Foto: Mídia NINJA

Por Ariel Cahen

Luiz Inácio da Silva cometeu um crime e não será perdoado. Está condenado em segunda instância, por três votos a zero, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª região. É essa a pena atribuída aos obstinados que ousam desafiar a própria sina. E vencer.
A história por trás da mais expressiva liderança política e popular do século XXI é sua maior aliada – e também a mais viva representação de sua transgressão.

Quem nasce pobre é como gado. Vive marcado. E a travessia do abismo que separa o pau-de-arara que o levou a São Paulo do rolls-royce que o conduziu ao Planalto cobra seu preço.

Lula é a personificação do improvável. Um milagre da democracia e do cansaço. Da exaustão de um povo explorado, vítima de sua própria história. É o escravo que ascendeu ao senhorio. Um brasileiro ordinário, sobrevivente da seca e da fome, que se tornou o símbolo de esperança de uma nação em frangalhos.

Eleito presidente após três tentativas frustradas pela mesma perversidade que hoje o condena, Luiz Inácio restava, à época, uma vez mais fadado ao fracasso – como esteve em outros tempos, enfrentando a miséria do semiárido pernambucano ou engraxando sapatos no centro de Santos. Era um intruso. Um mal-estar passageiro. Uma figura excêntrica tolerável, mas que jamais seria aceita como um par pela corte, por aqueles que sempre deram as cartas.

O velho hábito de contrariar suas chances, no entanto, sempre foi decisivo na trajetória de Lula. E em oito anos de governo ele fez o que ninguém imaginava.

Promoveu transformações sociais sem precedentes, reduzindo em 50,6% a pobreza e tirando cerca de 28 milhões de pessoas da situação de miséria. A fome, que assombrou sua infância, foi fortemente combatida nesse período – e erradicada quatro anos mais tarde, durante o governo de sua sucessora Dilma Rousseff, tirando o Brasil do mapa da fome da Organização das Nações Unidas (ONU).

Sem formação acadêmica em seu currículo, Lula abriu 14 universidades federais, 126 novos campi e 214 escolas técnicas, além de oferecer a 750 mil estudantes a oportunidade de cursar ensino superior gratuitamente por meio do ProUni – programa de subsídio estudantil criado durante sua gestão.

Em apenas dois anos, o presidente operário quitou a dívida brasileira com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e, ao final de seu segundo mandato, elevou o Brasil da 13ª à 7ª maior economia do mundo, com reservas internacionais superiores a US$ 250 bilhões.

A classe trabalhadora, que deu a Lula sustentação e legitimidade em sua ascensão à vida pública nos tempos de sindicalista, viu o desemprego cair de 11% para 6% a partir da criação de 15 milhões de empregos formais e o salário mínimo saltar de R$ 200 para R$ 550 após sucessivos aumentos com ganhos reais – não meras recomposições inflacionárias.

O sonho da casa própria, que um dia foi seu, levou Lula a criar o maior programa habitacional da história do Brasil, garantindo abrigo a um milhão de famílias brasileiras durante seu governo. O acesso a iluminação artificial, restrito ou inexistente em grande parte do país, também foi plenamente concretizado. E a água doce e redentora do São Francisco, tão sonhada, passou a correr pelas novas veias do nordeste.

Esses e outros avanços transformaram Lula em uma referência. Uma liderança de projeção mundial.

Não por acaso, quando deixou a presidência em 31 de dezembro de 2010 sustentava o índice histórico e inédito de 87% de aprovação. “O político mais popular da Terra”, segundo o então presidente americano Barack Obama.

Apesar dos indicadores inquestionáveis, das conquistas e do respeito acumulado ao longo de sua caminhada, o sucesso do Governo Lula e eleições consecutivas do seu Partido dos Trabalhadores (PT) fizeram transbordar em parte da casta dominante instintos primitivos de ódio e preconceito que pareciam ter ficado para trás. O retirante nordestino tinha ido longe demais. Seu sucesso era uma afronta. A redução da desigualdade que encurtou a distância entre os leprosos e os privilegiados era inaceitável.

Estava claro para a elite brasileira e para a nova classe média viajante e consumidora, a partir da reeleição de Dilma, que o retorno ao poder no Brasil, através do voto, era improvável.

Insufladas pela imprensa, por movimentos conservadores de origem partidária, por discursos demagogos de combate à corrupção e pela própria ignorância, alienação e hipocrisia, milhões de pessoas foram às ruas para dar amparo a uma injustificável ruptura democrática consolidada em agosto de 2016 com o impeachment da primeira mulher presidente do país.

Além do massacre da democracia, o desejo visceral de vingança contra Lula e o PT motivou repetidas agressões ao Estado de Direito. Desnudou a fragilidade das instituições e o oportunismo daqueles que se opõem ao seu legado e negam sua história. Lançou luz à covardia travestida de justiça.

O ódio de classes encarnado em Lula mostrou-se irascível, raivoso. Uma doença social e política. Síndrome de vira-lata com pedigree.

A corrupção, suposta responsável pela cólera dos abastados, segue mais viva e explícita do que nunca enquanto a ala protestante aposenta o manto verde-amarelo e silencia as panelas que batiam em nome da moralidade.

A seletividade e relativização da justiça escancaram um processo perigoso de retrocesso dos direitos civis e constitucionais, publicamente desrespeitados por aqueles que deveriam defende-los. Na caçada a Lula, pode tudo.

São flagrantes os excessos. A depredação moral. Os constantes atentados à reputação por meio da espetacularização de denúncias sem efetiva comprovação. A perseguição midiática e a ditadura da opinião.

A grita diante de cada acusação frente ao silêncio com que crimes cometidos por outros agentes políticos, historicamente protegidos, são acobertados, aceitos e até mesmo defendidos, sem nenhum pudor.

Depois de 13 anos, ironicamente, a velha dinastia parasitária conseguiu, enfim, retomar o poder pela porta dos fundos, através de atalhos sórdidos e vexatórios. E quer, a todo custo, desconstruir a imagem daquele que é e sempre foi sua maior ameaça. Minar a obstinação de Lula, incriminar e manchar sua trajetória para que, aos 72 anos de idade, ele não volte a ousar e desafiar sua sina.

Afinal, quem nasce pobre é como gado. Deve ser preso, pois não sabe seu lugar.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil