Foto: Mídia NINJA

As manifestações da Jornada Lula Livre contra a prisão política de Lula, que no último domingo completou um ano, encheram as ruas de 16 países e de 17 capitais do Brasil, sem contarmos as inúmeras cidades menores, onde também ocorreram, como a cidade-natal de Lula, Caetés, no agreste pernambucano.

A que se deve a força da Jornada Lula Livre um ano depois da prisão do ex-presidente?

Em primeiro lugar, à enorme liderança popular de Lula que, por ser inocente, não foi maculada pela sua condenação e prisão planejada pelo juiz Sérgio Moro com o objetivo de limpar o terreno para a continuidade do golpe e a eleição de Bolsonaro.

Em segundo lugar, porque como diz o próprio Lula, ele pode estar preso, mas as suas ideias de liberdade, justiça social e soberania estão livres e inspirando a luta do povo. E esse ideário só tende a crescer numa conjuntura marcada pela volta da fome, desemprego e a extinção de todos os direitos que o povo tinha quando ele e Dilma eram presidentes.

A Jornada Lula Livre está ampliando seu apoio da esquerda para o centro político num ambiente em que cresce rapidamente a rejeição do recém-empossado Jair Bolsonaro.

Na última pesquisa Data Folha, a sua desaprovação já atinge 30%, o que é muito alta considerando que está no início do mandato. Nessa mesma situação, nos primeiros três meses de governo, a rejeição de Lula tinha sido apenas de 10% e a de Dilma, 7%, conforme comparou a pesquisa.

O jornalista Paulo Moreira Leite chegou a dizer que se a eleição fosse hoje, Bolsonaro teria perdido para Haddad. Ele citou o levantamento do Instituto Ideias Big Data, que mostrou a perda de cerca de 15 milhões de votos nesses primeiros três meses de desgoverno do capitão. Uma diferença maior do que a dos 10,7 milhões de votos que o colocou à frente de candidato do PT.

Outro fato que compõe esse quadro de esvaziamento político do mais despreparado presidente, desde o fim da ditadura militar, foi o fracasso das manifestações convocadas pela Lava Jato contra o STF. Talvez isso não tenha ficado tão evidente porque ocorreu no mesmo dia das robustas manifestações da Jornada Lula Livre. Parece que a extrema-direita não consegue mais encher as ruas como antes, quando era apenas um instrumento do golpe contra Dilma.

Tudo indica que o clima que está sufocando os direitos democráticos da sociedade brasileira começa a sofrer os efeitos de uma brisa de liberdade e consciência política, ainda pequena, mas persistente.

Sentimos isso em toda a parte, principalmente nas áreas populares, onde é maior a desaprovação de Bolsonaro.

Quando o PT dizia que lutar pela libertação de Lula é o mesmo que lutar pela democracia, não era retórica. Essa relação está se confirmando na realidade. Não pode haver democracia enquanto o principal líder popular do país for preso político.

A bandeira Lula Livre se funde com as crescentes manifestações populares contra a nefasta Reforma da Previdência, que visa acabar com a aposentadoria pública e universal garantida pela Constituição.

Ao mesmo tempo, e diante do descalabro do governo Bolsonaro, setores de centro começam a entender isso e a defenderem a libertação de Lula como condição para o Estado democrático de direito.

A sociedade brasileira começou um processo de mobilização popular parecido com aquele da fase final da ditadura militar e que só tende a se ampliar. A situação econômica cada vez pior, marcada pela sucessiva queda das taxas de crescimento, funciona como o amplificador da crise política causada principalmente por um presidente que não governa e deixa o país à deriva.

Os golpistas não esperavam que ao prender Lula por motivos políticos, estavam cavando a própria cova desse fracassado golpe que tenta desesperadamente continuar por meio de alguém eleito de forma suspeita e sem condições mínimas para governar.

Daqui para frente é a liderança nacional e internacional de Lula que se torna cada vez mais necessária para a saída democrática e pacífica da crise do país.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família