Foto: Tomas Nunita / The New York Times

Por Constanza Rocuant Damianović, Cristóbal Dahm Moreno e María Antonieta Mendizábal Cortés 

Não são 30 pesos, são 30 anos” 

Na madrugada de 19 de outubro de 2019, o presidente chileno Sebastián Piñera declarou estado de emergência para Santiago, capital do país, a província de Chacabuco e os  municípios de Puente Alto e San Bernardo. Na prática, isto significou restringir a liberdade de movimento e de reunião das pessoas e de que os militares assumissem funções de segurança pública. Nos dias que se seguiram, imagens de soldados e tanques avançando pelas ruas percorreram o mundo, relembrando, tristemente, aquelas do golpe militar de 1973. Essa era a  resposta do governo chileno aos protestos que, desde 14 de outubro, sacudiam Santiago e que,  naquela sexta-feira, 18 de outubro, pareciam ter atingido o seu ponto mais alto. 

Duas semanas antes da explosão social, estudantes do Ensino Médio tinham dado início aos protestos por um aumento de 30 pesos no preço do transporte público, o equivalente a  US$0,04. Para mostrar a sua insatisfação, os secundaristas iniciaram ações de evasão em  massa e sob o lema “evadir, não pagar, outra forma de lutar”, passaram a pular as catracas do  metrô, em duros confrontos com a polícia. Em pouco tempo, os protestos estudantis se  transformaram em grandes mobilizações que se repetiram em diferentes cidades do país. O  movimento de evasão dos secundaristas tinha conseguido conectar-se com um sentimento  mais amplo de mal-estar contra a desigualdade, a injustiça e os abusos que afetam a maioria  da população, enquanto uma pequena elite econômica e política desfruta de grandes  privilégios. A mobilização estudantil foi o estopim de um protesto social mais profundo. 

De fato, o Chile é um dos países mais desiguais da região, consequência do modelo  econômico neoliberal, implantado durante a ditadura e continuado em democracia. A lógica  do livre mercado há décadas vem corroendo as bases do sistema político e social,  transformando cidadãos em consumidores dos direitos mais essenciais. De acordo com a  OCDE, o Chile é um dos países com maiores níveis de concentração de riqueza, em que o  10% mais rico possui quase 60% da riqueza total do país. A Fundación Sol, por sua parte,  apontou, em julho deste ano, que 50% das pessoas que contribuíram entre 30 e 35 anos  conseguiram uma aposentadoria autofinanciada inferior a 85,2% de um salário mínimo, isto é,  273.202 pesos, equivalentes a US$ 342. Além disso, o valor médio de inadimplência em todo  o país atingiu, no segundo trimestre de 2020, 1.894.721 pesos, correspondentes a US$ 2.368. Por fim, a Superintendência de Bancos e Instituições Financeiras (SBIF) indicou que, até  dezembro de 2017, mais de 616 mil pessoas tinham dívidas com um banco para financiar seus  estudos de ensino superior e, em apenas uma década (2007-2017), o número de alunos  endividados passou de 291.776 a 722.035, para citar alguns exemplos.

Nos dias que se seguiram, os protestos tornaram-se massivos e, na madrugada de domingo, 20  de outubro, a maioria das capitais regionais estava sob controle militar e com toque de  recolher. Apesar da convocação a uma mesa de diálogo, logo no primeiro dia do estado de  emergência, e da proposta de suspender o aumento do transporte, iniciativa pela qual  deputados e senadores se mobilizaram com surpreendente rapidez, os protestos continuaram.  O governo tinha optado por negociar reformas e acordos com a oposição, ao mesmo tempo 

em que reprimia com violência as manifestações sociais, a mesma fórmula utilizada nos anos  1980 para desarticular as históricas jornadas de protesto que abalaram o regime de Pinochet.  Desta vez, porém, o movimento social ganhou cada vez mais força, evidenciando que a  complexidade da crise respondia a anos de cegueira de seus representantes políticos. Não  foram 30 pesos que mobilizaram o descontentamento cidadão, mas os baixos salários, a falta  de serviços públicos gratuitos e de qualidade, as miseráveis aposentadorias, o alto custo de  vida, a demanda por estatizar a água, a igualdade de gênero e muitas outras demandas adiadas durante os 30 anos de democracia. Foi e é uma reivindicação pela dignidade. 

Repressão policial e violações aos direitos humanos 

O governo de Piñera enfrentou a onda de manifestações como uma “guerra contra um inimigo  poderoso e implacável, que não respeita nada nem ninguém” (Piñera, 19 de outubro de 2019).  E dessa forma foram tratados os milhares de manifestantes que, durante meses, se reuniram  em diferentes pontos do país, até o início da pandemia. São alarmantes as sistemáticas e  generalizadas violações aos direitos humanos perpetradas durante este período por  Carabineros, a polícia chilena, e membros das Forças Armadas. Até o momento, existem  milhares de denúncias por mutilação ocular, tortura, estupro, coerção ilegal de crianças,  adolescentes, mulheres, indígenas, jornalistas, profissionais da saúde e observadores de  direitos humanos. Essas violações têm sido respaldadas por relatórios de órgãos internacionais  como o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a Comissão  Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Anistia Internacional e Human Rights Watch,  bem como por instituições nacionais como o Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH),  a Defensoria da Infância, a Comissão Chilena de Direitos Humanos (CCHDH) e a Defensoria  Jurídica da Universidade do Chile. 

Segundo dados da Promotoria Nacional, até o momento, 8.575 vítimas têm sido  contabilizadas por violações aos direitos humanos durante a explosão social. Entre 18 de  outubro de 2019 e 15 de setembro deste ano, o INDH registrou um total de 2.499 ações  judiciais (2.329 contra Carabineros, 126 contra militares, 22 contra a Polícia de Investigação e  uma contra Gendarmaria, a polícia penal chilena), das quais 169 são por traumas oculares.  Destas, apenas 28 foram formalizadas a nível nacional e 68 pessoas resultaram indiciadas: 64  funcionários de Carabineros e quatro das Forças Armadas (três militares e um membro da  Marinha). Apenas 16 policiais foram desvinculados de suas funções, o que corresponde a  0,2% dos casos, segundo Rodrigo Bustos, chefe da Unidade de Proteção de Direitos do INDH.

Desídia do Judiciário 

Apesar da gravidade dos fatos denunciados, o Judiciário não tem se mostrado à altura das  circunstâncias. O Tribunal de Apelações de Santiago rejeitou 14 recursos de proteção  interpostos contra Carabineros pela utilização de balas de borracha que, de outubro de 2019  até hoje, mutilaram os olhos de centenas de manifestantes. O argumento do tribunal foi que as  lesões relatadas seriam “eventos isolados”. O Supremo Tribunal, por sua vez, decidiu apenas  em um dos recursos apresentados. 

Segundo Carlos Margotta, presidente da Comissão Chilena de Direitos Humanos, no país há  497 presos políticos, “jovens acusados de supostos crimes durante as manifestações”,  enquanto dos 476 “policiais e membros das Forças Armadas investigados pelo Ministério  Público por violações aos direitos humanos”, apenas 74 foram formalizados. Por outro lado,  apesar de que há mais de 8.000 denúncias por violações aos direitos humanos, somente 800 casos foram protocolados, números que contrastam com as 1.914 ações judiciais movidas pelo  governo contra 3.274 manifestantes, sem que tenham sido adotadas medidas efetivas para  reparar as vítimas. 

O caso recente de AA, um adolescente de 16 anos empurrado de uma ponte ao rio Mapocho por um policial durante uma manifestação, mostra que a prática de violar os direitos humanos  persiste no Chile. Neste país existem também graves denúncias sobre a participação  deliberada de agentes do Estado em atos de encobrimento ao atrasar processos judiciais,  entregar falsos testemunhos, adulterar ou destruir provas e locais dos acontecimentos,  ameaçar testemunhas, vítimas e, inclusive, membros dos órgãos do Estado encarregados de  fazer justiça. Essas ações acabam deslegitimando todo o sistema judicial e minando as bases  sobre as quais se fundamenta o Estado de Direito.  

No Chile, a temperatura social continua alta. A incapacidade e a falta de visão política do  governo tem se traduzido em uma baixa aprovação à sua gestão que, em dezembro de 2019,  atingiu a histórica cifra de 6% de apoio (CEP, 2020), bem como na fratura da coalizão de  direita e na divisão da oposição em temas centrais. Apesar de que as autoridades têm  procurado deslegitimar o caráter político do movimento de protestos, as demandas sociais, expressas nas ruas durante meses, convergiram para a mais política das propostas, mudar a  constituição herdada da ditadura. Por outro lado, o desacato cidadão às medidas repressivas  impostas pelo governo e a massiva resposta da população às graves violações aos direitos  humanos cometidas pela polícia e pelos militares deixaram claro que, desta vez, não é o medo  ou as promessas vazias que irão frear o processo de profundas transformações que se inicia no  Chile. Um ano após o começo da explosão social, e apesar de que a atual Constituição não  adere ao princípio da soberania popular, o Chile se prepara para votar em um plebiscito que  definirá o caminho a uma nova constituição, agenda imposta pela cidadania. 

Referências 

ANISTIA INTERNACIONAL. Chile: política deliberada para dañar a manifestantes apunta a  responsabilidad de mando.

CENTRO DE ESTUDIOS PÚBLICOS (CEP). Encuesta CEP 2020. Estudio Nacional de  Opinión Pública nº 84, dezembro de 2019. Disponível em: https://www.cepchile.cl/cep/site/edic/base/port/encuestasCEP.html 

COMISIÓN INTERAMERICANA DE DERECHOS HUMANOS (CIDH). CIDH condena el  uso excesivo de la fuerza en el contexto de las protestas sociales en Chile…. Comunicado de  prensa, 6 de dezembro de 2019. Disponível em: https://www.oas.org/es/cidh/prensa/comunicados/2019/317.asp 

CORTE DE APELACIONES DE SANTIAGO. Sentença de 28 de setembro de 2020, causa Rol Nº 172790-2019. 

DEFENSORÍA DE LA NIÑEZ. “Situación de Niños, Niñas y Adolescentes en el contexto de  Estado de Emergencia y Crisis Social en Chile. Enero 2020”. Disponível em: https://www.defensorianinez.cl/wp-content/uploads/2020/01/Informecrisis22enero_digital.pdf 

DEFENSORÍA JURÍDICA DE LA UNIVERSIDAD DE CHILE. Informe sobre la situación  de los Derechos Humanos en Chile en el contexto de las movilizaciones sociales de 2019.

FUNDACIÓN SOL, com base nos dados da Superintendencia de Pensiones, até julho de 2020.

Fundación SOL, com base em DICOM-EQUIFAX USS. Informe Deuda Morosa 2º Trimestre  2020.

HUMAN RIGHTS WATCH (HRW). Chile: llamado urgente a una reforma policial tras las  protestas, 26 de novembro de 2019. Disponível em:  https://www.hrw.org/es/news/2019/11/26/chile-llamado-urgente-una-reforma-policial-tras-las-protestas 

INSTITUTO NACIONAL DE DERECHOS HUMANOS (INDH).

MARGOTTA, CARLOS. Intervención ante la Comisión de DDHH del Senado, del  Presidente de la Comisión Chilena de Derechos Humanos, Carlos Margotta, 8 de octubre de 2020. 

OCDE. Society at a glance 2019: OECD Social Indicators. Paris: OECD Publishing, 2019. 

OFICINA DEL ALTO COMISIONADO PARA LOS DERECHOS HUMANOS. Informe  sobre la misión a Chile, 30 de octubre–22 de noviembre de 2019. Disponível em: https://www.ohchr.org/Documents/Countries/CL/Report_Chile_2019_SP.pdf 

PIÑERA, SEBASTIÁN. “Estoy seguro de que, con la unidad de todos los chilenos, vamos a  derrotar a los violentistas…”. Gobierno de Chile, Prensa presidencia, 19 de octubre de 2019.  Disponível em: https://prensa.presidencia.cl/comunicado.aspx?id=103689 

SUPERINTENDENCIA DE BANCOS E INSTITUCIONES FINANCIERAS (SBIF).  Informe Anual 2017.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Camarada Gringo

Os desafios de Biden com o trumpismo na oposição

Colunista NINJA

Os EUA provaram: derrotar o fascismo é possível

Fabio Py

Jovens evangélicos de esquerda: potência de novos rostos da política brasileira

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil