Era março de 2019, em Suzano, quando a Escola Raul Brasil foi palco de um massacre, deixando oito mortos. Cinco anos se passaram, e um jovem aluno da Escola Estadual Thomazia Montoro – Vila Sônia, zona oeste da capital paulistana –, matou, a facadas, a professora Elisabeth Tenreiro, de 71 anos, e feriu outras cinco pessoas – três delas, professoras. E a pergunta que fica é: até quando vai perdurar este ciclo de violência e descaso?

A associação Nova Escola – em julho de 2022 – ouviu mais de 5 mil professores no Brasil. Destes, 51,23% relataram terem sido agredidos verbalmente nas escolas em que trabalham; outros 7,53% relataram terem sofrido violência física. A maioria dos agressores (50,5%) eram alunos. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em pesquisa de 2019, traz dados também chocantes, colocando o Brasil como líder do ranking em agressões contra docentes.

Inúmeros são os fatores que levam à atentados em escolas, porém sabe-se que o “Bullying” tem papel de destaque. Esta palavra de origem americana é usada para descrever atos de agressão verbal e física, além de intimidação, repetitivos, contra um indivíduo. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2022, no Brasil, mais de 40% dos estudantes adolescentes alegaram sofrer com essa prática. Aumento de aproximadamente 10% em relação aos dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE): Análise de indicadores comparáveis dos escolares do 9º ano do Ensino Fundamental, realizada em 2019.

Diante de um cenário desafiador como esse, a dança das cadeiras no comando do Governo do Estado de São Paulo, parece atrapalhar processos, que já deveriam estar em curso, além de atrasar a implementação de outros. A tentativa de colocar policiais reservistas dentro das escolas, a criação de um canal direto de comunicação entre diretores e batalhões próximos e a garantia de atendimento psicológico gratuito para alunos da rede, foram algumas das ações que não saíram do papel.

Por outro lado, a instalação de sistemas eletrônicos de vigilância, a criação do Gabinete Integrado de Segurança Escolar e o Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar (Conviva), são exemplos de ferramentas ativas que procuram minimizar o problema.

Como se não bastasse serem alvos diários de agressão, os professores sofrem com a desvalorização do seu trabalho. Conforme o relatório do 2º Ciclo de Monitoramento das Metas do Plano Nacional de Educação (PNE), de 2018, docentes de escolas públicas ganham, em média, 74,8% do que ganham profissionais assalariados de outras áreas, ou seja, cerca de 25% a menos.

Interromper o ciclo de violência instaurado nas escolas, garantindo segurança aos professores e alunos, faz-se necessário. E para isso, é necessário o fomento de novas políticas públicas. Além disso, é imprescindível, que um país que já teve como lema a “Pátria Educadora”, dê mais valor e melhores condições financeiras para quem educa e constrói as novas gerações.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas