Sônia Guajajara e Guilherme Boulos na Conferência Cidadã. Foto: Jorge Ferreira / Mídia NINJA

Mais de 27 000 filiados se reuniram em plenárias municipais do partido para debater o cenário político do Brasil e perspectivas para a reorganização da esquerda.

Por maioria decidiu-se pela tese política de que o golpe institucional brasileiro gravíssimo para a realidade da juventude e da classe trabalhadora , alavancaria a articulação de um campo superior ao do partido.

Aprovou-se que o Psol fosse parte de uma aliança estratégica com movimentos sociais além de sua própria fronteira.

O que aprovamos no congresso nacional do PSOL foi a construção de uma nova esquerda .

O novo por vezes dá medo porque tira da zona de conforto setores de todos os lados acomodados em suas posições políticas.

Sonia e Guilherme são do Psol Sem Medo!

Eles representam as bases das mulheres guerreiras do MTST, de sem-tetos que questionam e afrontam a lógica da propriedade privada e da radicalidade do povo índigena que é a ponta da lança na resistência aos coronéis brasileiros.

Frente à intervenção militar e aos ataques do neoliberalismo, vai ser crucial na defesa dos direitos democráticos, sociais e econômicos.

Nessa aliança há disposição de todos os setores envolvidos em produzir sínteses e assim superar o período longo em que a fragmentação reinou na esquerda brasileira. Também há acordo em superar os erros das alianças petistas e de construir um projeto para o país independente e popular.

Sendo assim, ao contrário do que dizem os opositores internos do Psol à essa política. A chapa Boulos e Sônia não retira o sentido fundacional e histórico do partido, ao contrário, o confirma.

Fundação essa que partiu da avaliação de que era e é crucial ter um partido com independência política e comprometido com a luta da juventude , mulheres , povos negros e indígenas e de toda a classe trabalhadora .

A pré-candidatura de Sônia e Guilherme à presidência é portanto, a confirmação do sentido histórico desse partido, que sempre foi o de ser um espaço independente, livre para que a reorganização de uma nova esquerda seguisse seu curso.

Nem mesmo o Lula é maior e mais potente do que essas lutas e esse projeto.

Ninguém é.

Por essas razões a pré-candidatura dos dois lutadores é a expressão da democracia e do projeto de país que nós queremos construir.

Foi a história concreta e as lutas populares que nos trouxeram ao encontro de Guilherme Boulos e Sônia Guajajara e esse encontro irá transformar a esquerda brasileira.

Momentos assim na história são ricos e determinantes. Estamos assistindo ao processo de reorganizacao da esquerda brasileira. Uma nova esquerda anticapitalista, participativa e plural é urgente.

Guilherme Boulos e Sônia Guajajara a representarão muito bem.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

Aos que votavam em Bolsonaro por "honestidade", podem arrumar outro motivo ou voto

Renata Mielli

Podem ter roubado seus dados do Facebook para alterar o resultado da eleição

Gabinetona

Economia pelo bem viver

Caetano Veloso

Caetano Veloso responde a Olavo de Carvalho

Monique Prada

Monique Prada: Pode a puta de luxo falar?

Ivana Bentes

Delírio de onipotência: A carta de Bolsonaro ao povo brasileiro é um obituário para a democracia

Movimento dos Pequenos Agricultores

Soberania Alimentar e o que está em jogo nesta corrida presidencial

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: As Democracias também morrem democraticamente

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Operação Lava-Zap

Tulio Ribeiro

Milagro Sala: Os mil dias de uma prisão injusta

Tulio Ribeiro

O genocídio palestino

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Legado dos governos petistas foi mais importante na educação

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século

Tulio Ribeiro

A dolarização e o neocolonialismo

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes