Por Juliano Medeiros*

No bairro de Palermo, região nobre de Buenos Aires, visitei alguns meses atrás um restaurante curioso. O lugar, uma espécie de igreja peronista, tem um altar dedicado a Perón e Evita, além de outros líderes do movimento. A cada 20 minutos todos entoam a famosa Marcha Peronista, hino composto em 1948. São vários intervalos ao longo da noite. Desconhecidos se abraçam, taças são erguidas. O restaurante quase vem abaixo.

O peronismo é, sem dúvida, o principal movimento político do último século na Argentina. Só isso explica que, 75 anos depois, pessoas de todas as idades sigam entoando o hino a Perón. Tão longevo quanto heterodoxo, o peronismo agregou ao longo da história políticos como Carlos Menem – o pai do neoliberalismo argentino – e Nestor Kirschner, que alinhou o país à chamada “onda rosa” de governos de centro-esquerda do início dos anos 2000.

A derrota de Sérgio Massa no segundo turno das eleições presidenciais e a vitória do ultradireitista Javier Milei, portanto, não devem nos enganar: o peronismo segue sendo uma força política e social relevante. A pergunta que muitos começam a se fazer, porém, é se ele poderá responder aos desafios de uma Argentina profundamente impactada pela crise do neoliberalismo.

Numa espécie de advertência, o governador reeleito da província de Buenos Aires, Axel Kicillof, um dos nomes da nova geração do peronismo de esquerda, afirmou que “é preciso compor uma nova canção”, numa sutil crítica à longevidade de certas crenças peronistas que poderiam ser representadas simbolicamente na tradicional Marcha Peronista.

Não demorou para que seu apelo à renovação fosse alvo de críticas. A resposta mais contundente veio do principal líder do movimento La Cámpora, Máximo Kirchner, filho de Néstor e Cristina. Rechaçando a proposta de Axel, Máximo afirmou, taxativo: “eu não me dedico à música; eu sou militante”. A resposta do herdeiro político dos Kirchner demonstra a dificuldade de enfrentar o debate da renovação – e de perceber a beleza das metáforas.

Acontece que, não só na Argentina mas em toda a região, já está em curso um processo de renovação das esquerdas. Uma renovação que não significa a simples negação das lutas do passado, mas a busca por uma atualização estratégica capaz de interpretar e agir num mundo em profunda transformação. Afinal, reconhecer o valor da geração que enfrentou as primeiras décadas de neoliberalismo na America Latina deveria ser, antes de tudo, um imperativo moral para qualquer militante das novas gerações.

Mas esse reconhecimento não significa eternizar práticas, visões de mundo e táticas que já não se adaptam à realidade. A estratégia hegemônica do progressismo latino-americano chegou ao seu limite. Por isso, em abril desse ano, reuniram-se em Santiago lideranças de nove países para pensar os desafios da nova geração de esquerda na América Latina. Partindo do pressuposto de que os países da região compartilham problemas comuns e que as fórmulas tradicionais de mera “gestão” do sistema dão claros sinais de fadiga, essas lideranças criaram a Rede Futuro, um espaço de construção de uma estratégia para a disputa do ciclo político que se abriu com o fim da primeira onda de governos populares.

Em comum, essas lideranças reconhecem que é preciso ir além da simples luta contra o neoliberalismo. Também manifestam em sua carta de fundação que “diante de um cenário complexo, urge repensar as estratégias das esquerdas e seus mecanismos de articulação para construir novos horizontes que convoquem e reúnam os setores populares, que se apoderem das conquistas e, também, que superem os limites das experiências do passado, que encantem nossos povos com uma democracia mais vigorosa e atenta às suas demandas e sonhos, que situem no centro de suas agendas temas, problemáticas, lutas e desafios relegados pelos olhares economicistas da transformação”.

Essa nova esquerda – que não é nova apenas em termos geracionais – reconhece o valor do velho progressismo e seu papel na consolidação da democracia e na promoção de políticas de combate às desigualdades. Mas quer retomar a utopia de uma Patria Grande socialista de democrática. Em outras palavras, assim como Axel Kicillof, sabe que é tempo de “compor novas canções”. Coincidentemente o podcast da Rede Futuro – disponível em plataformas como Spotify – se chama Sudamerican Rockers.

A vitória de Milei é também a derrota de uma estratégia. A Argentina – como todo a região – precisa de uma nova esquerda que tenha como inimigos o neoliberalismo e a extrema direita, mas que também seja portadora de uma nova rebeldia. Sem renunciar à unidade e valorizando a história de lutas e resistência do povo argentino, há uma janela histórica aberta para novos sonhos e canções.

*Cientista Político, Historiador e ex-Presidente do PSOL (2018-2023). Acompanhou o segundo turno das eleições na Argentina

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas

William Filho

Multar usuários é legalizar a propina