Foto: Mídia NINJA

Por João Tancredo, advogado das famílias de Marielle Franco e Anderson Gomes

Hoje completam-se 100 dias sem Marielle Franco e Anderson Gomes. Até o momento, as investigações não trazem nada de concreto sobre a autoria e a motivação do crime. Por trás do afinco de investigadores policiais realmente comprometidos, há apenas demagogia e omissão dos governos estadual e federal. Frente a assassinos altamente profissionais, vemos especuladores irresponsáveis apresentarem suspeitos antes das provas, invertendo o processo.

Os familiares das vítimas preferem um culpado solto a um inocente preso. Inadmissível, porém, é a displicência diante da brutal execução que continua a assombrar nossas cabeças. Todos os dias. Sem arrego. Essa é a vitória parcial dos assassinos. Mas, desgraçadamente, é também o combustível que impulsiona a busca por justiça. Essa era a tradição de luta, secular, que Marielle seguia e reinventava. Cotidiana e coletivamente. Esse é o seu legado e ele grita: basta! Mova-se! Quem é capaz de ignora-lo?

Favelada, mulher, negra, feminista, lésbica, íntegra, militante de esquerda, defensora dos direitos humanos, revoltada contra as injustiças e indignada contra todas as opressões, Marielle obteve 46 mil votos e conquistou o posto de vereadora para dar lugar a essas falas historicamente negligenciadas. Dona de um espírito coletivo que a distanciava das mazelas do personalismo, fez de seu gabinete uma rede, um exercício de participação popular com forte protagonismo de mulheres, a mandata. Marielle era semente e personagem concreta da inovação política que tantos idealizam por aí.

Graduada e pós-graduada, Marielle era uma intelectual orgânica do seu tempo e do seu povo. Inconformada com as tragédias que predominantemente atingem pretos e pobres, geradas em nome da guerra às drogas e da privatização dos territórios do Rio de Janeiro, Marielle agia na ponta e lutava para transformar o todo. Ao mesmo tempo, acolhia as vítimas nas emergências, denunciava as estruturas que fabricam a “guerra” – a qual definia como política sistemática de exclusão e punição de pobres – e propunha políticas alternativas para a segurança pública e a garantia de direitos.

Ainda assim, Marielle não conseguiu escapar do genocídio do povo negro e do extermínio de defensores de direitos humanos que assolam o Brasil. E que ela denunciava.

Ainda assim, Marielle não foi protegida pela segurança militarizada que avança pela cidade. E que ela advertia não funcionar para o povo.

Ainda assim, há quem tergiverse ou se mantenha displicente quanto ao significado da execução de Marielle. Por má-fé, conveniência, antipatia política ou mesmo inocência.

A quem interessa?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juca Ferreira

Democracia e Genocídio

XEPA

O Veganismo Popular não comemora o aumento do preço da carne

Ivana Bentes

De novo a barbárie

Renata Souza

Um mês da chacina do Jacarezinho — Pelo fim do regime de exceção nas favelas

Ivana Bentes

"Nem de esquerda, nem de direita". Se isentar é delirante!

Juliana Cardoso

Não podemos mais esperar por programas sérios contra a gravidez na adolescência

Tatiana Barros

Live coding e o mundo do DevRel

Juan Manuel P. Domínguez

As bombas que não mataram. O que fazer sob regime fascista?

Amanda Pellini

E @ palhaç@ o que é... uma figura que se posiciona! A posição do riso na rede, um manifesto!

Daniel Zen

O golpe tava aí. Caiu quem quis...

Colunista NINJA

Ancestralidade de jovens da Chapada Diamantina juntam do-in antropológico de Gil à Lei Aldir Blanc

Daniel Zen

A mentira como método de (des)construção política

Bancada Feminista do PSOL

Mês do meio ambiente: é hora de garantir nosso futuro

Márcio Santilli

A crise institucional do Exército 

Moara Saboia

Contagem no clima: é urgente e necessária a transição ecológica da cidade