A pandemia do coronavírus (SARS-CoV2, popular Covid-19) tornou explícita uma guerra que vem crescendo nos últimos anos no Brasil. A briga “ciência x achismo” ganhou força justamente num momento em que apenas o conhecimento técnico e científico deveria ser levado com consideração. Mas como combater as informações erradas em tempos de fake news, mídias sociais e grupos religiosos que parecem não se importar com a vida humana?

Nesse momento, as universidades públicas, os cientistas e os profissionais da saúde estão na linha de frente do combate, mas não enfrentam só o vírus que vem matando milhares de pessoas pelo mundo. Eles precisam enfrentar também criacionistas, negacionistas e o “mercado”, que age através de políticos e articuladores de direita, pregando o discurso da volta ao trabalho, pois a economia não pode parar. Desde quando empresários e especuladores do mercado financeiro entendem de saúde e controle de pandemias? Onde estavam eles quando a taxa de desemprego subiu para 11,6% no trimestre encerrado em fevereiro desse ano, atingindo 12,3 milhões de pessoas (dados do IBGE)? Não nego que teremos um agravamento dos problemas econômicos com o isolamento, mas questiono a súbita preocupação de quem nunca se importou com os mais pobres. Vamos ouvir os cientistas ou pessoas que não possuem conhecimento técnico em saúde e que estão mais preocupadas com seus respectivos lucros? Pagamos impostos diariamente e o mínimo que o governo pode fazer pela sua população é usar esses recursos para garantir direitos sociais básicos como saúde e assistência aos desamparados, ambos previstos na nossa Constituição. O Estado precisa assumir suas responsabilidades. Não precisamos e não devemos escolher entre a vida e a economia. É momento de ouvir a ciência e os profissionais da saúde.

Os países que demoraram para agir acabaram contabilizando um maior número de mortos. Até o fechamento desse artigo, os EUA já tinham mais 42 mil mortes e 787.901 infectados. Na Itália, os casos diários eram cerca de 70 no início do surto, passaram para 500 na segunda semana e atingiram os 1.700 na terceira. E o que vai acontecer no Brasil? O que sabemos é que por aqui ainda não estão sendo realizados testes em massa, o que colabora para que muitos “achismos” em torno da pandemia ganhem força e uma parte da população acredite que o problema não é grave o bastante. Sabemos também que nosso sistema de saúde não tem capacidade de acolher toda a população de forma igualitária. Quem se responsabilizará pela vida das pessoas? Quem ganha com o discurso de que devemos escolher entre a saúde e a economia? Como lidar com a avalanche de achismos sobre um tema que é preciso anos de estudo para obter conhecimento?

Infelizmente não tenho as respostas para todas as perguntas que estão nesse artigo e deixo aqui um espaço aberto para um debate maior sobre o tema. Mas sei que é preciso priorizar o conhecimento científico, valorizar as pesquisas que estão sendo desenvolvidas nas universidades e dar suporte aos profissionais de saúde que estão nos hospitais. A cura não virá do setor financeiro, de um político ou um grupo religioso. A cura virá da ciência.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil