Foto: Mídia NINJA

As manifestações da Jornada Lula Livre contra a prisão política de Lula, que no último domingo completou um ano, encheram as ruas de 16 países e de 17 capitais do Brasil, sem contarmos as inúmeras cidades menores, onde também ocorreram, como a cidade-natal de Lula, Caetés, no agreste pernambucano.

A que se deve a força da Jornada Lula Livre um ano depois da prisão do ex-presidente?

Em primeiro lugar, à enorme liderança popular de Lula que, por ser inocente, não foi maculada pela sua condenação e prisão planejada pelo juiz Sérgio Moro com o objetivo de limpar o terreno para a continuidade do golpe e a eleição de Bolsonaro.

Em segundo lugar, porque como diz o próprio Lula, ele pode estar preso, mas as suas ideias de liberdade, justiça social e soberania estão livres e inspirando a luta do povo. E esse ideário só tende a crescer numa conjuntura marcada pela volta da fome, desemprego e a extinção de todos os direitos que o povo tinha quando ele e Dilma eram presidentes.

A Jornada Lula Livre está ampliando seu apoio da esquerda para o centro político num ambiente em que cresce rapidamente a rejeição do recém-empossado Jair Bolsonaro.

Na última pesquisa Data Folha, a sua desaprovação já atinge 30%, o que é muito alta considerando que está no início do mandato. Nessa mesma situação, nos primeiros três meses de governo, a rejeição de Lula tinha sido apenas de 10% e a de Dilma, 7%, conforme comparou a pesquisa.

O jornalista Paulo Moreira Leite chegou a dizer que se a eleição fosse hoje, Bolsonaro teria perdido para Haddad. Ele citou o levantamento do Instituto Ideias Big Data, que mostrou a perda de cerca de 15 milhões de votos nesses primeiros três meses de desgoverno do capitão. Uma diferença maior do que a dos 10,7 milhões de votos que o colocou à frente de candidato do PT.

Outro fato que compõe esse quadro de esvaziamento político do mais despreparado presidente, desde o fim da ditadura militar, foi o fracasso das manifestações convocadas pela Lava Jato contra o STF. Talvez isso não tenha ficado tão evidente porque ocorreu no mesmo dia das robustas manifestações da Jornada Lula Livre. Parece que a extrema-direita não consegue mais encher as ruas como antes, quando era apenas um instrumento do golpe contra Dilma.

Tudo indica que o clima que está sufocando os direitos democráticos da sociedade brasileira começa a sofrer os efeitos de uma brisa de liberdade e consciência política, ainda pequena, mas persistente.

Sentimos isso em toda a parte, principalmente nas áreas populares, onde é maior a desaprovação de Bolsonaro.

Quando o PT dizia que lutar pela libertação de Lula é o mesmo que lutar pela democracia, não era retórica. Essa relação está se confirmando na realidade. Não pode haver democracia enquanto o principal líder popular do país for preso político.

A bandeira Lula Livre se funde com as crescentes manifestações populares contra a nefasta Reforma da Previdência, que visa acabar com a aposentadoria pública e universal garantida pela Constituição.

Ao mesmo tempo, e diante do descalabro do governo Bolsonaro, setores de centro começam a entender isso e a defenderem a libertação de Lula como condição para o Estado democrático de direito.

A sociedade brasileira começou um processo de mobilização popular parecido com aquele da fase final da ditadura militar e que só tende a se ampliar. A situação econômica cada vez pior, marcada pela sucessiva queda das taxas de crescimento, funciona como o amplificador da crise política causada principalmente por um presidente que não governa e deixa o país à deriva.

Os golpistas não esperavam que ao prender Lula por motivos políticos, estavam cavando a própria cova desse fracassado golpe que tenta desesperadamente continuar por meio de alguém eleito de forma suspeita e sem condições mínimas para governar.

Daqui para frente é a liderança nacional e internacional de Lula que se torna cada vez mais necessária para a saída democrática e pacífica da crise do país.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Ivana Bentes

As ricas também sofrem!

Renata Souza

E o pessoal dos Direitos Humanos? 

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Daniel Zen

Acessibilidade e portabilidade à prova da ignorância

André Barros

ARESP 1625710/RJ do plantador de maconha

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família

Ana Claudino

O amor camarada sapatão

Cleidiana Ramos

O culto a São Lázaro faz lembrar dos corpos que se deseja esquecer