Pelo Estudante NINJA Tiago Neto*

Foto: Raoni Garcia/ Mídia NINJA

O processo de aniquilamento das políticas públicas sociais é o retrato sintomático da crise na educação como um projeto persistente no país parafraseando Darcy Ribeiro antropólogo, escritor e político brasileiro. Notadamente, o trágico começo da gestão do presidente eleito fez do campo educacional inimigo a ser combatido. Num cenário de guerra em que educadoras e educadores são agentes protagonistas da “doutrinação comunista”. Na concepção dos atuais donos do poder as instituições escolares são “aparelhos dominados pelo marxismo cultural”. Este controla o sistema educacional brasileiro desde a Educação Básica até as Universidades públicas que são alvos sistemáticos da sanha persecutória do Governo Federal, sobretudo por quem ocupa o Ministério da Educação. Nesse caso, em específico, o caráter trágico toma proporções de uma horripilante comédia – dramática, absolutamente, sem graça, porquê a educação como política de Estado não é levada a sério sendo vista como significativa ameaça aos detentores do poder no período recente.

A começar pela gestão do ex-ministro Ricardo Vélez que não durou mais de 100 dias. O representante da pasta teceu algumas afirmações sobre o comportamento do povo: “o brasileiro, viajando, é um canibal: “Rouba as coisas dos hotéis, rouba o assento salva-vidas do avião; ele acha que sai de casa e pode carregar tudo. Esse é o tipo de coisa que tem de ser revertido na escola”. Um pedido de desculpas e uma declaração de amor não foi suficiente para apagar o incêndio. Posteriormente, Vélez contribuiu para piorar o cenário ao dizer: “Brasileiros! Vamos saudar o Brasil dos novos tempos e celebrar a educação responsável e de qualidade a ser desenvolvida na nossa escola pelos professores, em benefício de vocês, alunos, […]” – como se não bastasse o mote – “[…], que constituem a nova geração. Brasil acima de tudo, Deus acima de todos!”. Pelo que aparenta a carta traz uma tentativa de remissão, ou na verdade, consistia numa carta a ser enviada para direção das instituições escolares de todo o país e ser lida para todos as/sujeitos da educação. Claro que com estudantes, funcionários, professores perfilados perante a bandeira cantando o hino nacional.

Nessa perspectiva um panorama dos rumos da política educacional brasileira e a profundidade do fosso que o país está submetido, com explicação detalhada da administração Vélez. No dia 27 de março de 2019, o presidente da república declarou no twitter “Sofro fake news diárias como esse caso da ‘demissão’ do Ministro Velez. A mídia cria narrativas”, sentenciou. Tendo em vista que a GloboNews chegou anunciar que Bolsonaro havia decidido demitir o então ministro da educação. Foram menos de 100 dias de incertezas e confusões, na curta passagem do Ministro da Educação Ricardo Vélez. Qual o legado dele para educação? Não houve um legado positivo, a começar pela intenção do antigo ministro em fazer uma reavaliação do que significou o Golpe Militar de 1964 que instaurou a Ditadura Militar no Brasil aliado também a perseguição interna de caráter político e ideológico no ministério devido a onda de demissão ministerial. É possível afirmar existir uma herança maldita construída num curto espaço de tempo.

Esse prognóstico tende a ficar mais complexo devido ao fato de sair ministro e entrar outro para chefiar a pasta, a lógica de desqualificar a educação, a profissão docente e prática pedagógica continua viva no núcleo sólido da gestão bolsonariana. Está no DNA de (des)governo uma abordagem economicista da educação dado o novo perfil que ocupa lugar de destaque no Ministério da Educação. A linguagem mais usual do economista Abraham Weintraub a respeito da política educacional oscila entre cortes – bloqueios – contingenciamento, o presidente eleito e o recém-empossado ministro reduz as críticas que recebem sobre as propostas deles para educação de fake news, tem até dancinha do Ministro de Estado com direito a trilha sonora. Estão preocupados com o “marxismo cultural” – o “comunismo” – a “escola ‘sem’ partido” e expurgar Paulo Freire da educação. A perversidade das ações desse desgoverno na educação afeta 70 instituições federais de todo o Brasil. Não podemos deixar dúvidas ao afirmarmos, se essa gestão insistir nos cortes um milhão de estudantes serão afetados.

Por que Bolsonaro é inimigo da educação? Porque as universidades foram os principais alvos dos cortes. Mesmo afirmando que o contingenciamento tenha caráter geral, o corte nas universidades correspondem a 35,9% da redução total realizada nas despesas do Ministério da Educação que ficou em R$ 5,714 bilhões. Será que a medida tomada deve-se ao revanchismo devido as instituições em sua maioria se posicionaram contra o atual governo ainda na época das eleições presidenciais. Há que levar em consideração a natureza do corte, as verbas interditadas seriam destinadas ao investimento e custeio das universidades, despesas discricionárias, comprometendo mais 2 bilhões, ou 29,74% do total de R$ 6,99 bilhões do orçamento aprovado pelo Congresso Nacional. A trajetória que o Governo Federal, sobretudo o Ministério da Educação está tomando constitui uma agressão direta à pesquisa impedindo o funcionamento básico das universidades: água, luz, limpeza, bolsa auxílio e a política de assistência estudantil. Finalmente, o acesso, permanência e êxito discente é colocada em cheque pela política de austericídio ultraliberal.

O apagamento da política social dialoga com a nova dinâmica das relações de poder. Retrata-se a lógica de subserviência ao grande capital que o ponto de ancoragem reside no caráter antipopular, antinacional e conservador. Eis, o sustentáculo do pensamento e ação do atual governo. Inimigo da Educação, portanto Inimigo do Brasil. A educação crítica, reflexiva e emancipatória contribui com o combate à barbárie contemporânea. As ruas, espaços mais democrático do país foram ocupadas por todes sujeitos da educação, do chão da escola ou das universidades do Brasil profundo. O Movimento Estudantil protagonizado por estudantes, professores e o amplo espectro de movimentos sociais fizeram o mês de maio tremer no dia 15 e 30 contra o apagão científico representado pelo congelamento de 4.798 bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado, oferecidas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoas de Nível Superior isso impacta o desenvolvimento humano. O desejo de poder transforma a educação num não-lugar visa tornar as universidades improdutivas, cujo declínio de investimento vem desde 2014, apesar disso as universidades públicas continuam fazendo 95% da produção científica brasileira.

A narrativa construída pelos atuais donos do poder dizem que há “investimentos ‘demais’ no ensino superior”. Não é bem assim, pois de acordo com dados do Nexo desde 2014 o investimento em educação caiu 56% (R$11,3 bilhões para R$4,9 bilhões), segundo a Lei Orçamentária de 2019 pode chegar a R$ 4,2 bilhões. Ao analisarmos o Ensino Superior verifica-se a queda do investimento em cerca de 15%, conforme considera o Sistema Integrado de Administrado de Administração Financeira do Governo Federal. Sabemos que o Brasil investe por aluno cerca de US$ 14.200 em educação universitária, abaixo dos países da OCDE, que é de US$ 15.600. Outro discurso falacioso é “o governo não está tirando do ensino superior para o ensino básico” o MEC bloqueou R$ 2,4 bilhões que seriam destinados a programas da educação infantil e ao ensino médio. A incompetência da atual gestão impossibilitou o investimento em suas próprias bandeiras de sua campanha eleitoral como EAD e Ensino Técnico sem recursos: bloqueou-se recursos para programas de permanência das crianças mais pobres na escola, como merenda e transporte escolar. Hospitais Universitários serão afetados, de forma significativa com essa política de desmonte.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub chegou a dizer que iria desbloquear as verbas se a Reforma da Previdência for aprovada, isso é chantagem, fazer da educação moeda de troca e constata a face perversa da gestão Bolsonaro que chegou a afirmar que o investimento concentrava nas Ciências Humanas, o que novamente não correspondia a realidade dos fatos. Tendo em vista que apenas 1,4 da verba do CNPq e do Capes vão para Ciências Humanas e Ciências Aplicadas. Nesse sentido, as Ciências Exatas, Biológicas, Agrárias, da Saúde e as Engenharias concentram 64,3% das bolsas e ao todo, correspondem a 119,3 mil benefícios concedidos a essas áreas entre os 185,4 mil disponíveis. Ciências Humanas, Sociais Aplicadas e Linguística, Letras e Artes, por sua vez, recebem 24,3% delas ver (https://une.org.br/noticias/a-verdade-sobre-os-cortes-em-numeros/). Por essas razões a Luta em Defesa da Educação está unificada contra a Reforma da Previdência e não podemos esquecer de repudiar o Pacote Anticrime do Moro.

Logo, a Greve Geral de 14 de Junho de 2019 é uma conclamação ao povo brasileiro que promova a ocupação das ruas visando unificar e fortalecer a luta do Movimento Estudantil e do Movimento Sindical. A retirada de direitos praticados pela atual gestão criminaliza os mais pobres, dificulta a aposentadoria, alonga o tempo de trabalho em condições precárias e instaura o regime de capitalização, estes procedimentos vão contra os direitos fundamentais, resguardado pela Constituição de 1988. Dilapidando a Seguridade Social, conquista histórica do povo brasileiro.

*Tiago Neto da Silva é estudante de Licenciatura em Química pela Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Goiás – Câmpus Luziânia.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal