina, com o objetivo de preparar e moldar uma equipe competitiva para os próximos anos, já que em 2019, também se tornou obrigatório que os times da primeira divisão do Campeonato Brasileiro, tenham equipes femininas, normas definidas pela CBF em 2017.

A primeira vez que participaram do Campeonato Gaúcho Feminino, as Gurias Gremistas chegaram à final e perderam para o seu principal rival, o Internacional, nos pênaltis, já em 2018, o resultado foi diferente e as Gurias levaram a taça do Estadual para casa, ganhando de 5 a 3 nas penalidades.

Neste ano, ainda na divisão A2 do Campeonato Brasileiro, o time já se classificou para às quartas de final do campeonato e está em busca do seu primeiro objetivo do ano, a classificação para a semifinal, que também garante a vaga na divisão A1 do campeonato de 2020. Com o encaminhamento para a reta final do Brasileiro, o time também visa o início do Campeonato Gaúcho feminino, que acontece no segundo semestre do ano e busca defender o título.

Apesar de recente, o Grêmio já faz investimentos no time feminino, como um estádio exclusivo para treinamento, alojamento e mando de jogos. O estádio Antônio Vieira Ramos, conhecido como Vieirão, fica localizado em Gravataí e pertence ao Cerâmica Atlético Clube, foi alugado pelo Tricolor para a realização das atividades das atletas. Ainda que pequenos esses passos, já impulsionam o futebol feminino, valorizando cada vez mais a atuação das mulheres nesse ambiente.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas