Viva nas lutas e nas ruas, o símbolo Marielle se tornou tão grande que os fascistas do governo e os acobertadores dos assassinos ficaram com medo. Apresentam então os suspeitos de sua execução, mas não ainda o principal: seus mandantes.

Foto: Mídia NINJA

Por Benedita da Silva, deputada federal pelo PT.

A notícia nacional de maior repercussão é a prisão dos suspeitos da execução da vereadora Marielle Franco. Isso aconteceu faltando apenas dois dias para completar um ano sem resultados concretos e depois das denúncias da associação do filho de Bolsonaro com a milícia suspeita do assassinato de Marielle.

Mas o que todo o campo democrático nacional e internacional exige é a apuração completa de quem matou e principalmente de quem mandou matar.

Um matador de aluguel não mata por vontade própria, mas a mando de alguém e saber quem foi esse alguém é fundamental para a solução desse caso que é eminentemente político.

No dia seguinte à execução brutal de Marielle e de seu motorista Anderson, as ruas do Brasil se encheram de protesto e revolta. No Rio de Janeiro, uma enorme multidão se manifestou na Cinelândia e em frente à ALERJ, exigindo a punição dos culpados e denunciando o assassinato como crime de racismo, misoginia, homofobia e discriminação social, pois para a extrema-direita Marielle preenchia todos esses requisitos, de mulher, negra, homossexual, favelada e de esquerda.

Na Câmara dos Vereadores, a sua corajosa atuação não dava trégua aos racistas, aos milicianos e à violência policial, e a todos aqueles que esmagam os direitos das mulheres e do povo das favelas e periferias.

Logo, ela se tornou um símbolo nacional e internacional da luta das mulheres, uma bandeira de luta empunhada nas ruas para combater nas ruas o racismo e a misoginia que se tornaram políticas oficiais com Bolsonaro presidente.

Contra a violência contra a mulher e o feminicídio, a bandeira Marielle nos dá força. Contra o “direito de matar” transformado em lei por Bolsonaro, e que é dirigido para “legalizar” o extermínio dos jovens negros das favelas e periferias, a bandeira Marielle inspira-nos resistência. Para contar na Avenida a verdadeira história do povo brasileiro, lá estava a bandeira Marielle empunhada pela Escola de Samba da Estação Primeira de Mangueira e emocionando o mundo.

Foto 1: Carl de Souza / AFP | Foto 2: Mídia NINJA | Foto 3: Joana Diniz / Mídia NINJA

Viva nas lutas e nas ruas, o símbolo Marielle se tornou tão grande que os fascistas do governo e os acobertadores dos assassinos ficaram com medo. Apresentam então os suspeitos de sua execução, mas não ainda o principal: seus mandantes.

Mas isso, as mulheres de luta e todos os que defendem a democracia e os direitos sociais, não vão aceitar. O símbolo Marielle, o seu espírito incorporado na luta exige justiça e a terá.

Todos e todas nós que respiramos liberdade e direitos humanos não descansaremos enquanto não conquistar justiça para Marielle.

Do mesmo modo que nunca pararemos de lutar pela liberdade do presidente Lula, preso injustamente, por motivos políticos, precisamente para não concorrer contra Bolsonaro, pois ganharia as eleições e isso o sistema que deu o golpe contra Dilma não podia permitir.

As centenas de milhares de Marielles que ocupam as ruas sabem muito bem que Lula foi o presidente mais feminista de nossa história. No seu governo as mulheres foram prioridade nas políticas sociais e educacionais. Portanto, no momento atual as lutas por Justiça para Marielle e por Lula Livre se entrelaçam numa mesma luta geral por liberdade e pela retomada do Estado democrático de direito.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família