.

.

“Devemos o progresso aos insatisfeitos”

Li isso esses dias em um cartaz de protesto e foi algo que mexeu comigo. Essa semana o assunto que paira no ar, nos lábios e nas timelines é a greve geral do dia 28.

E como qualquer tópico na internet, todo mundo tem uma opinião.

“Mas quem tá convocando essa greve é a CUT, não é?”
“É coisa de sindicalista com medo de perder o imposto sindical. O que eu tenho a ver com isso?”
“A Greve do dia 28 é coisa de vagabundo!”, berra em letras garrafais o cartaz do MBL.

Posters, ilustrações, tipografia em caixa alta, gifs – contra ou favor. O design sempre andou de mãos dadas com a resistência.

.

.

Screen Shot 2017-04-27 at 04.39.28

.

Screen Shot 2017-04-27 at 04.40.05

.

Screen Shot 2017-04-27 at 04.40.14

.

Cartazes retirados do livro “Os cartazes desta história”, parte do projeto “Resistir é Preciso”

O dia 1 de maio é a data mais importante e simbólica para reivindicar melhores condições de emprego, salário, aposentadoria, direitos básicos. Principalmente as vésperas da aprovação da reforma da Previdência. A greve geral do 1 de maio é um movimento centenário, que sempre teve o design como ponto de apoio.

.

.

Screen Shot 2017-04-27 at 04.40.26

.

Screen Shot 2017-04-27 at 04.40.47

.

.

.

Foi aí que pensei em contar na coluna dessa semana um pouco da história do design e do seu papel histórico e social. Mas caí em mim a tempo de perceber que a palavra mágica a aqui não é design, é empatia.

Screen Shot 2017-04-27 at 04.41.46

.

Screen Shot 2017-04-27 at 04.41.05

.

A classe média em crise, porém ainda muito confortável, se coloca em uma redoma instalada há quilômetros de distância de operários “chão-de-fábrica”, dos sindicalistas, dos que ocupam por falta de lugar para morar. Como a flecha certeira da fala do Guilherme Boulos nesse vídeo. “Ninguém vai com os filhos para um barraco de lona por opção”.

Assim como ocupação não é coisa de vagabundo, a greve não é coisa de vagabundo.
Empatia é o que nos falta na hora de entender que somos todos parte dos 99%.

Screen Shot 2017-04-27 at 04.42.13

.

E aí me lembrei de outro cartaz que visto em um protesto.

IMAGEM SEM PASTA

Ele diz: “Se você não está puto, você não está prestando atenção.”
E se você está puto com quem está puto, talvez seja a hora de refletir sobre empatia e o sobre o coletivo.

Deixo por fim alguns cartazes feitos nas mais diversas circunstâncias, em vários lugares do mundo, para inspirar e para lembrar sobre a empatia que devemos ter com os insatisfeitos que lutam.

1-rC2Rb6RenvYK4hr332KtnQ

.

“Eu sou um homem” – Poster empunhado por 1.300 trabalhadores negros do saneamento em Memphis (sul dos EUA), em protesto contra as más condições de trabalho e baixos salários.

5e49a3f465e4f645e5b2fa207fbed8a3

.

“Nós temos o poder”

ab7c4fbd68d135f582f9ea0da1e1ee48

.

Trabalhadores franceses e imigrantes unidos

.

.

“Lute como uma garota”

06653b8c77349f9fafccf3994eb86730

.

“Uma ideia não pode ser destruída”

780fe8c892912236fe39bceefb6b6985

.

“Permita que a igualdade floresça”

1-y6kyfU2Gc1wKHy_Df6J0xA

“Poder para o povo”

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

Aos que votavam em Bolsonaro por "honestidade", podem arrumar outro motivo ou voto

Renata Mielli

Podem ter roubado seus dados do Facebook para alterar o resultado da eleição

Gabinetona

Economia pelo bem viver

Caetano Veloso

Caetano Veloso responde a Olavo de Carvalho

Monique Prada

Monique Prada: Pode a puta de luxo falar?

Ivana Bentes

Delírio de onipotência: A carta de Bolsonaro ao povo brasileiro é um obituário para a democracia

Movimento dos Pequenos Agricultores

Soberania Alimentar e o que está em jogo nesta corrida presidencial

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: As Democracias também morrem democraticamente

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Operação Lava-Zap

Tulio Ribeiro

Milagro Sala: Os mil dias de uma prisão injusta

Tulio Ribeiro

O genocídio palestino

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Legado dos governos petistas foi mais importante na educação

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século

Tulio Ribeiro

A dolarização e o neocolonialismo

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes