Foto: Giorgio Palmera

Sou esquerdista mesmo e nessas férias, depois de muito me mandarem, fui pra Cuba, em minha primeira viagem internacional. Fui com minha filha e filho, para casa de um amigo que lá reside com sua companheira. Uma vez esclarecido esse meu ponto de vista “ideológico”, que só a esquerda tem, porque a direita é neutra e “sem partido” (sqn), devo dizer que Cuba me impressionou muito positivamente.

Achei o povo muito parecido com o brasileiro. Com a diferença que grande parte da população fala espanhol e inglês e eu sigo falando português, que é a única língua na qual sou fluente. Neste sentido é preciso destacar que a ilha é campeã em educação. Zerou o analfabetismo, os/as cubanos/as tem o dobro do número de anos de estudo em relação à média da América Latina e têm notas bem altas em exames internacionais. A educação em Cuba é pública, estatal, gratuita desde a educação infantil à universidade. Poderíamos dizer que não é um ensino que incentiva a criatividade, mas o Brasil tem que melhorar muito antes de ter moral para criticar o sistema cubano. O Brasil tem feito um investimento constante para fazer fracassar a escola pública brasileira. Com a Emenda Constitucional 95 do governo Temer e todas as iniciativas do velho governo Bolsonaro, o desmonte da escola pública é um projeto prioritário dos que governam o nosso país.

Vamos falar de Cuba: O que dizer de um país que valoriza sua história e, tendo feito a revolução socialista em 1959, preservou seu patrimônio arquitetônico tornando Havana, uma das cidades mais lindas que já vi, muito apreciada pelos turistas do mundo todo? A cidade tem mais de 900 monumentos, fortificações, igrejas, museus, galerias de artes e praças, sendo classificada como Patrimônio Mundial pela Unesco. É bom ver gente pobre morando nas áreas centrais da cidade, nos casarões antigos, muitas vezes em famílias ampliadas, e isso foi possível porque com a Revolução houve estatização de imóveis e os antigos inquilinos se tornaram proprietários das casas. O problema da moradia continua existindo, mas a maior parte da população não paga aluguel.

Havana é intensa. A cidade vibra com as diferentes manifestações artístico-culturais, para delírio de turistas e da população local – que tem acesso à cultura a preços módicos (já os turistas pagam preços mais salgados). Chamou a atenção, durante a viagem, a multidão presente na 24ª Feira Internacional do Livro de Havana, realizada na Fortaleza de San Carlos de La Cabaña e em diversos bairros da cidade; os livros são muito acessíveis à população. Um lugar especial que visitamos foi a Fábrica de Arte, um espaço multifuncional com exposições, shows. No dia que estivemos lá vimos uma bela exposição com corpos nus, retratada a diversidade humana, étnica e etária, e um belíssimo show de jazz. Com vários ambientes, a casa ainda tinha música eletrônica, filmes, lançamentos de livros e muito mais.

Poderíamos falar de vários aspectos que me impressionaram em Cuba. Apesar do bloqueio econômico, a ilha tem resistido e oferecido à população uma qualidade de vida melhor que o mundo capitalista. Além do bloqueio econômico, Cuba sofre forte oposição política. Os adversários do regime destacam a ausência de liberdade, de novas tecnologias, a falta de alimentos… é verdade que há dificuldade para conseguir alguns tipos de alimentos, mas existe um sistema de distribuição, no qual cada família recebe mensal e gratuitamente uma cesta de alimentos, que são anotados em uma livreta. Estes não são suficientes para todo o mês, mas toda população os acessa. Para garantir a subsistência, as pessoas compram alimentos, com os baixos salários que recebem, plantam hortas, criam porcos e galinhas (as livretas parecem as cadernetas que usávamos na minha cidade no interior de Minas Gerais, e que certamente ainda são usadas em muitos lugares no Brasil, para compras a prazo). Minha filha, que é vegana, ficou feliz ao saber que em Cuba não se cria gado para o abate (o espaço que seria necessário para o pastoreio é usado para plantar comida para a população) e, por isso, a carne vermelha é mais rara, cara e importada. A maioria da população consome porco e galinha e, enquanto estávamos em Cuba, também estava difícil o acesso a ovos. A nossa vegana achou que a ilha é um paraíso. De acordo com dados da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) o consumo de carne vermelha é o principal responsável pelo desmatamento das florestas no Brasil, por isso a diminuição do consumo tem uma contribuição muito importante para a questão ambiental.

Também é verdade que a liberdade em Cuba é restrita. O socialismo precisa discutir e aprofundar a discussão da democracia. Mas no capitalismo não há, a meu ver, nem liberdade nem democracia. Andando pelas ruas de Havana, durante o dia ou à noite, a pé, ônibus, táxi eu e minha família nos sentimos livres. A primeira liberdade é o direito à existência e em Cuba não tínhamos medo de perder nossas vidas, uma vez que a taxa de homicídio lá é muito inferior à média dos países da América Latina. A apregoada liberdade de ir e vir, tão importante no ideário liberal e ao mesmo tempo tão falaciosa (a exemplo do muro que Trump insiste em construir para impedir mexicanos/as de migrarem) é mais verdadeira em Cuba do que no Brasil. E os liberais querem falar de liberdade para os ricos fazerem o que quiserem, querem uma liberdade de comércio – relativa, porque quando seus negócios fracassam, buscam o apoio do Estado para arcar com os ônus de suas escolhas (as compras do café dos latifundiários brasileiros pós crise de 1929 e dos bancos falidos nos anos 90 do século XX exemplificam a relação que as elites no Brasil têm com o Estado). Continuemos a pensar sobre isso: é possível falar de liberdade sem direito à alimentação? No mundo capitalista 820 milhões de pessoas passam fome. Em Cuba há a garantia de uma quantidade de alimentos para todas as pessoas, com prioridade na distribuição para escolas, crianças e doentes. Como pensar em liberdade sem a garantia ao direito à saúde? Podemos falar em liberdade quando temos uma doença, procuramos um hospital e não somos atendidos/as? Em Cuba a saúde é pública, gratuita e prioritária. Área destacada do regime em curso, não só garante o direito à saúde da população cubana, mas também há solidariedade internacional, enviando profissionais de saúde para mais de 70 países, como foi a participação cubana no “Mais Médicos” no Brasil (infelizmente, a parceria foi encerrada pelo velho governo Bolsonaro). Já foi melhor a saúde em Cuba, mas o bloqueio econômico e a queda da URSS tiveram um peso na ilha como um todo e na qualidade das políticas oferecidas. No capitalismo, porém, a saúde é uma mercadoria que nem os que tem planos de saúde acessam como a população cubana acessa. Eu não quero a minha saúde na mão de quem quer ganhar dinheiro com a minha vida. Saúde, educação, segurança, alimentação, previdência não podem ser mercadoria.

Cuba é uma ilha, mas não vive isolada. Em um mundo globalizado está difícil manter a Revolução sem amparo internacional. O capitalismo venceu no campo de valores como se fosse o único e melhor jeito de organizar a vida em sociedade, mas produz miséria, desigualdade, violência para as grandes maiorias que somos nós. Ali, próximo aos EUA, México e Haiti tem um povo que lutou por sua autodeterminação e que resolveu organizar a vida de uma outra maneira. Apesar de todas as dificuldades – e elas não são poucas, destacando as opressões e as questões de gênero, que ao contrário do que se pensa, a Revolução Socialista não resolve automaticamente – tem-se um alento. O capitalismo é histórico e social. Podemos construir o mundo de uma outra maneira, que não seja baseado na exploração das pessoas. Eu chamo isso de socialismo. Vamos construí-lo? Vá pra Cuba.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império