Foto: Victor Pollak

Honrando nomes como o de Léa Garcia, Maria do Nascimento, Ruth de Souza e tantas outras atrizes negras que marcaram a história do teatro e da teledramaturgia brasileira, a nova geração de atrizes negras também vem deixando o seu recado. É o caso de Larissa Nunes, atriz que com apenas 27 anos e 13 de carreira, já vem se tornando referência para inúmeras meninas pretas que um dia também sonham em seguir a carreira artística.  

Na coluna de hoje, ela fala sobre o seu mais recente trabalho, “Spider”, série da Paramount+ sobre um dos maiores atletas do MMA de todos os tempos, Anderson Silva. Na trama, Larissa dá vida à esposa do lutador, Dayane Silva. A atriz também fala sobre sua carreira como cantora e como está sentindo o avanço da pauta racial atualmente no Brasil.

Leiam com muita atenção, a nova geração de atrizes negras estão aí, também, para fazer história: 

 

André Menezes Larissa, para começarmos, como foi ser selecionada para fazer um papel tão importante como é o da Dayane Silva, esposa de um dos maiores ícones do MMA mundial?

Larissa Nunes Foi um sonho. Foi minha segunda parceria com Caito Ortiz (ele me dirigiu em Coisa Mais Linda) e receber esse convite me gerou muita alegria e responsabilidade. Eu descobri que Dayane pode ser muitas mulheres, que sempre se dedicaram à família e a incentivar o sonho de quem elas amam. Daí minha contribuição como atriz foi tentar achar: e o sonho dela, como é essa mulher? Fazer uma biografia não é fácil, mas foi uma história linda de fazer, com um elenco especial. A preparação de elenco foi divertida, como encontrar a família. Me apeguei ao boxe, fiz musculação, fui amadurecendo.

 

André Menezes Como atriz, quais papéis ainda gostaria de fazer?

Larissa Nunes Todos os papéis que excluíram garotas pretas de fazerem. Até descobrirem que eu sou uma mulher e que todas as personagens femininas me encantam, e que nós podemos fazer muitas, meu trabalho tá sendo lapidado com muito amor e força de vontade.

 

Foto: Victor Pollak

André Menezes Como você consegue se dividir entre a carreira de cantora e atriz?

Larissa Nunes Tem ficado mais natural para mim ser atriz e cantora. Ainda acho que, de modo geral, a galera tem mais dificuldade de associar um ator que é cantor e vice-versa. Aqui no Brasil tem essa coisa de “escolher”, e talvez para mim isso seja mais simples. Hoje eu sou uma atriz que canta e compõe. E que também é dramaturga. Um dia, ser um multiartista não vai nos trazer estranhamento, e sim mais diversidade de público – assim espero!

André Menezes Você acha que a pauta racial avançou no Brasil? 

Larissa Nunes A pauta racial no Brasil é complexa. Ela estagna à medida que avança e vice-versa. Acho que avançamos em muitos lugares, a nossa discussão sobre o que é ser um preto brasileiro está ganhando mais dimensão. A gente tem representatividade na TV, mas um vendedor de balas ainda é confundido com bandido. O que mais me interessa responder é: o Brasil avançou respeitando nossas existências?

 

André Menezes Quais projetos você tem mais orgulho de ter feito?

Larissa Nunes Considero muito que meu corre já vem de alguns anos, mas ainda tem muito a percorrer. Cada projeto que entro, sinto a responsabilidade dele. Mas acho que todos os projetos que enxergam protagonismo no meu trabalho, me enchem de orgulho!

 

André Menezes Qual legado você quer deixar?

Larissa Nunes Uma pergunta que quero responder ao longo da minha caminhada. Mas com certeza tem a ver com inspirar pessoas pretas a serem elas mesmas, sempre.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

SOM.VC

Gatunas: o poder da resistência e da representatividade na cena musical Paraibana

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Estudantes NINJA

A luta pela educação em São Paulo: contra os cortes e os inimigos da educação!

William Filho

Legalização da maconha na Alemanha: o início de uma nova onda?

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça