Cantora, compositora, duas vezes indicada ao Grammy Latino, empreendedora, empresária, são muitos os predicados que permeiam o que é e pode ser Raquel Virgínia, uma potência que está ajudando o mundo corporativo a entender como a diversidade pode ajudar empresas a alavancar seus negócios. Cria do Jardim Miriam, periferia da Zona Sul da cidade de São Paulo, Raquel fundou em 2021 a Nhaí, uma agência que ajuda marcas a desenvolverem ações de diversidade de forma mais genuína e concreta. Com a sua agência também criou o evento Contaí Summit, que tem o objetivo de incentivar o encontro entre marcas e empreendedores LGBTs.

Na coluna de hoje, Raquel avalia a atuação estratégica da Nhaí dentro do ecossistema brasileiro de startups e como as suas ações podem ajudar as empresas a avançarem na pauta de diversidade, além de incentivarem mais empreendedores LGBTQIAPN+ a acreditarem em suas iniciativas.

Senhoras e senhores: Raquel Virgínia. Leiam com toda calma do mundo.

Foto: Divulgação

Houve um avanço da pauta do empreendedorismo LGBTQIAPN+ no país? Como a Nhaí está contribuindo com essa demanda?

Raquel Virgínia – Houve avanço porque as pessoas que empreendem e são LGBTQIAPN+ têm abordado muito mais o tema e, mesmo que tardiamente, outras estruturas começaram a incorporar o tema com mais atenção. Sobretudo, as grandes corporações entenderam que nós também desenvolvemos negócios e que também somos agentes potenciais da economia.

Quais são os planos para a agência e o projeto Contaí Summit?

Raquel Virgínia – Para o futuro, queremos continuar pavimentando encontros de pessoas que empreendem e são LGBTs, marcas e oportunidades. Nossa maior contribuição tem sido promover encontros e provocar ideias que façam com que esse ecossistema de negócios seja a favor das pessoas LGBTs.

Foto: Divulgação

Como fazer com que as marcas entendam que as pautas da comunidade não podem ser apenas sazonais?

Raquel Virgínia – As marcas não vão entender isso teoricamente. Então, é preciso que vivenciem novas movimentações. E é nesse sentido que novos modelos de negócios propostos por pessoas que empreendem e são LGBTs são tão fundamentais, pois são nossos novos negócios que vão suscitar esse alargamento de calendário.

Além de ser uma cantora talentosa, você é conhecida por ser uma ativista apaixonada. Quais são as causas que você mais se identifica e como você incorpora o ativismo em sua vida e carreira?

Raquel Virgínia – Obrigada pelo carinho. Temos grandes ativistas no Brasil, que são pessoas movidas por essas causas e que atuam de forma bem mais direta e intensa no ativismo. O meu caso é um pouco diferente: não me considero necessariamente uma ativista; prefiro me descrever como uma empresária que gera negócios dialogando com as pautas LGBTs e suas intersecções, sobretudo a pauta racial.

Foto: Divulgação

Qual legado você gostaria de deixar?

Raquel Virgínia – Quero deixar um legado bem modesto: travestis negras podem ser empresárias e movimentar a economia com dignidade. Só isso… se eu puder contribuir com isso de alguma forma, já estou feliz.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

William Filho

Legalização da maconha na Alemanha: o início de uma nova onda?

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira