.

Há vários motivos que levam a América Latina e, ainda mais especificamente, o Brasil para o topo do ranking mundial de assassinatos cometidos por armas de fogo. Um desses fatores é o econômico, claro, mas também é importante observar como uma parte da composição desse cenário se encontra profundamente arraigada na nossa cultura.

Isso fica muito evidente quando, nas redes sociais, os comentários mais curtidos para notícias de violência em comunidades pobres são quase sempre de apoio às ilegalidades cometidas. É que, enquanto a renda no Brasil é similar a de outros países em desenvolvimento, aqui, de maneira peculiar, uma parcela da população frequentemente legitima o extermínio de outra, sua própria compatriota, sob o pretexto uma suposta “garantia da ordem” que nunca se realiza.

Por um lado, temos falta de emprego e desigualdade de renda e de condições de vida, que com certeza facilitam a absorção de parte da nossa juventude pela cadeia do crime organizado; por outro, temos uma herança colonial e, acima de tudo, um racismo institucional que sempre dividiu a população entre aqueles/as que deveriam ser protegidos pelo estado por todos os meios, inclusive ilegais e arbitrários, e aqueles/as cujas vidas são consideradas descartáveis nesse processo.

E há, junto a tudo isso, um discurso que legitima essa ordem da desigualdade, inclusive, por meio da violência institucional que é consentida quando seu alvo é a parcela da população que ocupa o andar de baixo.

Estatísticas mórbidas do último mapa da violência são categóricas nessa definição. Quase 70% das vítimas de mortes por armas de fogos são negras, a maioria é de jovens e quase todos morreram nas periferias e nas favelas. As mesmas porcentagens se repetem quando investigamos a composição social da população carcerária. E, certamente, não é porque há na parcela negra e pobre uma vocação natural para o crime.

De fato, o que ocorre é que, primeiro, a pobreza se reproduz entre a parcela negra da população como projeto ideológico, já que o poder público, desde a abolição da escravatura, se recusa a traçar um plano de metas com objetivos claros para inclusão social. Depois, opera a seletividade do sistema penal, que inclui desde os códigos de leis, redigidas por um legislativo historicamente branco, rico e conservador, até os órgãos de fiscalização e controle, como é notório o poder judiciário, que pune implacavelmente uma parcela dos réus enquanto legitima a impunidade velada de outros.

Por essas análises, fica evidente como, através de uma cultura de exclusão e privilégios, a injustiça, na base da epidemia de assassinatos, se reproduz com aparência de legitimidade, como se fosse a coisa certa. A violência ocorre no cenário onde ela é demandada, e não como imposição.

Isso me coloca na posição que tenho hoje. Venho reivindicando uma tradição de pensamento sobre segurança pública que, além dos escopos tradicionais, como policiamento e controle de armas e drogas, se ocupa de ligar a esse problema questões como a ideia socialmente construída no Brasil sobre comunidades e favelas, o racismo, o sexismo e a parcialidade do poder punitivo.

Embora muitos acusem esse debate (que é o dos direitos humanos, o da compreensão mais completa dos sujeitos) de ser mera defesa dos “direitos de bandidos”, a minha convicção é no sentido oposto, isto é, de que só através da garantia plena de direitos, sem discriminação e com justiça social, é que vamos criar uma consciência que desarma o aparato da guerra interna e da violência.

Eu escrevo esse artigo enquanto a comunidade do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, vive dias de tiroteios intensos. Meu coração dói. Ao mesmo tempo, travamos uma batalha na Câmara contra manobras que visam garantir a impunidade de políticos envolvidos em grandes esquemas de corrupção. São fatos ligados!

O que acontece nas comunidades pobres no Brasil é um consequência da dominação do poder por uma pequena parte que aliena uma grande outra. E não da mais para ser assim.

Por nenhuma pessoa a menos, temos que pôr um basta dessa epidemia de violência. A mais ampla luta que faremos nesse sentido é na política.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império