Nos versos da canção ‘A Vida É Desafio’, o compositor Edi Rock diz que o sistema limita a vida da comunidade negra de tal forma que cada pessoa preta precisa escolher se vai sonhar ou sobreviver. Não à toa, seu grupo, os Racionais MC’s, é um dos mais disruptivos das últimas décadas, justamente porque bota o dedo na ferida em questões centrais da sociedade. 

Para entender as inspirações do compositor e os caminhos que ele e o icônico grupo de rap resolveram trilhar sem perder a própria essência, na entrevista de hoje o artista passa a visão para quem ainda acredita na luta por um país mais justo e menos desigual.

Segura essa “pedrada” aí. Senhoras e senhores, Edi Rock:

 

André Menezes – Bora começar, meu querido: Como você enxerga essa referência, o tamanho que os Racionais e as músicas têm para tanta gente no Brasil?

Edi Rock – É muita responsabilidade, porém é gratificante, porque a gente, de certa forma, deu certo. Nem nós acreditávamos em nós. Sempre ficávamos na dúvida: pô, será que vai rolar? Eu digo por mim, no caso. Não sei se os outros tinham a mesma sensação. 

Se você trocar ideia com os quatro, cada um responde o mesmo de uma visão, de uma forma diferente. Mas, assim, eu digo por mim. Não acreditava que chegaríamos onde chegamos. Eu ficava me perguntando, qual era o caminho a trilhar, a seguir, a caminhar, tá ligado? A gente foi batendo nas portas, tentando.

E eu acredito que o coração sempre esteve na frente, porque o grupo sempre falou e cantou coisas que se passavam com nós mesmos. Então, é tipo assim, você está contando uma história sua, mas que, ao mesmo tempo, outras pessoas se identificam com essa história. 

E ela tomou uma proporção tão gigantesca, que nem a gente sabe o tamanho dessa corrente, dessa força, porém, agradece e continua. Eu tento continuar nesse mesmo caminho de mandar a ideia da motivação, da superação, da força, da fé em si próprio, principalmente. 

Independente de qualquer coisa, precisamos acreditar em nós mesmos, não no que você quer, em você mesmo, para poder dar o primeiro passo. Porque tem gente que não acredita em si, não dá o passo, não sai do lugar, continua no zero, passa anos e você vê a pessoa no mesmo lugar, do mesmo jeito. E eu sou contra esse tipo de procedimento, acho que a pessoa tem que se movimentar, tem que fazer, tem que acontecer, não pode ser cômodo, não pode se acomodar. 

 

André Menezes – Irmão, falando especificamente da música ‘A Vida É desafio’, que para mim, cara, é um hino, é uma música extremamente icônica, queria entender de você, eu sei que você compôs. De onde veio, como você conseguiu compor esse hino, quais foram as influências, quais foram as referências que você teve para conseguir escrever essa música?

Edi Rock – A primeira influência é a própria vida, porque somos seres humanos e todo mundo tem B.O, problema, todo mundo passa por dificuldade, às vezes, dificuldade de espírito. Muitas vezes, o cara não consegue se  encontrar. Muita gente enfrenta depressão, problemas de saúde mental. Tivemos a pandemia, onde muita gente enfrentou muita dificuldade. 

Então, isso tudo inspira. Tem os parceiros também, porque a gente se fala, se conversa, essa música está boa ou não. E esse som teve uma história muito interessante. O Brown me chamou a atenção sobre essa música. Inicialmente, ela não era dessa forma, ela não era assim dessa forma motivacional, ela era de uma forma mais deprimida e negativa.

Ele falou assim: “não, irmão, você não pode falar isso de forma alguma, porque vão olhar o lado negativo, vão olhar uma história, olhar para si como se não tivesse chance na vida, você tem que mostrar o lado impossível, o lado impossível que é possível, o lado bom, o lado positivo da vida, você tem que puxar isso”. 

Então, foi isso que me motivou a mudar ela e motivar outros mais, e aconteceu também por conta de Deus, é coisa espiritual.

 

André Menezes – Quando vocês perceberam que iria dar jogo? Que a carreira iria finalmente acontecer? 

Edi Rock – Temos um instinto, uma intuição, um sexto sentido, quando estamos fazendo arte, o artista sabe, e ele é meio que perfeccionista também, artista, ator, atriz, a arte em si não acaba enquanto não está bom. Tem certas músicas que a gente sabe, sentimos, eu senti isso em algumas músicas, por exemplo, A Vida É Desafio foi uma, Mágico de Oz foi outra, That’s My Way foi outra, tem música que eu ouço  porque eu gosto do som, até hoje eu ouço e coloco para ouvir, então é isso que eu quero que se repita, que se multiplique. 

Esse entendimento próprio, esse som é bom, vou tocar para outros e assim vai, a gente sabe, não sei definir uma palavra agora, mas a gente sabe quando isso acontece, é uma bênção, eu acredito que somos abençoados. Eu procuro falar coisas boas e, de alguma forma, eu acredito que vá tocar o coração de outros também, eu procuro esse caminho. 

 

André Menezes – Irmão, falando dos seus trampos, você além do grupo, você tem a sua carreira também, queria que você contasse um pouco se tem algum projeto vindo, algum trabalho vindo que a galera possa esperar. 

Edi Rock – Cara, eu não paro de fazer música. Eu sou músico e estou sempre produzindo. Estamos numa fase do grupo Racionais MCs que estamos produzindo para o próximo álbum, então estamos fazendo muito som, muita coisa, estamos preparando muita coisa boa. Eu penso também na minha caminhada sozinho, no solo, porém acredito que ainda não é o momento. Tem a gravadora, tem um selo, está engatinhando ainda, já já vou dar uma atenção lá, mas por enquanto, esse ano, a atenção total é voltada para os Racionais. A gente está nesse trampo do álbum novo. Até o fim do ano, se Deus quiser, vai sair.

 

André Menezes –  Uma dúvida, uma curiosidade minha, como você e o grupo fazem para permanecer fiel àquela essência e, ao mesmo tempo, tentar experimentar coisas novas? Batidas novas?

Edi Rock – Eu vejo o rap como um ciclo, ele sempre volta, igual tudo, vai, vai, vai, aí se reinventa e volta de novo. Eu já ouvi muito som parecido com o nosso, já ouvi com a roupagem de hoje, então acredito que somos nós, não vai mudar. Não tem como eu mudar a minha cabeça, a minha teimosia, os meus pensamentos e o Brown também não, o Blue também não, só soma, só colhe informação, é igual uma esponja, o cérebro é uma esponja, ele só vai colhendo. 

A gente gosta muito de rap, crescemos ouvindo rap, crescemos ouvindo música negra, o rap veio um pouquinho depois da nossa adolescência, mas éramos moleque ainda, então eu posso dizer que crescemos ouvindo rap. Aprendemos muito com a música negra, convivemos com ela, aprendemos com os bailes de música preta, que nos ensinou muito. Nos ensinou como dançar, como se portar, disciplina, doutrina, o que é necessário ser dito, falado na hora certa. Então, eu acredito que agora é o momento que a gente está meio que o pai e o filho, acho que o rap está nessa fase, nós somos os pais e estamos vendo nossos filhos. O Nelson Triunfo disse uns dias atrás que fomos os engenheiros dessa máquina e iremos trabalhar com ela, vamos direcionar ela, calibrar, somos os engenheiros dessa máquina, então a máquina é nossa.

O Brown já disse um tempo atrás também que construímos uma Ferrari e agora queremos  andar nela, vamos dar um peão nessa Ferrari que construímos. Então, eu acredito que é uma mistura dos dois, nós construímos essa máquina, e agora podemos usar ela da forma que a gente quiser. E, claro, não deixando de ser quem a gente é.

 

André Menezes – Além da música, quais são os outros interesses e paixões que você tem na vida? 

Edi Rock – Eu sempre fui esportista, sempre gostei de esporte, porém agora eu estou me cuidando um pouco mais. Cerveja não deixa, churrasco não deixa, mas são paixões, é isso, esporte, música, churrasco, cerveja e a família, óbvio.

O coração tem que estar bem e ele está suave, lindo e maravilhoso. Saúde familiar, mental, profissional tem que estar equilibrada, é difícil você equilibrar todos, um dia por vez, uma coisa por vez e já era.

 

André Menezes – Como você enxerga hoje a pauta racial, você acha que houve avanços, ou você acredita que ainda estamos caminhando a passos curtos? Como você enxerga? 

Edi Rock – Eu acredito que damos dois passos para frente e um para trás. Às vezes um passo para frente e dois para trás. Por quê? Porque estamos nos organizando, a gente tem a noção, estamos compartilhando a informação, estamos dentro da comunicação, porque a gente já se ligou que isso é a chave do poder, da vitória, do trabalho, da conquista, da melhora, é compartilhar a informação.

Porém, ainda tem um longo caminho pela frente, porque nós enfrentamos uma situação que é milenar, o preconceito, o racismo, uma raça achar que é melhor que a outra, isso já é da humanidade, então tem uma grande estrada pela frente. Porém, somos guerreiros, viemos de tribos, todos nós viemos de tribos, não desistimos fácil das batalhas. Toma um murro e continua indo para cima. Não, não é isso que vai me fazer desistir.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Andréia de Jesus

PEC das drogas aprofunda racismo e violência contra juventude negra

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Márcio Santilli

Mineradora estrangeira força a barra com o povo indígena Mura

Jade Beatriz

Combater o Cyberbullyng: esforços coletivos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”