Por Jamerson Silva

O Atlas da violência 2020, divulgado nesta quinta (27), choveu no molhado e continua escancarando o que já sabemos: A máquina de moer gente preta do Estado brasileiro segue ativa, triunfante e aumentando sua capacidade de letalidade todos os dias. Neste último levantamento, a taxa de negros assassinados no Brasil saltou de 34 para 37,8 por 100 mil habitantes entre 2008 e 2018, um aumento de 11,5% no período. Entretanto, os homicídios entre os não negros no mesmo estudo registraram uma diminuição de 12,9% (de uma taxa de 15,9 para 13,9 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes).

Na frieza dos números, o levantamento indica que para cada indivíduo não negro morto em 2018, 2,7 negros foram mortos. Há estados em que essa diferença é ainda maior. Em Alagoas, para cada não negro vítima de homicídio, morreram 17 negros. O Atlas da Violência nos diz o que toda e qualquer pessoa negra deste país sabe: somos alvos ambulantes, as balas tem nossos corpos como endereço preferencial e toda a estrutura conspira e opera para erradicar nossa existência.

É necessário deixar explicito em qualquer conversa que tenhamos sobre este assunto que, apesar de o bolsonarismo ter dado condição de boa parte da sociedade brasileira tirar a máscara e tornar público o desejo de nos matar, isso não começa agora e nem as políticas de reparação e inclusão dos últimos anos, apesar de ter ajudando criando algumas oportunidades, tiveram qualquer efeito em suprir a necessidade mais básica para qualquer pessoa negra que é ter o direito de não ter sua vida ceifada a troco de nada.

A interrupção do funcionamento desta moenda macabra e perversa não é fácil e não tem fórmula mágica. O caminho é um só e é mesmo o indicado por Malcolm X, citado pelo Érico Brás num papo que tive com ele esta semana e que me foi dado como régua e compasso há anos atrás, na luta da vida real, sob o comando vital de Doutora Andreia Beatriz e Hamilton Borges. Precisamos garantir nossas vidas e liberdade “por todos os meios necessários”.

*Jamerson Silva é soteropolitano, morador de Cajazeiras. Militante do Movimento Negro. Publicitário, músico e produtor cultural com mais de 15 anos de experiência em produção de eventos. Ele é idealizador e administrador da casa de shows Jam Music & Bar e trabalhou em diversos projetos de formação para a cadeia produtiva da música baiana e brasileira e é pré-candidato a vereador na candidatura coletiva da Bancada de Todas as Lutas

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?