Por Renan Cuel

A Lei que oficializou o serviço do Brasil Sorridente na rede de saúde foi sancionada na segunda-feira (8) pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT). O programa irá contemplar 805 novos municípios, com atendimentos inéditos ofertados gratuitamente pelo Serviço Único de Saúde (SUS).

O atendimento em saúde bucal no SUS é ofertada em Unidades Básicas de Saúde (UBS), Unidades de Saúde da Família (USF), Unidades Odontológicas Móveis (UOM), Centros de Especialidades Odontológicas (CEO) e hospitais, além de contar com Laboratórios Regionais de Prótese Dentária (LRPD).

Mais um projeto de saúde pública que abrange toda população, principalmente os mais carentes. Além de gerar mais empregos para a classe Odontológica como cirurgiões-dentistas, técnicos em saúde bucal, auxiliares em saúde bucal, técnicos em próteses e outras funções ligadas à área. Isso, sem dúvidas, é um motivo para comemorar, tanto pela população quanto pelos profissionais. Porém, qual é a realidade da odontologia nos dias atuais?

A profissão que já foi tão valorizada e admirada, hoje em dia enfrenta diversos problemas.

O curso de Odontologia no Brasil por anos foi considerado um dos melhores do mundo. Temos diversos pesquisadores, professores e instituições que elevaram e elevam a Odontologia do Brasil a ser a número um no mundo.

No Brasil, a Odontologia segue sendo um dos cursos mais caros nas instituições particulares, sendo o que mais gasta com material acadêmico prático, laboratorial e clínico.

Antigamente era um curso mais elitista, onde tradicionalmente os filhos seguiam a carreira dos pais ou da família, e assim mantinham o nome da família ativa em gerações nos consultórios (a profissão passava de pai para filho).

Existiam menos vagas, era mais concorrido e, infelizmente, o acesso não era igualitário devido às diferenças sociais. Isso abre uma imensa discussão social sobre politicas sociais, inclusão, desigualdade, etc.

O fato é que todos deveriam ter acesso ao conhecimento de forma igualitária para a formação de bons profissionais, sem ocorrer o sucateamento no mercado de trabalho.

Atualmente existem muitos cursos de odontologia no país, com acesso ilimitado, sem uma educação de qualidade, com inúmeras falhas na visão acadêmica. É muito importante que o Ministério da Educação (MEC) fiscalize melhor essas instituições, seus laboratórios e os atendimentos clínicos que ocorrem durante a graduação, uma vez que o aluno de Odontologia não pode realizar estágio fora da instituição. É preciso um controle mais rígido e uma fiscalização mais intensa.

Outro fator que está afetando os profissionais da Odontologia são as redes de clínicas odontológicas (franquias). Elas chegaram para facilitar o acesso de um outro público alvo aos atendimentos, porém foi expandindo-se cada vez mais e se tornou um modelo de negócio que só beneficia os donos (franqueados), que na maioria das vezes não são da área odontológica e têm apenas a visão mercadológica, ou seja: a saúde virou um negócio lucrativo com um marketing apelativo, muitas vezes, fora dos padrões permitidos pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO). Acaba explorando a mão de obra dos profissionais da odontologia, além de ter um alto índice de problemas com clientes/pacientes, inclusive na esfera judicial, pois como estão com um rótulo da marca (franquia), quando não vão bem, quando não faturam, quando têm muitos processos, fecham as portas e vão embora. É sempre a mesma história.

Os funcionários CLT (recepcionistas, ASB, TSB, gestores, etc) são prejudicados e, principalmente, os profissionais da Odontologia que “não possuem vínculo com a empresa”, mesmo sabendo que, na prática a realidade é outra, pois a maioria desses profissionais enquadram-se na categoria CLT.

Cai no poema de Carlos Drummond de Andrade: E agora, José? “A luz apagou, o povo sumiu’”. É diferente de um atendimento feito em consultório ou em outras clínicas que seguem um padrão de qualidade e levam o nome e sobrenome de seus profissionais. Além de terem a responsabilidade técnica com isso, diminui-se a possibilidade de cometerem tamanhas irregularidades, pois sabem que isso afeta diretamente o seu negócio.

A maioria das franquias no Brasil poderia funcionar muito bem, seguindo os protocolos, principalmente os de saúde e biossegurança, mas, infelizmente, por conta de alguns profissionais, a classe e o nome da franquia acaba sendo prejudicada.

Já trabalhei em uma unidade de uma franquia bem conhecida a qual seguia o modelo conforme mandavam os protocolos. Havia treinamento, biossegurança, consultoria e fiscalização interna. Inclusive conquistei o primeiro lugar em um dos treinamentos ofertados pela franquia a nível nacional. Um case de sucesso, um dos proprietários era extremamente proativo, responsável e dedicado ao seu negócio. Enquanto já vi outras unidades da mesma franquia, com outros donos, não seguirem a “receita do bolo” e, por agir assim, prejudicarem o nome da fundadora a qual eu admiro muito. Então, ser franquia não é um problema e sim a forma que a unidade é conduzida.

Existem diversas reclamações na internet, em sites, grupos de redes sociais de diversas franquias, etc. Entre elas estão as questões trabalhistas, pois a odontologia é uma profissão insalubre e as relações trabalhistas vêm sendo cada vez mais desrespeitada. O cirurgião dentista deixou de ser um profissional liberal e atualmente esse “status” só serve para massacrar as relações de trabalho abusivas em todas as esferas e camadas possíveis.

É desgastante registrar denúncias, colegas já me relataram ameaças, boicotes, retaliações entre outras coisas, é muito triste o cenário.
A vigilância sanitária precisa agir com mais vigor na fiscalização na esfera municipal.

O Conselho Regional e Federal, os quais nós pagamos todos os anos, precisam fiscalizar mais a Odontologia do Brasil. É um problema de saúde sério. Fala-se tanto em punições, normas, regras, taxas, etc. É uma profissão tão linda, somos referência, somos nós os responsáveis por reabilitar a coisa mais bonita no ser humano, o sorriso. É tão simples abrir as redes sociais e se deparar com tamanhas irregularidades, é impossível não ver. É impossível não mapear clínicas com índices de denúncias. Algo precisa ser feito. O papel nosso enquanto profissionais e sociedade é cobrar, questionar, e ter respostas!

Estou aberto a diálogo para contribuir com melhorias.

Alguns movimentos no Brasil já começaram, acredito que com diálogo vamos conseguir melhorar o cenário atual.

Em resumo, se os órgãos responsáveis atuarem de forma correta os problemas irão diminuir.

É preciso frear esse crescimento desorganizado como uma metástase na odontologia.

O CFO está lutando contra isso. É um grande passo.

É preciso de atitudes! Há muitos profissionais desempregados, desvalorizados, desmotivados. Muitos se submetem a situações deploráveis por necessidade. Foi-se o tempo que todo cirurgião dentista ganhava bem e estava bem no mercado de trabalho. Não enganem-se com as redes sociais.

Viver a Odontologia na prática é um processo complexo que envolve muito amor, porém não devemos romantizar o sofrimento que ela traz por fatores que podem e devem ser resolvidos.

Os cursos de pós-graduação na odontologia continuam elitistas, geralmente tendo duração de três anos, sendo durante uma semana no mês. É preciso pensar em um novo modelo que não perca a qualidade e permita o ingresso, capacitação e oportunidade para mais pessoas.

Há muito o que melhorarmos. Além de diversas camadas e problemáticas que eu poderia abordar aqui, acredito que a desvalorização e os abusos são as mais comentadas e questionadas na atualidade.

Há espaço para todos, para clínicas, consultórios, franquias, etc. O importante é manter a qualidade, biossegurança e a ética profissional.
Ter um ensino de qualidade, acessível, igualitário, humanizado, para continuarmos sendo referência no mundo. Não é preciso guerra, nem ser neutro, é preciso união. Pela valorização da Odontologia e seus profissionais e pela sociedade que precisa de um atendimento humanizado e seguro.

Renan Cuel é cirurgião dentista, especialista em Epidemiologia e Saúde e especialista em Marketing.
CRO 132923
@dr.renancuel

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas

William Filho

Multar usuários é legalizar a propina