Por Vinícius Alves

O Orgulho chegou a mais um ano de comemoração. Nossas ações parecem, mais do que nunca, estar em alta. A quantidade de empresas ou instituições públicas e privadas que celebram e investem na data é algo que não acontecia com tamanha disposição. Passou a acontecer. Que bom!

Hoje o mundo comemora o Orgulho de ser… livre. É disso fundamentalmente que estamos falando. Ou melhor, repetindo, repetindo, repetindo. Nós queremos ser plenamente livres!

A liberdade só é uma palavra cara de ser defendida por quem nem sempre a teve ou a tem. Se você não consegue sair na sua rua de mãos dadas com a pessoa que você ama, a ausência da liberdade está aí. Se você até ontem não podia doar sangue por pertencer a uma identidade sexual e de gênero não cis-heterossexual, a liberdade também escapava aí. Se temos de Janeiro a Junho 89 pessoas trans* e travestis mortas no Brasil significa que nós não estamos plenamente livres.

O fato é que a luta do Orgulho, sempre foi fundamentalmente uma Revolta por Ser Livre. Por não ter a nossa liberdade interrompida nas florestas ou avenidas por onde desejemos caminhar. É disso que estamos falando, por isso que seguimos fervendo e buscando viver incansavelmente… a nossa liberdade!

A todas as instituições públicas e privadas, obrigado pelo investimento dado à promoção da nossa visibilidade orgulhosa nesse 28 de Junho de 2k20. No 29 a gente quer voltar a conversar. É no Orgulho que a gente se encontra pra lembrar pelo que seguimos fazendo Revolta!

Até que todas sejamos livres!

Vinícius Alves, soteropolitano, 31 anos, ativista LGBT há 14 anos e membro da Plataforma @fervo2k20

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Cleidiana Ramos

O dia em que meu nariz me definiu como negra - notas sobre o racismo à brasileira

Gabriel RG

Netanyahu e a ânsia dos covardes por complacência

André Barros

Operações racistas nas favelas

Erika Hilton

Um projeto mais assassino que o coronavírus

Márcio Santilli

Bolsonaro decide cooptar a base social do Lula para sobreviver ao impeachment

Gabriel RG

A substituição do monopólio da violência pelo monopólio da delinquência

André Barros

Bolsonaro evapora

Jussara Basso

A cultura na periferia em tempos sombrios

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd

Márcio Santilli

Ratos ficam nus e podem detonar Bolsonaro

Daniel Zen

E o cerco vai se fechando

Ana Júlia

A queda de Weintraub