O relato oficial sobre a história das mulheres é quase que exclusivamente masculino e, na fotografia, não é diferente, mesmo que hajam tantas grandes e reconhecidas fotógrafas brasileiras.

.

.

Mônica Maia é fotógrafa, editora de fotografia, curadora e produtora cultural. Primeira brasileira a ser jurada do World Press Photo – o maior concurso do fotojornalismo mundial – é sócia e fundadora da DOC Galeria, espaço de referência em fotografia documental no Brasil e América Latina.

Começou a fotografar para os jornais O Estado de S.Paulo e Jornal da Tarde em 1987. Já em 1990 assumiu a Editoria de Fotografia da Agência Estado por 17 anos. Posteriormente coordenou a área de fotografia do Núcleo de Revistas da Folha de S.Paulo até dezembro de 2010. Entre tantos projetos, produz desde 2011 a Mostra São Paulo de Fotografia e geriu por dois anos a Galeria Nikon.

Participa ativamente da fundação e criação da YVY Mulheres da Imagem, movimento de mulheres e pessoas do gênero feminino engajadas e comprometidas na defesa da diversidade e do fortalecimento da representatividade.

A cada quinze dias sua coluna “Mulheres Fotógrafas”, apresentará um trabalho de autoras ou coletivos de mulheres para difundir a fotografia jornalística, documental, contemporânea e emergente. Cada autora poderá indicar outras fotógrafas e, assim, se criará uma rede de trocas, conhecimento e principalmente colaboração para a criação de histórias de interesse coletivo, visando fortalecer as igualdades.

Queremos contar histórias inspiradoras. Somos muitas. Nenhuma fugirá à luta!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil