Artista versátil e compositor de mão cheia, Thiago André Barbosa – ou simplesmente Thiaguinho -, é, sem dúvidas, uma das maiores referências do samba e pagode no Brasil e no mundo. Desde o grupo Exaltasamba, trilhou uma carreira marcada por grandes sucessos como: “Sou o cara pra você”, “Tá vendo aquela lua” e “Caraca, muleke”. No último dia 25 de agosto deste ano, lançou o EP Tardezinha no Mineirão, que já está disponível em todas as plataformas digitais. A gravação aconteceu no dia 29 de julho no icônico Estádio Governador Magalhães Pinto, em BH, para mais de 42 mil pessoas, o que mostra a força do artista, do seu trabalho e seu talento.

Na coluna de hoje, ele fala um pouco sobre sua carreira, a importância das referências pretas para artistas pretos, e o sucesso do projeto Tardezinha com o público.

Leiam com muita ousadia e alegria! Com vocês, Thiago André, o Thiaguinho:

Foto: Bruno Soares/BS Fotografia

 

Todo mundo sabe, e não é segredo para ninguém, que o cantor Belo é uma das suas maiores referências na música. O que o Belo traz no palco, nas suas letras e nas suas músicas que o tornaram essa referência para você?

Thiaguinho – Belo é realmente uma das minhas grandes inspirações na música. O que me fascina nele é a voz, considero que ele tem uma das vozes mais bonitas do segmento, além das letras e entrega no palco. Isso tudo me fez olhar para ele como uma grande referência.

O público viu você evoluir desde o início do Exaltasamba até a sua carreira solo. Quais são os principais aprendizados que você tirou dessa jornada?

Thiaguinho – A jornada desde o início do Exaltasamba até a carreira solo, foi um verdadeiro aprendizado. Aprendi sobre a importância da evolução constante, da busca pela autenticidade e da perseverança diante dos desafios. Cada passo moldou quem eu sou como artista e me ensinou a valorizar cada conquista.

Qual é a música que você considera mais pessoal ou emocionalmente significativa em sua carreira, e por quê?

Thiaguinho – “Estrela” foi minha primeira música gravada e meu primeiro sucesso! E realizou meu sonho de ouvir minha voz no rádio! É a minha música mais especial da carreira! Foi um marco na minha carreira e ainda hoje me emociona cantá-la.

Você já colaborou com vários artistas ao longo de sua carreira. Existe algum artista com quem você ainda deseja trabalhar no futuro?

Thiaguinho – Tenho muitos artistas com quem adoraria colaborar no futuro, mas um que me vem à mente é Djavan. A riqueza da sua musicalidade e poesia seria uma oportunidade incrível de cantar em conjunto.

Qual foi o momento mais memorável e emocionante da sua carreira até agora?

Thiaguinho – Um dos momentos mais emocionantes foi quando o projeto Tardezinha começou a tomar forma. Ver a reação positiva do público e a conexão que criamos através das releituras de clássicos do samba e pagode foi incrivelmente gratificante.

O projeto Tardezinha conquistou e segue conquistando uma legião de fãs ao trazer releituras de clássicos do samba e pagode em um formato mais intimista e descontraído. Como surgiu a ideia desse projeto e como você vê o impacto que ele teve e tem para o samba e o pagode?

Thiaguinho – A ideia do projeto Tardezinha surgiu da vontade de resgatar e celebrar os grandes sucessos do samba e pagode, de forma íntima e descontraída. Fico emocionado ao ver como ele trouxe um novo fôlego para o gênero, aproximando novas gerações e reforçando a importância dessas músicas atemporais.

Como surgiu a ideia de criar o EP “Tardezinha no Mineirão” e qual a expectativa com este novo lançamento?

Thiaguinho – A ideia do EP “Tardezinha no Mineirão” surgiu do desejo de trazer uma experiência única aos fãs, unindo a energia contagiante da Tardezinha com a grandiosidade do estádio Mineirão. Quero que as pessoas sintam a vibração especial desse show, revivendo cada momento e cantando junto como se estivessem lá. É uma maneira de eternizar essa conexão incrível com o público e compartilhar essa energia positiva em todas as plataformas. Mal posso esperar para ver a reação dos fãs e como esse EP vai tocar os corações de todos.

A discussão sobre igualdade racial tem ganhado cada vez mais destaque na sociedade. Como você enxerga o papel dos artistas, incluindo cantores, na promoção do diálogo e da conscientização sobre essa questão?

Thiaguinho – Os artistas têm um papel fundamental em promover o diálogo sobre igualdade racial. Temos a plataforma para amplificar vozes, educar e inspirar mudanças. A música é uma ferramenta poderosa para a conscientização.

A representatividade importa, especialmente para as gerações mais jovens. Como você vê a importância da presença de artistas negros em posições de destaque na indústria da música?

Thiaguinho – A representatividade é crucial para inspirar as gerações mais jovens e mostrar que todos podem alcançar seus sonhos. Ter artistas negros em posições de destaque na indústria da música é uma forma de quebrar barreiras e abrir portas para outros talentos.

O debate sobre a apropriação cultural também faz parte da conversa sobre igualdade racial. Como você lida com a incorporação de influências culturais em sua música, de uma maneira que respeite as origens e evite a apropriação?

Thiaguinho – Para mim, incorporar influências culturais é uma questão de respeito e autenticidade. Entendo que o meio artístico é muito plural e procuro entender a origem dessas influências. Enquanto artista, estou em constante evolução e busco trabalhar com essas influências de maneira genuína, homenageando suas raízes em vez de me apropriar delas.

Para finalizar: muitos artistas negros enfrentaram desafios e preconceitos ao longo de suas carreiras. Quais foram os principais obstáculos que você teve que superar e como isso moldou a sua jornada na música?

Thiaguinho – Os obstáculos foram muitos, desde o preconceito até desafios na indústria. A persistência foi a chave para superar essas adversidades e seguir construindo minha carreira. Cada desafio moldou minha jornada, fortalecendo minha paixão pela música e minha determinação em fazer a diferença.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

William Filho

Legalização da maconha na Alemanha: o início de uma nova onda?

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira