Top Secret Rosies, as primeiras programadoras do mundo, durante a 2ª Guerra Mundial. Arte: Mídia NINJA

Quem inventou o primeiro algoritmo? Ou quem inventou o primeiro software? Ou ainda quem foi a primeira pessoa a programar? Quem fez os cálculos para a nave decolar e o homem pisar na lua? Com quase toda a certeza eu arriscaria dizer que, no seu imaginário, mesmo não sabendo o nome da pessoa, você está pensando em nomes masculinos! Errado!

Para TODAS essas perguntas e para algumas mais a resposta é: foram MULHERES!

Ada Lovelace desenvolveu o primeiro algoritmo a ser processado por uma máquina. Grace Hopper foi a criadora daquele que é considerado o primeiro software de computador. Hedy Lamarr inventou o bluetooth, wifi e GPS. A Tops Secrets Rosies foram um grupo de mulheres que, durante a Segunda Guerra Mundial, se tornaram as primeiras programadoras do mundo. Katherine G. Johnson, mulher negra – destaco “mulher negra” porque além de explorar um campo marcado pelo machismo, ela precisou superar o racismo e a segregação – era responsável na NASA por determinar o tempo de lançamento da nave rumo ao espaço.

Em síntese: foram as mulheres que inventaram a computação.

.

Katherine G. Johnson, Grace Hopper, Ada Lovelace, Hedy Lamarr

Contra fatos não há argumentos: elas foram invisibilizadas.

Por que isso aconteceu? Simples, quando a tecnologia era uma área nova e não dava dinheiro as mulheres estavam lá, assim como quando criaram a cerveja – não gente, não foram os homens que criaram a cerveja! Mais tarde, quando essa área se desenvolveu e se tornou uma área importante no mercado, os homens passaram a ocupar estes espaços. Como tudo, né?

E ainda hoje temos que ouvir que a falta de profissionais mulheres no mercado de TI costuma ser “falta interesse da parte das mulheres” – rindo litros. A “culpa” é sempre nossa, tinha me esquecido disso! Convenhamos que não é preciso estar sondando as fronteiras da genialidade para saber que o ambiente predominantemente masculino e, na maior parte das vezes machista, é o problema e não nas mulheres.

Se não bastasse ter que ouvir isso como argumento, ainda corremos o risco de alguém dizer: “as inteligências são diferentes, as mulheres preferem as carreiras de humanas às de exatas”.

Existe diferença da inteligência entre homem e mulher?  Há diversas pesquisas que essa “coisa” de homem ser mais inteligente do que mulher não existe. E sabe por que isso? Por que de uns tempos para cá as meninas estão recebendo educação com a mesma qualidade que os meninos.

E estão – nossos pais e educadores – aos poucos, parando de nos forçar a brincar de bonecas, porque também passamos a questionar, a pegar o lego, o carrinho, a espaço nave e sair brincando! Se arriscar perguntar para uma menina o que quer ser quando crescer, você não vai mais ouvir “quero ser dona de casa” , mas sim um “quero ser presidenta”.

Esse vídeo aqui é ótimo para entender o que estou falando:

Eu poderia seguir aqui dando inúmeros argumentos: maschistas que são usados para justificar o porquê as mulheres são minorias na área de tecnologia e em tantas outras áreas. Chega uma hora que haja oxigênio no mundo para tanta respiração profunda que as mana fazem para exercitar a paciência revolucionária, trabalhar pedagogicamente e colaborar na desconstrução dos homens.

Mas é difícil ter de aceitar que em pleno século 21, somos tão antiquados e retrógrados que não conseguimos abandonar os preconceitos de gênero.

E já não estamos mais falando de áreas de atuação, a TI é um micro setor dentro deste universo chamado sociedade. Precisamos provocar as pessoas para que observem as situações do dia a dia, para entenderem como se dão essas dinâmicas de machismo e patriarcado, pois muitas vezes elas são praticamente disfarçadas e veladas.

Esse artigo começou de um jeito e parece estar terminando de outro? Nâ Na Ni Na Não!

Isso tudo para reforçar e dizer que essas mulheres incríveis foram as precursoras de uma nova era civilizatória que estamos vivendo. A democratização do acesso de novos meios de produção e conhecimento se dá muito por conta do desenvolvimento das tecnologias.  E reconhecer que foram mulheres que nos proporcionaram isso é o mínimo.

Basicamente é compreender que se não fosse uma mulher, o homem não teria pisado na lua!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

O racismo e o pito do Pango

Boaventura de Sousa Santos

Lula da Silva: a democracia entre o passado e o futuro

Renata Mielli

Que manchete um jornalista daria para essa notícia?

Manuela d'Ávila

Joice, eu sou sinceramente solidária a você porque sei o que você está vivendo

Mônica Horta

Moda contemporânea e seus múltiplos caminhos

Daniel Zen

Embustes e engodos da chamada nova política

Colunista NINJA

Hey branquitude, o que você está fazendo para acabar com o racismo que você mesma criou?

Ivana Bentes

As cotas e a pesquisa do IBGE: conservador, não tem volta não!

André Barros

O porteiro do condomínio do Bolsonaro

Jean Wyllys

Carta a Dilma: Eu cuspi na cara dele por você, Dilma. Por nós.

Renata Mielli

A crueldade como ferramenta jornalística

Daniel Zen

O equívoco liberal chileno

Victoria Henrique

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada