Por Carina Vitral e Camilla Lima

A mais recente má notícia entre as tantas crueldades que vêm sendo cometidas contra a educação e a cultura do país é a da interrupção de atividades teatrais nos Centros Educacionais Unificados (CEUs), projeto de alta relevância na rede de ensino da Capital iniciado pela prefeita Marta Suplicy com objetivo de integrar cultura, esporte e educação para toda a comunidade de cada região onde se localizam as unidades.

Atualmente, são 46 CEUs espalhados em bairros da periferia paulistana com altos índices de pobreza e exclusão social. Em 2003, quando a prefeitura inaugurou o CEU Jambeiro, em Guaianases, o primeiro da rede, cada unidade fora projetada para oferecer escola (ensinos infantil e fundamental), berçário, creche, auditório, teatro, ateliê, estúdio, telecentro, biblioteca, áreas de esporte e lazer, centro comunitário, padaria e área verde. Um oásis dentro de regiões quase sem opções de atividades esportivas, artísticas e recreativas para a coletividade.

CEU Jambeiro, em Guaianases, Zona Leste, o primeiro da rede, inaugurado em 2003. Foto: Divulgação / Prefeitura SP

Hoje, lamentavelmente, verifica-se que questões administrativas se sobrepõem ao interesse da população. Conforme noticiado pelo jornal “Agora São Paulo”, a prefeitura alega problemas para renovar os contratos emergenciais de prestação de serviços que estavam em vigência desde 2018 e informa haver uma licitação em andamento. Fato é que, no fim do ano foram encerrados contratos de técnicos de som e de luz que trabalhavam em 37 unidades. E nesta semana terminam os contratos dos profissionais das outras nove unidades, totalizando cem trabalhadores especializados, o que significa que as encenações teatrais estarão paralisadas em toda a rede de CEUs – a menos que os organizadores levem sua própria equipe técnica. Para além do prejuízo cultural em si, aumenta o número de desempregados na Capital.

Que triste para a maior cidade do país, que deveria ser exemplo para todo o Brasil. E que perda para aquela população cuja maioria jamais frequentou teatro ou outros espaços artísticos e tem nos Centros Educacionais a oportunidade de iniciar contato com expressões culturais que enriquecem o repertório do ser humano.

CEU Butantã, na Zona Oeste, inaugurado em 2003. Foto: Divulgação / Prefeitura SP

Infelizmente, esse episódio ocorre num momento de intensos retrocessos culturais e educacionais que se agravaram com a chegada ao poder central de fascistas, beócios, iletrados que veem nas artes, na ciência e na educação inimigos a serem eliminados. O primeiro atentado cometido por Bolsonaro foi a extinção do Ministério da Cultura, em janeiro de 2019, e desde então uma série de ataques vem destruindo a estrutura cultural e os programas inovadores construídos nas últimas décadas por pessoas, especialmente os ministros Gilberto Gil e Juca Ferreira e suas equipes, que conhecem profundamente as raízes culturais do Brasil e as carências do nosso povo. No mais recente absurdo, um dirigente da pasta ora rebaixada a papel inexpressivo confessou-se nazista e, pior, tomou medidas para censurar a criação artística e subordiná-la a métodos e critérios obscurantistas.

Neste momento tão lamentável na história do país, São Paulo precisa se diferenciar do bolsonarismo. A Capital tem potencial para ser muito mais pujante nas artes e na cultura em geral. Não pode ser refém de dificuldades de gestão ou de orçamento. A cidade pode, por exemplo, espalhar Pontos de Cultura em todas as regiões, incrementar a produção cultural dos territórios, inserir os coletivos periféricos nas políticas públicas, entre tantas iniciativas que certamente têm apoio da população, que está ávida por espaços de participação e engajamento. É preciso que a prefeitura tenha ousadia e agilidade para superar os entraves e dê prioridade para ações de amplo interesse social.

Anfiteatro do CEU Meninos, na Zona Sul, inaugurado em 2003. Foto: Leon Rodrigues.

Carina Vitral é presidente nacional da União da Juventude Socialista (UJS) e presidiu a União Nacional dos Estudantes (UNE).

Camilla Lima presidiu a UJS na Capital paulista, é professora na rede estadual e atua na área da cultura com audiovisual.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Liana Cirne Lins

Assédio nas escolas

Juan Manuel P. Domínguez

“As mulheres estão sub-representadas na política”. Entrevista com Gleisi Hoffmann.

Renata Souza

Maio e a luta negra por liberdade

Ivana Bentes

Vômito Triunfal

Daniel Zen

Breves conclusões sobre a reunião ministerial de 22/04/2020

Juca Ferreira

Às margens do rubicão

Sâmia Bomfim

A esquerda paulista e a urgência de um novo tempo

Erika Hilton

Pandemia e LGBTs: os impactos sobre a vida dos mais vulneráveis

Juliana Cardoso

Violência contra as mulheres, feriadão e lockdown ou...

Boaventura de Sousa Santos

Requiem pela democracia

Movimento dos Pequenos Agricultores

Se não plantar agora, a fome virá em seguida

Tulio Ribeiro

Vingança! Viva o Rei Messias!

Luiz Henrique Eloy

Terras indígenas na pauta do Supremo: Teoria do indigenato versus marco temporal

Talles Lopes

É pior do que parece…

Felipe Milanez

Reunião revela a grande “oportunidade” do genocídio indígena